Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 14 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Turismo

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

Salvador e a magia contagiante de um povo


Irati Motta
Enviada a Salvador

26/11/2003 | 17:19


Com cerca de 2,5 milhões de habitantes, Salvador, a primeira capital do Brasil, fundada em 29 de março de 1549 e, por 214 anos a primeira metrópole portuguesa da América Latina, é hoje Patrimônio Cultural da Humanidade, com 3,6 mil casarões tombados pela Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura). O clima tropical faz com que Salvador tenha uma temperatura média de 25º C e sol praticamente o ano inteiro.

Marcada pelo sincretismo religioso entre o catolicismo e o candomblé, a capital baiana abriga manifestações culturais de todos os tipos, como a tradicional capoeira, o maculelê, o samba de roda e o reisado, além das tradições populares e do respeito aos cultos africanos, apresentado nas festas do calendário sagrado-profano da cidade.

A cidade nos contempla com 50 km de praias, o belo pôr-do-sol do Farol da Barra, o artesanato, a cultura do Mercado Modelo e as delícias da culinária típica, regada a muito azeite de dendê.

Tudo isso, sem contar com os encantos e a simpatia do povo baiano, que habita o espaço cercado pela Baía de Todos os Santos.

Hoje, Salvador pode se orgulhar de estar preparada para receber os turistas. A restauração e revitalização do Centro Histórico, que teve início em 1992, na gestão do então governador Antônio Carlos Magalhães, já está na sétima etapa. Além disso, o programa Bahia Azul, que encaminha por emissário subterrâneo o esgoto para alto mar, mantém limpas 70% das praias. Segundo o prefeito Antonio Imbassahy, “a população têm consciência de que o turismo é uma forte atividade econômica e, por isso, ajuda na preservação”. O resultado é uma cidade limpa e linda. Confira o que turista não pode deixar de ver:

Centro histórico – Ir a Salvador e não ir ao Centro Histórico é um pecado sem redenção. É um passeio através do tempo percorrendo caminhos, ladeiras, praças, igrejas e fortes que fizeram a primeira capital do Brasil. E, é claro, que toda a atenção deve ser dada ao Pelourinho, o maior complexo arquitetônico colonial da América Latina, onde se vê a convivência harmônica entre o antigo e o moderno, com bares, restaurantes e artesanato local, funcionando 24 horas. Pelourinho dia e noite. Ele é sede de importantes grupos culturais, como o Olodum, que realiza ensaios todas as terças.

Elevador Lacerda – Cartão-postal da cidade, que oferece uma magnífica vista da baía. Possui quatro elevadores automatizados e climatizados, com capacidade para 32 pessoas, acessos ampliados, catracas eletrônicas e uma iluminação cênica. O tempo de subida ou decida é de 23 segundos.

Nosso Senhor do Bonfim – A tradição de amarrar uma fita no pulso com três nós, repetindo em cada um deles o pedido, é sagrada entre os católicos e entre os praticantes do candomblé – que nomearam o Senhor do Bonfim de Oxalá – o deus maior da religião africana. Na segunda quinta-feira de janeiro, após o Dia de Reis, uma procissão de baianas de acarajé acompanhada pelo povo sai numa caminhada de 8 km da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia em direção à Igreja do Bonfim. Tipicamente vestidas e levando potes brancos com flores e água, as baianas lavam as escadarias (não muito grandes) do templo em meio a cantorias e saudações.

Solar do Unhão – Apareceu na paisagem da cidade como engenho de açúcar construído por Gabriel Soares em meados do século XVI. Era um complexo agroindustrial semelhante aos engenhos rurais, com casa-grande, capela e senzala. Um dos mais notáveis exemplos da arquitetura colonial baiana, foi degradado ao ponto de servir como depósito de inflamáveis. Hoje, restaurado, é sede do Museu de Arte Moderna.

