Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Biden assina decreto que prioriza compras do governo de indústrias americanas



25/01/2021 | 19:23


Visando apoiar a indústria nacional, o presidente dos Estados Unidos, Joe iden, assinou decreto na tarde desta segunda-feira (25) que prioriza compras, pelo governo federal, de produtos fabricados em companhias do país. "Vamos usar a indústria como o motor da prosperidade americana", afirmou o líder da Casa Branca.

Em coletiva de imprensa ao lado de sua vice, Kamala Harris, Biden prometeu investir bilhões de dólares na compra de produtos americanos para incentivar a geração de empregos nos EUA e "modernizar a competição" internacional. O democrata, contudo, esclareceu que a medida assinada hoje não proíbe companhias de negociar com o exterior. "As empresas dos EUA só precisam ter a chance de dizer 'eu também sei fazer isso, posso produzir na minha empresa", avaliou o presidente americano, sobre priorizar a indústria nacional frente às importações. "Vamos usar o dinheiro do contribuinte para reconstruir o país".

Embora não tenha citado nominalmente a China, Biden criticou a insuficiência americana na produção de equipamentos de proteção individual essenciais para o combate ao novo coronavírus, como máscaras. A nação asiática é líder no segmento. "Temos de contar com outro país durante uma emergência nacional? Vamos fabricar nossos próprios equipamentos", declarou o líder da Casa Branca, Ele ainda prometeu trabalhar junto a aliados para ajudá-los na construção de cadeias de suprimentos "próprias" e "resilientes".

As leis do comércio internacional também foram alvo de comentários de Biden nesta tarde. O democrata, que se disse mais otimista do que nunca com o futuro dos EUA, afirmou querer uma modernização das regras do comércio internacional. O ex-presidente Donald Trump também era forte crítico da Organização Mundial do Comércio (OMC) e é acusado de desmantelar a entidade.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Biden assina decreto que prioriza compras do governo de indústrias americanas


25/01/2021 | 19:23


Visando apoiar a indústria nacional, o presidente dos Estados Unidos, Joe iden, assinou decreto na tarde desta segunda-feira (25) que prioriza compras, pelo governo federal, de produtos fabricados em companhias do país. "Vamos usar a indústria como o motor da prosperidade americana", afirmou o líder da Casa Branca.

Em coletiva de imprensa ao lado de sua vice, Kamala Harris, Biden prometeu investir bilhões de dólares na compra de produtos americanos para incentivar a geração de empregos nos EUA e "modernizar a competição" internacional. O democrata, contudo, esclareceu que a medida assinada hoje não proíbe companhias de negociar com o exterior. "As empresas dos EUA só precisam ter a chance de dizer 'eu também sei fazer isso, posso produzir na minha empresa", avaliou o presidente americano, sobre priorizar a indústria nacional frente às importações. "Vamos usar o dinheiro do contribuinte para reconstruir o país".

Embora não tenha citado nominalmente a China, Biden criticou a insuficiência americana na produção de equipamentos de proteção individual essenciais para o combate ao novo coronavírus, como máscaras. A nação asiática é líder no segmento. "Temos de contar com outro país durante uma emergência nacional? Vamos fabricar nossos próprios equipamentos", declarou o líder da Casa Branca, Ele ainda prometeu trabalhar junto a aliados para ajudá-los na construção de cadeias de suprimentos "próprias" e "resilientes".

As leis do comércio internacional também foram alvo de comentários de Biden nesta tarde. O democrata, que se disse mais otimista do que nunca com o futuro dos EUA, afirmou querer uma modernização das regras do comércio internacional. O ex-presidente Donald Trump também era forte crítico da Organização Mundial do Comércio (OMC) e é acusado de desmantelar a entidade.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;