Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Curitibanos expõem na Bienal andreense


Everaldo Fioravante
Do Diário do Grande ABC

09/12/2001 | 19:25


Quando o assunto é gravura no Brasil, Curitiba é destaque. Entre as iniciativas desenvolvidas na capital do Paraná, por exemplo, está a Mostra de Gravura Cidade de Curitiba, o mais tradicional evento do país voltado a esta linguagem artística. Direto deste que é um dos berços da gravura nacional, está em cartaz na Câmara Municipal andreense a exposição Gravura Contemporânea Paranaense, integrante da 1ªBienal de Gravura de Santo André. A entrada é franca.

“Procurei uma espécie de diálogo entre o amadurecimento de artistas já consagrados e a força de experimentação dos novatos. Preferi trabalhar com poucos gravadores, seis no total, para que não ficasse uma mostra tumultuada”, disse o curador Entre os artistas já consagrados estão Rosana Fabri, Juliane Fuganti e Guita Soifer. Rosana exibe três serigrafias em grandes formatos nas quais a busca de impressão de movimento é evidente. Juliane apresenta composições elaboradas na técnica do metal. E Guita exibe quatro livros, cada um com 12 serigrafias em que formas das próprias mãos da artista são visíveis. Os livros pedem o contato do visitante.

Marlon de Azambuja trabalhou com pólvora queimada. “São queimaduras feitas com fósforos sobre o papel”, disse o artista, que expõe duas composições. Carlos Tullio apresenta duas esculturas em chumbo e uma gravura em metal que juntas formam uma instalação. Jamile de Paula também figura com uma instalação, que traz gravuras na parede e no chão, além de cabos metálicos.

Elogio – O curador e artista plástico Edilson Viriato elogiou a iniciativa de Santo André voltada à gravura. “Em sua primeira edição, a Bienal de Gravura da cidade já mostra a que veio. Além de um respeitável número de inscritos para a mostra competitiva (118 artistas, cada um com três obras), o nível dos selecionados é muito bom. Uma visita a essa exposição vale por um ano de uma faculdade de artes plásticas. É uma aula de gravura: tem figurativo, abstrato, conceitual, gestual, enfim, tem de tudo”, afirmou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Curitibanos expõem na Bienal andreense

Everaldo Fioravante
Do Diário do Grande ABC

09/12/2001 | 19:25


Quando o assunto é gravura no Brasil, Curitiba é destaque. Entre as iniciativas desenvolvidas na capital do Paraná, por exemplo, está a Mostra de Gravura Cidade de Curitiba, o mais tradicional evento do país voltado a esta linguagem artística. Direto deste que é um dos berços da gravura nacional, está em cartaz na Câmara Municipal andreense a exposição Gravura Contemporânea Paranaense, integrante da 1ªBienal de Gravura de Santo André. A entrada é franca.

“Procurei uma espécie de diálogo entre o amadurecimento de artistas já consagrados e a força de experimentação dos novatos. Preferi trabalhar com poucos gravadores, seis no total, para que não ficasse uma mostra tumultuada”, disse o curador Entre os artistas já consagrados estão Rosana Fabri, Juliane Fuganti e Guita Soifer. Rosana exibe três serigrafias em grandes formatos nas quais a busca de impressão de movimento é evidente. Juliane apresenta composições elaboradas na técnica do metal. E Guita exibe quatro livros, cada um com 12 serigrafias em que formas das próprias mãos da artista são visíveis. Os livros pedem o contato do visitante.

Marlon de Azambuja trabalhou com pólvora queimada. “São queimaduras feitas com fósforos sobre o papel”, disse o artista, que expõe duas composições. Carlos Tullio apresenta duas esculturas em chumbo e uma gravura em metal que juntas formam uma instalação. Jamile de Paula também figura com uma instalação, que traz gravuras na parede e no chão, além de cabos metálicos.

Elogio – O curador e artista plástico Edilson Viriato elogiou a iniciativa de Santo André voltada à gravura. “Em sua primeira edição, a Bienal de Gravura da cidade já mostra a que veio. Além de um respeitável número de inscritos para a mostra competitiva (118 artistas, cada um com três obras), o nível dos selecionados é muito bom. Uma visita a essa exposição vale por um ano de uma faculdade de artes plásticas. É uma aula de gravura: tem figurativo, abstrato, conceitual, gestual, enfim, tem de tudo”, afirmou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;