Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 14 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Diário Popular deverá indenizar professora em R$ 27 mil


Do Diário OnLine

20/05/2001 | 16:58


A 5ª Vara Cível Central condenou o jornal Diário Popular a indenizar uma professora de Miracatu, no interior de São Paulo, em 150 salários mínimos (R$ 27.150) por ter publicado sua foto em uma reportagem sobre prostituição infantil.

A foto da professora do primário Eliete Delgado foi utilizada para ilustrar a reportagem com o título “Prostituição infantil – Trocando o corpo por sanduíche”. A matéria falava sobre a prostituição em estradas, mas a professora afirmara que havia apenas pego carona com um amigo caminhoneiro para ir à escola.

Eliete alegou ter sido alvo de piadas de mau gosto e que seus alunos passaram a questionar sua índole. Segundo o advogado da professora, Walter Rosa de Oliveira, após a publicação, surgiram comentários na cidade de que o ex-marido de Eliete pediria a guarda dos filhos menores de idade.

O juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho acatou o argumento da defesa da professora e determinou a indenização.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diário Popular deverá indenizar professora em R$ 27 mil

Do Diário OnLine

20/05/2001 | 16:58


A 5ª Vara Cível Central condenou o jornal Diário Popular a indenizar uma professora de Miracatu, no interior de São Paulo, em 150 salários mínimos (R$ 27.150) por ter publicado sua foto em uma reportagem sobre prostituição infantil.

A foto da professora do primário Eliete Delgado foi utilizada para ilustrar a reportagem com o título “Prostituição infantil – Trocando o corpo por sanduíche”. A matéria falava sobre a prostituição em estradas, mas a professora afirmara que havia apenas pego carona com um amigo caminhoneiro para ir à escola.

Eliete alegou ter sido alvo de piadas de mau gosto e que seus alunos passaram a questionar sua índole. Segundo o advogado da professora, Walter Rosa de Oliveira, após a publicação, surgiram comentários na cidade de que o ex-marido de Eliete pediria a guarda dos filhos menores de idade.

O juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho acatou o argumento da defesa da professora e determinou a indenização.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;