Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 10 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Ônibus voltam a circular em Mauá após um dia de greve

Marina Brandão/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Empresa Viação Cidade de Mauá garante a homologação das verbas rescisórias de 129 trabalhadores até segunda-feira


Vanessa de Oliveira
Do Diário do Grande ABC

30/08/2014 | 07:00


O transtorno para os usuários do sistema de Transporte de Mauá teve fim no início da tarde de ontem, quando acabou a greve deflagrada por funcionários das empresas de ônibus municipais. O ato, que durou 24 horas, prejudicou a rotina de cerca de 100 mil passageiros que utilizam os coletivos diariamente. Ao longo da tarde, o serviço foi restabelecido.

A paralisação foi motivada, segundo a entidade de classe, pela falta de pagamento das verbas rescisórias aos trabalhadores da Viação Cidade de Mauá (que opera 17 linhas), que serão demitidos em razão da troca das concessionárias que atuam no município. No dia 15, a Prefeitura assinou o contrato com a Suzantur (que opera 32 linhas) e passará a ter exclusividade. Essa última empresa, no entanto, não teve como atuar durante a greve, já que a entrada do Terminal Rodoviário foi bloqueada.

Em assembleia realizada na manhã de ontem, na sede do Sintetra (Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Grande ABC), em Santo André, a Viação Cidade de Mauá se comprometeu a pagar 50 homologações ainda ontem e as 79 restantes na segunda-feira.

O empresário Baltazar José de Souza e o presidente do sindicato, Francisco Mendes da Silva, o Chicão, não foram encontrados para falar sobre a decisão. No site do Sintetra, a entidade ressaltou que, “se a empresa novamente não cumprir com o acordo e não pagar devidamente seus funcionários, voltamos à paralisação.”

Na manhã de ontem, o movimento era tranquilo. Guardas-civis municipais e a Polícia Militar garantiam a segurança da região central.

Durante o tempo em que o município ficou sem ônibus, a população se virou como podia. A balconista Clécia Silva, 27 anos, teve de se esforçar para chegar à lanchonete em que trabalha. “Moro no Parque São Vicente e tive que pegar um ônibus até Santo André para tomar o trem e chegar a Mauá. Geralmente entro às 7h. Hoje (ontem), cheguei 7h30”, lamentou.

Transportes clandestinos como vans e carros de passeio cobravam R$ 3 pelo trajeto e disputavam passageiros. No ponto de táxi ao lado da estação ferroviária, uma fila se formava à espera de um carro. Esse foi o meio escolhido pelo engenheiro Candido Florêncio da Cruz, 44, para chegar ao trabalho no Sertãozinho. Apesar do contratempo, ele disse que a greve foi legítima. “Os trabalhadores têm o direito de reivindicar e, a única forma de fazer isso é prejudicar alguns.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ônibus voltam a circular em Mauá após um dia de greve

Empresa Viação Cidade de Mauá garante a homologação das verbas rescisórias de 129 trabalhadores até segunda-feira

Vanessa de Oliveira
Do Diário do Grande ABC

30/08/2014 | 07:00


O transtorno para os usuários do sistema de Transporte de Mauá teve fim no início da tarde de ontem, quando acabou a greve deflagrada por funcionários das empresas de ônibus municipais. O ato, que durou 24 horas, prejudicou a rotina de cerca de 100 mil passageiros que utilizam os coletivos diariamente. Ao longo da tarde, o serviço foi restabelecido.

A paralisação foi motivada, segundo a entidade de classe, pela falta de pagamento das verbas rescisórias aos trabalhadores da Viação Cidade de Mauá (que opera 17 linhas), que serão demitidos em razão da troca das concessionárias que atuam no município. No dia 15, a Prefeitura assinou o contrato com a Suzantur (que opera 32 linhas) e passará a ter exclusividade. Essa última empresa, no entanto, não teve como atuar durante a greve, já que a entrada do Terminal Rodoviário foi bloqueada.

Em assembleia realizada na manhã de ontem, na sede do Sintetra (Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Grande ABC), em Santo André, a Viação Cidade de Mauá se comprometeu a pagar 50 homologações ainda ontem e as 79 restantes na segunda-feira.

O empresário Baltazar José de Souza e o presidente do sindicato, Francisco Mendes da Silva, o Chicão, não foram encontrados para falar sobre a decisão. No site do Sintetra, a entidade ressaltou que, “se a empresa novamente não cumprir com o acordo e não pagar devidamente seus funcionários, voltamos à paralisação.”

Na manhã de ontem, o movimento era tranquilo. Guardas-civis municipais e a Polícia Militar garantiam a segurança da região central.

Durante o tempo em que o município ficou sem ônibus, a população se virou como podia. A balconista Clécia Silva, 27 anos, teve de se esforçar para chegar à lanchonete em que trabalha. “Moro no Parque São Vicente e tive que pegar um ônibus até Santo André para tomar o trem e chegar a Mauá. Geralmente entro às 7h. Hoje (ontem), cheguei 7h30”, lamentou.

Transportes clandestinos como vans e carros de passeio cobravam R$ 3 pelo trajeto e disputavam passageiros. No ponto de táxi ao lado da estação ferroviária, uma fila se formava à espera de um carro. Esse foi o meio escolhido pelo engenheiro Candido Florêncio da Cruz, 44, para chegar ao trabalho no Sertãozinho. Apesar do contratempo, ele disse que a greve foi legítima. “Os trabalhadores têm o direito de reivindicar e, a única forma de fazer isso é prejudicar alguns.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;