Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 20 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Em novo embate, Sindserv tira direção de transição


Da Redação
Do Diário do Grande ABC

19/11/2016 | 07:00


Direção provisória foi tirada no Sindserv (Sindicato dos Servidores Públicos) de Santo André para comandar o processo de eleição à direção da categoria. A atual presidência e a oposição vêm travando batalha eleitoral e judicial há pelo menos um ano.

O presidente desse bloco de transição – chamado internamente de junta governativa – será Luciano Manoel do Nascimento, que não é reconhecido pelo atual bloco de comando do Sindserv. Segundo a oposição, ele foi eleito em pleito que durou cinco horas na noite de quinta-feira – ato esse também contestado pela situação.

“Assumimos o sindicato com a missão de respeitar a decisão dos servidores em assembleia e da Justiça e faremos um processo eleitoral democrático, com lisura, e que respeite todas as diferenças ideológicas”, afirmou Nascimento, citando atender a determinações do juiz Flávio Pinella Helaehil, da 3ª Vara Cível de Santo André. Além da junta governamental, foi designado também um conselho fiscal.

A atual direção, comandada por Carlos Alberto Pavan, afirma que publicou edital convocando eleições na categoria para os dias 28 e 29 de setembro. A oposição, que diz ter respaldo judicial, realizou pleito interno nos dias 19, 20 e 21. Essa discrepância motivou a ação judicial e causou imbróglio na eleição para o representante dos servidores públicos de Santo André.

Helaehil decidiu cancelar as duas eleições e pediu que direção de transição organizasse novo processo eleitoral. Nascimento voltou a acusar o grupo liderado por Pavan de tumultar a escolha para a junta governativa.

“Tiramos de fato uma junta governativa, mas não com esses nomes que eles (oposição) apontam. Não sei como eles tiraram um coordenador dessa junta, já que decidimos escolher essa figura só na segunda-feira. Tudo que a Justiça tem falado temos seguido. Não reconhecemos o que a oposição tem feito”, apontou Pavan. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em novo embate, Sindserv tira direção de transição

Da Redação
Do Diário do Grande ABC

19/11/2016 | 07:00


Direção provisória foi tirada no Sindserv (Sindicato dos Servidores Públicos) de Santo André para comandar o processo de eleição à direção da categoria. A atual presidência e a oposição vêm travando batalha eleitoral e judicial há pelo menos um ano.

O presidente desse bloco de transição – chamado internamente de junta governativa – será Luciano Manoel do Nascimento, que não é reconhecido pelo atual bloco de comando do Sindserv. Segundo a oposição, ele foi eleito em pleito que durou cinco horas na noite de quinta-feira – ato esse também contestado pela situação.

“Assumimos o sindicato com a missão de respeitar a decisão dos servidores em assembleia e da Justiça e faremos um processo eleitoral democrático, com lisura, e que respeite todas as diferenças ideológicas”, afirmou Nascimento, citando atender a determinações do juiz Flávio Pinella Helaehil, da 3ª Vara Cível de Santo André. Além da junta governamental, foi designado também um conselho fiscal.

A atual direção, comandada por Carlos Alberto Pavan, afirma que publicou edital convocando eleições na categoria para os dias 28 e 29 de setembro. A oposição, que diz ter respaldo judicial, realizou pleito interno nos dias 19, 20 e 21. Essa discrepância motivou a ação judicial e causou imbróglio na eleição para o representante dos servidores públicos de Santo André.

Helaehil decidiu cancelar as duas eleições e pediu que direção de transição organizasse novo processo eleitoral. Nascimento voltou a acusar o grupo liderado por Pavan de tumultar a escolha para a junta governativa.

“Tiramos de fato uma junta governativa, mas não com esses nomes que eles (oposição) apontam. Não sei como eles tiraram um coordenador dessa junta, já que decidimos escolher essa figura só na segunda-feira. Tudo que a Justiça tem falado temos seguido. Não reconhecemos o que a oposição tem feito”, apontou Pavan. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;