Fechar
Publicidade

Sábado, 17 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Atos antidemocráticos: PF investiga repasses entre assessores de pasta de Damares

Valter Campanato/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


09/10/2020 | 17:12


Movimentações financeiras entre assessores do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, comandado por Damares Alves, entraram na mira da Polícia Federal no inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) que investiga o financiamento de atos antidemocráticos.

A delegada Denisse Dias Ribeiro fez perguntas sobre o tema ao tomar o depoimento da ex-secretária de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do ministério, Sandra Terena, mulher do jornalista e blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio. As informações foram publicadas pelo jornal O Globo e confirmadas pelo Estadão.

A PF questionou Sandra sobre repasses de Eustáquio a quatro funcionários do ministério e também sobre o pagamento que uma funcionária da pasta fez pelo aluguel de um imóvel onde Sandra Terena e o marido moravam em Brasília.

Em resposta, Sandra justificou que parte dos valores eram empréstimos, mas não respondeu a um questionamento sobre se as contas dela eram pagas por essa funcionária do ministério. Sandra negou que tenha alimentado com informações internas do ministério grupos que organizaram atos contra as instituições.

Abrace o Marajó

Mais cedo, Damares destacou que o programa Abrace o Marajó conta com a participação de 16 ministérios e que nenhum ''corrupto vai colocar o dedo'' na iniciativa. Nesta sexta, 9, ministros e o presidente Jair Bolsonaro participaram da apresentação de ações da programa em evento realizado em Breves, na Ilha do Marajó, no Pará.

"Os ministros que estão envolvidos com esse programa, são 16 ministérios. Nós temos um comitê de ministros e a gente vai mandar um recado: corrupto não vai colocar o dedo neste programa. Nós vamos acompanhar a execução de cada ação", declarou. Com a fala, ministra endossa o discurso de Bolsonaro de que seu governo não tem casos de corrupção.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Atos antidemocráticos: PF investiga repasses entre assessores de pasta de Damares


09/10/2020 | 17:12


Movimentações financeiras entre assessores do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, comandado por Damares Alves, entraram na mira da Polícia Federal no inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) que investiga o financiamento de atos antidemocráticos.

A delegada Denisse Dias Ribeiro fez perguntas sobre o tema ao tomar o depoimento da ex-secretária de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do ministério, Sandra Terena, mulher do jornalista e blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio. As informações foram publicadas pelo jornal O Globo e confirmadas pelo Estadão.

A PF questionou Sandra sobre repasses de Eustáquio a quatro funcionários do ministério e também sobre o pagamento que uma funcionária da pasta fez pelo aluguel de um imóvel onde Sandra Terena e o marido moravam em Brasília.

Em resposta, Sandra justificou que parte dos valores eram empréstimos, mas não respondeu a um questionamento sobre se as contas dela eram pagas por essa funcionária do ministério. Sandra negou que tenha alimentado com informações internas do ministério grupos que organizaram atos contra as instituições.

Abrace o Marajó

Mais cedo, Damares destacou que o programa Abrace o Marajó conta com a participação de 16 ministérios e que nenhum ''corrupto vai colocar o dedo'' na iniciativa. Nesta sexta, 9, ministros e o presidente Jair Bolsonaro participaram da apresentação de ações da programa em evento realizado em Breves, na Ilha do Marajó, no Pará.

"Os ministros que estão envolvidos com esse programa, são 16 ministérios. Nós temos um comitê de ministros e a gente vai mandar um recado: corrupto não vai colocar o dedo neste programa. Nós vamos acompanhar a execução de cada ação", declarou. Com a fala, ministra endossa o discurso de Bolsonaro de que seu governo não tem casos de corrupção.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;