Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Grupo terrorista estaria por trás de assassinato em SP


Do Diário OnLine

08/03/2002 | 00:55


O assassinato do casal libanês Mikhael Youssef Nassar e Marie Noel Georges Mimassi na quinta-feira, em São Paulo, não seria mais uma ação de assaltantes na capital paulista, como se suspeitou a princípio. De acordo com a Fundação Libanesa pela Paz, citando fontes da inteligência libanesa, Nassar e sua esposa foram mortos por agentes do grupo terrorista libanês Hezbollah.

Nassar, que atuava no ramo da construção civil no Brasil, seria o contato no país do esquema de contrabando de armas para o Exército Libanês do Sul (SLA), grupo de resistência ao Hezbollah. O empresário era primo do general Lahd, que pertenceu ao SLA e hoje vive exilado em Israel. Segundo o Jornal da Globo, Nassar estava no Brasil há seis anos.

O crime - O casal foi morto por volta das 21h de quinta em um posto de gasolina nas esquinas das avenidas Juscelino Kubitscheck e Brigadeiro Faria Lima, no Itaim Bibi, zona sul de São Paulo. Informações iniciais davam conta de que o empresário passou com o carro sobre uma tábua com pregos colocada na saída do túnel da Juscelino Kubitscheck. Nassar trocava o pneu de sua Pajero quando um homem alto e encapuzado aproximou-se.

Segundo duas testemunhas, o assassino deu um tiro na nuca de Nassar e outro no rosto de Marie. Com as duas vítimas caídas no chão, o homem executou mais disparos. O empresário teria recebido quatro tiros e sua esposa, sete. Nassar e Marie morreram a caminho do Hospital São Paulo, localizado na Vila Mariana. O assassino usava uma pistola 765 com silenciador e fugiu em um Gol prata, que foi seguido por um Palio.

Terrorismo - O Hezbollah (Partido de Deus) é uma organização política, religiosa e militar surgida no Líbano em 1982 para lutar contra o poder católico no país de maioria muçulmana. Seu principal foco de ação é a luta contra Israel e o Ocidente, principalmente com atentados terroristas. O Irã seria o principal financiador de suas ações, inclusive as duas explosões em prédios ligados à comunidade judaica na Argentina, em 1992.

O grupo tem braços em todo o mundo. A CIA, o serviço secreto dos Estados Unidos, suspeita inclusive que a fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina seja uma das bases financeiras do grupo na América Latina. Até agora, no entanto, não havia registros de ações armadas no país.

O Exército Libanês do Sul (SLA) perdeu força quando Israel, que o financiava, aceitou desocupar o sul do país. Até então o grupo, formado em sua maioria por cristãos, era o principal foco de resistência ao Hezbollah. Hoje, a maior parte da liderança do SLA vive no exílio.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;