Fechar
Publicidade

Domingo, 22 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Dificuldade financeira causa apreensão na Agência

Vice-presidente, Bassi admite possibilidade de fechar; Paulo Serra banca entidade para 2018


Raphael Rocha
do Diário do Grande ABC

29/11/2017 | 07:00


A situação financeira da Agência de Desenvolvimento Econômico do Grande ABC tem causado apreensão entre os associados, a ponto de o vice-presidente da entidade e reitor da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Marcos Bassi, admitir a possibilidade de fechamento da organização. Por outro lado, o prefeito de Santo André e presidente da Agência, Paulo Serra (PSDB), assegura que o bloco continuará ativo.

Na segunda-feira houve reunião dos conselheiros da Agência na qual o quadro financeiro da entidade foi debatido. Estima-se que haja dívida na ordem de R$ 1 milhão, entre pessoal, impostos atrasados e fornecedores. No encontro foi deliberada a convocação de outra reunião, com Paulo Serra, para discutir o futuro.

Ao Diário, Bassi reconheceu os problemas e cogitou até renunciar ao cargo de vice-presidente da Agência. “Do jeito que está, vai fechar. Há dívida, que cresce, e não vemos ação efetiva. Apenas Mauá pagou repasse regular à Agência. Adiantamos as cotas das entidades e sindicatos filiados. USCS, Unip, Instituto Mauá de Tecnologia, por exemplo, já anteciparam todo repasse desse ano”, relatou. “Precisamos saber qual o caminho, se ficar aberta a Agência ou se fecha. Do jeito que está, a Agência morre aos poucos. E eu vou esperar até semana que vem. Se a coisa não andar, eu vou renunciar ao meu cargo.”

Os problemas financeiros da Agência se avolumaram quando, no começo do ano, o Consórcio Intermunicipal interrompeu os repasses diretos à instituição de fomento econômico da região após o TCE (Tribunal de Contas do Estado) indicar irregularidades nesse tipo de transição. A saída foi firmar convênios diretos entre Agência e prefeituras do Grande ABC, mas nem todas ainda concluíram esse trâmite burocrático, que envolve autorização dos Legislativos.

Paulo Serra admitiu que o momento é difícil na Agência, mas assegurou que seu plano é manter a entidade viva. “É mais uma herança de um modelo de gestão que só causou danos ao País (em referência ao PT). Encontramos a Agência respirando por aparelhos. Quando assumi como presidente, ela estava na UTI. Vamos trabalhar bastante para que no próximo ano possamos levá-la ao quarto”, comparou. “Há esforço hercúleo para manter a Agência, que sofreu com essa mudança do repasse e com as dificuldades financeiras que as prefeituras enfrentam, como Santo André.”

O chefe do Executivo disse que “nos mais tardar” na próxima semana vai se reunir com Bassi para debater o futuro da Agência. “Infelizmente as coisas não andam como a gente gostaria que andasse, mas vamos nos esforçar.” 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;