Fechar
Publicidade

Domingo, 22 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Lula quer PMDB mineiro para neutralizar Aécio



28/02/2010 | 07:09


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o PT costuram acordo eleitoral com o PMDB mirando dois objetivos estratégicos: o tempo do aliado no horário eleitoral gratuito e o entendimento com o PMDB de Minas, para neutralizar a força do governador tucano Aécio Neves (PSDB) e facilitar a vitória da candidata petista à Presidência, a ministra da Casa Civil Dilma Rousseff.

Os peemedebistas mais experientes veem na corte e nos afagos do PT e de Lula apenas um movimento tático para fechar o entendimento nacional. Está claro para eles que o governo e o PT sabem que não levarão o PMDB por inteiro no apoio a Dilma.

A preocupação do PT com o segundo maior colégio eleitoral é óbvia demais para causar alarido no PMDB. Afinal, os mineiros também constituem o interesse maior do PSDB do governador José Serra. Nos bastidores, tucanos e petistas repetem avaliação semelhante de que é lá que se dará a grande batalha, porque o candidato que conquistar a maioria dos mineiros ganha a eleição.

Mas foi o PMDB que passou os últimos dias alardeando que o acordo com o PT em Minas está fechado em torno da candidatura a governador do ministro das Comunicações e senador peemedebista Hélio Costa (PMDB-MG), que lidera as pesquisas de intenção de voto.

Se a cúpula do PT e Lula conseguirem ‘limpar a área' para Hélio Costa, tirando do caminho do PMDB mineiro os dois pré-candidatos petistas a governador - o ex-prefeito Fernando Pimentel e o ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias -, a aliança nacional estará salva e a autoestima do PMDB também.

Todos estão de acordo na compreensão de que a escolha do vice definirá se o PMDB entra na aliança pelo portão principal, com direito a salamaleques que vão além do tapete vermelho estendido na entrada, ou se o ingresso se dará de forma acanhada, pela porta dos fundos.

A avaliação geral é de que, se não conseguir emplacar o presidente nacional do partido e da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), no posto de vice de Dilma, o partido entrará na aliança humilhado, na condição de coadjuvante e não de protagonista. É por isso que o maior temor de todos os grupos é de que o acerto em Minas dê errado e o PT consiga convencer Hélio Costa a aceitar a vaga de vice.

A cúpula do partido na Câmara e no Senado não vê muito como vetar o ministro, mas tampouco se considera representada por ele. Não o vê com o perfil de vice que vai defender o cumprimento dos acertos feitos em cada Estado e, sem um porta-voz, teme ser rifada pelo PT ao longo da campanha.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;