A jornalista viajou a convite da TAM, rede de hotéis cinco estrelas e Emtursa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Salvador e a magia contagiante de um povo

Irati Motta
Enviada a Salvador

26/11/2003 | 17:19


Com cerca de 2,5 milhões de habitantes, Salvador, a primeira capital do Brasil, fundada em 29 de março de 1549 e, por 214 anos a primeira metrópole portuguesa da América Latina, é hoje Patrimônio Cultural da Humanidade, com 3,6 mil casarões tombados pela Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura). O clima tropical faz com que Salvador tenha uma temperatura média de 25º C e sol praticamente o ano inteiro.

Marcada pelo sincretismo religioso entre o catolicismo e o candomblé, a capital baiana abriga manifestações culturais de todos os tipos, como a tradicional capoeira, o maculelê, o samba de roda e o reisado, além das tradições populares e do respeito aos cultos africanos, apresentado nas festas do calendário sagrado-profano da cidade.

A cidade nos contempla com 50 km de praias, o belo pôr-do-sol do Farol da Barra, o artesanato, a cultura do Mercado Modelo e as delícias da culinária típica, regada a muito azeite de dendê.

Tudo isso, sem contar com os encantos e a simpatia do povo baiano, que habita o espaço cercado pela Baía de Todos os Santos.

Hoje, Salvador pode se orgulhar de estar preparada para receber os turistas. A restauração e revitalização do Centro Histórico, que teve início em 1992, na gestão do então governador Antônio Carlos Magalhães, já está na sétima etapa. Além disso, o programa Bahia Azul, que encaminha por emissário subterrâneo o esgoto para alto mar, mantém limpas 70% das praias. Segundo o prefeito Antonio Imbassahy, “a população têm consciência de que o turismo é uma forte atividade econômica e, por isso, ajuda na preservação”. O resultado é uma cidade limpa e linda. Confira o que turista não pode deixar de ver:

Centro histórico – Ir a Salvador e não ir ao Centro Histórico é um pecado sem redenção. É um passeio através do tempo percorrendo caminhos, ladeiras, praças, igrejas e fortes que fizeram a primeira capital do Brasil. E, é claro, que toda a atenção deve ser dada ao Pelourinho, o maior complexo arquitetônico colonial da América Latina, onde se vê a convivência harmônica entre o antigo e o moderno, com bares, restaurantes e artesanato local, funcionando 24 horas. Pelourinho dia e noite. Ele é sede de importantes grupos culturais, como o Olodum, que realiza ensaios todas as terças.

Elevador Lacerda – Cartão-postal da cidade, que oferece uma magnífica vista da baía. Possui quatro elevadores automatizados e climatizados, com capacidade para 32 pessoas, acessos ampliados, catracas eletrônicas e uma iluminação cênica. O tempo de subida ou decida é de 23 segundos.

Nosso Senhor do Bonfim – A tradição de amarrar uma fita no pulso com três nós, repetindo em cada um deles o pedido, é sagrada entre os católicos e entre os praticantes do candomblé – que nomearam o Senhor do Bonfim de Oxalá – o deus maior da religião africana. Na segunda quinta-feira de janeiro, após o Dia de Reis, uma procissão de baianas de acarajé acompanhada pelo povo sai numa caminhada de 8 km da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia em direção à Igreja do Bonfim. Tipicamente vestidas e levando potes brancos com flores e água, as baianas lavam as escadarias (não muito grandes) do templo em meio a cantorias e saudações.

Solar do Unhão – Apareceu na paisagem da cidade como engenho de açúcar construído por Gabriel Soares em meados do século XVI. Era um complexo agroindustrial semelhante aos engenhos rurais, com casa-grande, capela e senzala. Um dos mais notáveis exemplos da arquitetura colonial baiana, foi degradado ao ponto de servir como depósito de inflamáveis. Hoje, restaurado, é sede do Museu de Arte Moderna.

A jornalista viajou a convite da TAM, rede de hotéis cinco estrelas e Emtursa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;