Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Adiada audiência de policiais acusados de corrupção


Rafael Ribeiro
do Diário do Grande ABC

16/05/2012 | 07:00


Foi adiada para sexta-feira a audiência de quatro policiais civis de Santo André acusados de extorquir comerciantes, além de praticar crimes de sequestro, formação de quadrilha, cárcere privado e uso de armamento restrito das Forças Armadas.

Benjamim da Silva Chamorro, Nilton da Paz Silva, José Zanette e Fábio Ramos da Silva passariam em audiência no Fórum da cidade ontem, mas a promotoria resolveu adiar o procedimento após a ausência de parte dos acusados. O nome dos faltantes não foi divulgado. O Ministério Público também pedirá a presença de um assistente para ajudar a elucidar o caso.

O esquema veio à tona novamente após um importador de peças de antiguidades procurar a Corregedoria da Polícia Civil e o MP para relatar que sofria ameaças de morte, em 2010. Os agentes foram presos há dois meses, após o Gaerco (Grupo de Atuação Especial Regional para Prevenção e Repressão ao Crime Organizado), auxiliado pela Polícia Federal e outros policiais civis, juntar gravações telefônicas que comprovaram as denúncias. Todos, no entanto, respondem em liberdade.

Hoje morando na região graças ao programa de proteção de testemunhas, o comerciante disse que, em 2010, precisou mudar de Estado após parar de pagar a propina de R$ 8.000 mensais aos corruptos. "Cheguei a ser preso, acusado de ser chefe de quadrilha. Eles diziam que sabiam que eu tinha R$ 300 mil no banco. Era mentira. Topei pagar só R$ 100 mil", explicou. O flagrante aconteceu quando o quarteto recebeu o dinheiro no lugar marcado, também no bairro Jardim.

Sem alternativa, o comerciante teve de se esconder, com medo de represálias. "Chegaram a sequestrar a minha irmã e o marido dela para tentar descobrir onde eu estava", disse. Como era dono de lojas na Vila Assunção e em shoppings da região, as quais tinha de visitar constantemente, acabou descoberto e perseguido novamente. "Eu vivo com medo de que possa acontecer algo com a minha família", completou.

O empresário contou que pagava propina aos policiais desde 2005. A história foi revelada pela primeira vez em janeiro de 2008, quando outros comerciantes da cidade denunciaram que eram extorquidos em R$ 1.500 mensais. Os policiais Gilberto Manzutti e Alberto de Aquino, ambos do Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos) andreense, foram presos em flagrante no Parque Celso Daniel, bairro Jardim, e aguardam audiência.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;