Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Diagnóstico em uma gota


Especial para o Diário

19/10/2009 | 07:09


Um exame de sangue diferente promete trazer mais agilidade e eficácia ao diagnóstico de doenças durante o pré-natal. É o teste em papel de filtro. Feito a partir de uma pequena amostra de sangue do dedo da gestante, o teste é bem mais simples que o exame convencional, além de ter menor custo de aplicação.

O bioquímico cubano Juan Fidel Bencomo, líder da pesquisa que culminou com a criação do teste, ressalta que o exame convencional, feito com a retirada do sangue da veia da paciente, precisa de um extenso aparato que inclui materiais como seringa, agulha, tubos de ensaio e agentes anticoagulantes, além de exigir condições especiais de armazenamento e transporte da amostra.

Já para o exame em papel de filtro, apenas seis gotas de sangue da paciente são suficientes para fazer todas as análises, e o resultado sai em até 10 dias. Além disso, a amostra do sangue é seca, o que facilita a conservação e o transporte: ela pode ser enviada até pelo correio. O exame também dispensa o jejum, o que faz com que a paciente possa realizá-lo a qualquer momento.

"A principal vantagem é a minimização da logística da coleta de sangue, o que aumenta a eficácia no processo de triagem da população", afirma o bioquímico.

TRATAMENTO PRECOCE
A pesquisa foi conduzida pelo BioMarc (Laboratório de Pesquisa de Marcadores Biológicos), do IVB (Instituto Vital Brazil), no Rio de Janeiro, e teve como foco o período pré-natal, em que o diagnóstico precoce de doenças é primordial para minimizar possíveis complicações para a mãe e para o bebê.

Bencomo explica que o exame em papel de filtro deve ser realizado no início da gestação e repetido no terceiro trimestre. Segundo ele, o IVB agora negocia com os municípios para disponibilizar o exame nos hospitais, e os pesquisadores trabalham para organizar programas de triagem para a prevenção de doenças não transmissíveis, como a insuficiência renal crônica, o diabetes e as coronariopatias. (Tatiane Leal, Ciência Hoje/RJ)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diagnóstico em uma gota

Especial para o Diário

19/10/2009 | 07:09


Um exame de sangue diferente promete trazer mais agilidade e eficácia ao diagnóstico de doenças durante o pré-natal. É o teste em papel de filtro. Feito a partir de uma pequena amostra de sangue do dedo da gestante, o teste é bem mais simples que o exame convencional, além de ter menor custo de aplicação.

O bioquímico cubano Juan Fidel Bencomo, líder da pesquisa que culminou com a criação do teste, ressalta que o exame convencional, feito com a retirada do sangue da veia da paciente, precisa de um extenso aparato que inclui materiais como seringa, agulha, tubos de ensaio e agentes anticoagulantes, além de exigir condições especiais de armazenamento e transporte da amostra.

Já para o exame em papel de filtro, apenas seis gotas de sangue da paciente são suficientes para fazer todas as análises, e o resultado sai em até 10 dias. Além disso, a amostra do sangue é seca, o que facilita a conservação e o transporte: ela pode ser enviada até pelo correio. O exame também dispensa o jejum, o que faz com que a paciente possa realizá-lo a qualquer momento.

"A principal vantagem é a minimização da logística da coleta de sangue, o que aumenta a eficácia no processo de triagem da população", afirma o bioquímico.

TRATAMENTO PRECOCE
A pesquisa foi conduzida pelo BioMarc (Laboratório de Pesquisa de Marcadores Biológicos), do IVB (Instituto Vital Brazil), no Rio de Janeiro, e teve como foco o período pré-natal, em que o diagnóstico precoce de doenças é primordial para minimizar possíveis complicações para a mãe e para o bebê.

Bencomo explica que o exame em papel de filtro deve ser realizado no início da gestação e repetido no terceiro trimestre. Segundo ele, o IVB agora negocia com os municípios para disponibilizar o exame nos hospitais, e os pesquisadores trabalham para organizar programas de triagem para a prevenção de doenças não transmissíveis, como a insuficiência renal crônica, o diabetes e as coronariopatias. (Tatiane Leal, Ciência Hoje/RJ)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;