Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 23 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Plano de cargos impactará em R$ 84 mi

Aumento na folha de pagamento se refere à demanda de 22 categorias diferentes do Paço


Fábio Martins
do Diário do Grande ABC

31/08/2013 | 07:02


 O Plano de Cargos, Carreira e Salários do funcionalismo público de Santo André deve ter impacto financeiro de R$ 84 milhões ao ano na folha. O valor do montante levantado pelo governo Carlos Grana (PT) tende a adiar a concretização do acordo.

São 144 categorias na totalidade, das quais 22 setores diferentes pleiteiam algum tipo de mudança. Grana estabeleceu prazo de 180 dias para a definição do plano a partir do reajuste salarial, que finaliza em novembro.

O secretário de Administração e Modernização, Antônio Leite (PT), afirmou que a proposta pode estar bem delineada já no fim de setembro. Segundo ele, a consolidação do plano depende, especialmente, das condições econômicas – a gestão petista recebeu dívida de R$ 117 milhões. “Hoje, estamos com dificuldades. Isso pesa (na decisão)”, admitiu o titular, que mantém regularmente mesa de tratativas com o Sindserv (Sindicato dos Servidores Públicos) de Santo André.

Leite frisou que categorias, como de fisioterapeutas, tiveram redução da jornada de trabalho com diminuição de salário. A solicitação é de adequações com outras áreas que não sofreram abatimento na remuneração.

Outra alteração disputada faz parte da reivindicação dos motoristas do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) que possuem contra-cheque inferior aos condutores de ambulância. “Eles querem isonomia dos salários. Definiremos as áreas para tentar equalizar (os problemas).”

Entre outros requerimentos da lista estão engenheiros, arquitetos e tecnólogos, agentes de trânsito e GCM (Guarda Civil Municipal). Os guardas, por exemplo, pedem aumento do índice de periculosidade, ampliando de 25% para 30%. São 16.051 funcionários ativos e inativos das administrações direta e indireta. A Prefeitura gasta R$ 602 milhões com folha de pagamento. Isso representa quase 37% da Receita Corrente Líquida.

A princípio, Grana frisou que não ouviu o secretário a respeito de valores, mencionando que há o compromisso com o Sindserv de iniciar o processo de diálogo, que cobra política de equiparação salarial. “O serviço público possui alguns desequilíbrios. Primeiramente, precisamos corrigir essas distorções. Passei a vida inteira pleiteando (como sindicalista). Por isso, há atenção especial com o sindicato.”  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Plano de cargos impactará em R$ 84 mi

Aumento na folha de pagamento se refere à demanda de 22 categorias diferentes do Paço

Fábio Martins
do Diário do Grande ABC

31/08/2013 | 07:02


 O Plano de Cargos, Carreira e Salários do funcionalismo público de Santo André deve ter impacto financeiro de R$ 84 milhões ao ano na folha. O valor do montante levantado pelo governo Carlos Grana (PT) tende a adiar a concretização do acordo.

São 144 categorias na totalidade, das quais 22 setores diferentes pleiteiam algum tipo de mudança. Grana estabeleceu prazo de 180 dias para a definição do plano a partir do reajuste salarial, que finaliza em novembro.

O secretário de Administração e Modernização, Antônio Leite (PT), afirmou que a proposta pode estar bem delineada já no fim de setembro. Segundo ele, a consolidação do plano depende, especialmente, das condições econômicas – a gestão petista recebeu dívida de R$ 117 milhões. “Hoje, estamos com dificuldades. Isso pesa (na decisão)”, admitiu o titular, que mantém regularmente mesa de tratativas com o Sindserv (Sindicato dos Servidores Públicos) de Santo André.

Leite frisou que categorias, como de fisioterapeutas, tiveram redução da jornada de trabalho com diminuição de salário. A solicitação é de adequações com outras áreas que não sofreram abatimento na remuneração.

Outra alteração disputada faz parte da reivindicação dos motoristas do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) que possuem contra-cheque inferior aos condutores de ambulância. “Eles querem isonomia dos salários. Definiremos as áreas para tentar equalizar (os problemas).”

Entre outros requerimentos da lista estão engenheiros, arquitetos e tecnólogos, agentes de trânsito e GCM (Guarda Civil Municipal). Os guardas, por exemplo, pedem aumento do índice de periculosidade, ampliando de 25% para 30%. São 16.051 funcionários ativos e inativos das administrações direta e indireta. A Prefeitura gasta R$ 602 milhões com folha de pagamento. Isso representa quase 37% da Receita Corrente Líquida.

A princípio, Grana frisou que não ouviu o secretário a respeito de valores, mencionando que há o compromisso com o Sindserv de iniciar o processo de diálogo, que cobra política de equiparação salarial. “O serviço público possui alguns desequilíbrios. Primeiramente, precisamos corrigir essas distorções. Passei a vida inteira pleiteando (como sindicalista). Por isso, há atenção especial com o sindicato.”  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;