Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

OAB de SP elege Patrícia Vanzolini, 1ª mulher a presidir a entidade em 91 anos



26/11/2021 | 17:53


A Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo (OAB-SP) elegeu nesta quinta-feira, 25, a criminalista Patricia Vanzolini para presidir a entidade no próximo triênio. Ela é a primeira mulher a ocupar o cargo desde a fundação da seccional, em 1930.

A corrida pela direção da OAB-SP, a maior seccional da Ordem no País, chega ao fim em meio a uma atmosfera beligerante, que durou até as últimas horas de votação e apuração, com acusações de boca de urna irregular e fraude. Os ataques da oposição direcionados ao atual presidente, Caio Augusto Silva dos Santos, que almejava a reeleição, também deram o tom da disputa. Ele liderava a contagem nas primeiras horas de apuração, até que começou a perder vantagem com pouco mais de metade das urnas contabilizadas, terminando em segundo lugar.

Patrícia também desbancou os candidatos Alfredo Scaff, Dora Cavalcanti e Mário de Oliveira Filho.

Além da disposição para o embate, a eleição interna foi marcada por tentativas dos candidatos de se desvincularem de associações político-partidárias que pudessem rachar sua base de votos. O impeachment do presidente Jair Bolsonaro, abertamente discutido pelo Conselho Federal sob a presidência de Felipe Santa Cruz, não foi deliberadamente abordado nas campanhas. Desde a redemocratização, a OAB apoiou a destituição dos ex-presidentes Fernando Collor e Dilma Rousseff.

Além da disposição para o embate, a eleição interna foi marcada por tentativas dos candidatos de se desvincularem de associações político-partidárias que pudessem rachar sua base de votos. O impeachment do presidente Jair Bolsonaro, abertamente discutido pelo Conselho Federal sob a presidência de Felipe Santa Cruz, não foi deliberadamente abordado nas campanhas. Desde a redemocratização, a OAB apoiou a destituição dos ex-presidentes Fernando Collor e Dilma Rousseff.

Ao contrário de outras seccionais, a OAB-SP decidiu manter a votação presencial a despeito da pandemia, o que também gerou reação contra a atual gestão. A Comissão Eleitoral preferiu seguir com o padrão adotado em anos anteriores, com urnas eletrônicas inclusive nas subsecções onde que o voto era depositado em cédula, sob o argumento de que o modelo virtual seria arriscado. Cada urna transmitiu o resultado para a sede, na capital paulista, que disponibilizou os votos praticamente em tempo real. Os fiscais das chapa acompanharam a contagem no prédio.

A eleição deste ano é a primeira que as chapas precisaram respeitar a paridade de gênero e a reserva de 30% dos cargos para advogados negros e pardos, seguindo resolução aprovada pelo Conselho Federal. A divisão equilibrada foi apoiada por Patrícia, que chegou a sugerir a ampliação das políticas inclusivas para abranger pessoas com deficiência e LGBTQIA+.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;