Fechar
Publicidade

Sábado, 24 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Gasto com presente de Dia das Mães deve subir 21% na região

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Pesquisa indica que gasto deve ser R$ 141, enquanto no ano passado era R$ 109; data deve movimentar R$ 118,5 milhões


Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

30/04/2021 | 15:03


O gasto com presente de Dia das Mães, comemorado no próximo dia 9, deve subir 21% no Grande ABC. Em 2020, a média foi de R$ 109, enquanto para este ano, a previsão é de R$ 141. Com isso, R$ 118,5 milhões devem ser movimentados na região ante R$ 99 milhões há um ano – alta de 20%. Os dados são da PIC (Pesquisa de Intenção de Compra), divulgada nesta sexta-feira (30) pelo Observatório Econômico da Universidade Metodista. Os valores consideram a inflação acumulada em 12 meses (6,09%).

Mesmo com a pandemia pior do em 2020, Sandro Maskio explica que a alta no valor do presente ocorre porque tanto consumidores quanto comerciantes estão mais adaptados aos novos formatos de negócio. “No ano passado, o Dia das Mães teve uma característica muito singular porque ocorreu logo depois do início da pandemia, no momento em que sociedade mais cumpriu isolamento. Estamos no momento (sanitário) mais crítico, mas as pessoas estão mais adaptadas a comprar e vender on-line, por delivery ou drive-thru”, exemplifica.

Outra justificativa é a de que, mesmo com o desemprego em alta – o Grande ABC acumula fechamento de 1.076 postos de trabalho formais nos últimos 12 meses, conforme dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) – e a diminuição da renda de muitas famílias, a data tem apelo afetivo muito grande, aponta Maskio. “No Natal, quando a pessoa está apertada, ela deixa de comprar o presente de todo mundo, menos o da mãe. O isolamento e as famílias mais distantes fortificam este apelo”, afirma.

O levantamento indica que 63,1% dos moradores da região opta por comprar o presente por e-commerce ou pelas redes sociais. Ao mesmo tempo, 15,5% preferem adquirir com lojistas de centros comerciais que ofereçam serviço de delivery e 11,3% pretende comprar de pequenos comerciantes autônomos. Apenas 7,6% pretende comprar em shopping com lojistas que ofereçam delivery e 2,5% irá às compras no comércio que está aberto durante as fases restritivas da pandemia.

Inclusive, a pesquisa mostrou que 85% das pessoas se considera adaptada aos novos meios eletrônicos de compra, sendo a principal alteração na PIC em comparação aos anos anteriores, quando a prioridade era pelo consumo presencial nas lojas. “Passada a pandemia, o digital vai ganhar muito espaço em comparação ao pré-pandemia, principalmente ao conquistar novos consumidores que antes não era adeptos. Os próprios comerciantes estão com mais expertise para isso”, reforça Maskio.

O pesquisador adiciona que conforme o e-commerce se consolida, os meios de pagamento digitais também devem ganhar mais espaço. Tanto que esta edição da pesquisa indicou que 13,4% dos entrevistados irão pagar o presente de Dia das Mães com dinheiro virtual, como pix, PayPal e PicPay. A modalidade fica atrás apenas do cartão de crédito (52,2%) e de débito (29,3%).

PERFIL DO PRESENTE

Dos 523 entrevistados, 58,8% afirmam que pretende presentear a própria mãe, enquanto 11% irá comprar mimos para a sogra, 11% para a avó, 5,4% para a esposa, 4,2% para a irmã, 3,1% para a tia ou madrinha e 6,4% planeja comprar um presente para outras pessoas. Assim como nos anos anteriores, os principais itens escolhidos são vestuário (34,7%), perfume e cosmético (20,8%), flores (10%), joia ou bijuteria (8,2%) e cesta de café da manhã (7,8%).

Vale destacar que além do desejo da pessoa que será presenteada (35,7%), 26,8% dos entrevistados considera o preço do produto como determinante na escolha do presente. A qualidade do produto (20%) e o desconto ou promoção das lojas (8,4%) também são importantes. O estudo tem margem de erro de quatro pontos percentuais, com 95% de confiança.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;