Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Idosos trabalham mais e bancam família, revela pesquisa do IBGE


Illenia Negrin
Do Diário do Grande ABC

16/04/2006 | 10:22


Seis em cada dez idosos da Região Metropolitana de São Paulo são as pessoas de referência do domicílio que ocupam, mesmo morando sob o mesmo teto que os filhos, genros e netos. Na prática, são mais do que gente respeitada e valorizada pelos parentes: a renda deles ainda é fundamental para o sustento da casa. Estudo divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), com base nos dados da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) de 2004 mostra que o número de chefes de família com mais de 60 anos vem aumentando. Especialistas dizem que o idoso se tornou mais ativo e continua trabalhando mesmo depois de chegada a aposentadoria. Mas tanta disposição nem sempre é movida pelo amor ao emprego. A necessidade financeira também fala alto.

No Grande ABC, são cerca de 220 mil idosos; nas 39 cidades que compõem a Região Metropolitana, são 1,8 milhão. Nesses municípios, o perfil da maioria das pessoas com mais de 60 anos é o mesmo. Além de chefes de família, os idosos são pobres e moram em casas com rendimento mensal per capita de até dois salários mínimos. Vivem com os filhos ou parentes próximos, ganham aposentadoria e têm pouca instrução – só 20% continuaram os estudos depois de concluída a 8ª série do ensino fundamental (veja quadro ao lado).

Apesar da condição dos idosos, de arrimo de família em muitos casos, a pesquisadora e demógrafa do IBGE, Lúcia Cunha, vê na mudança de perfil dos idosos o lado positivo de se tornarem cada vez mais ativos e participativos na sociedade. “É uma conquista para o idoso continuar trabalhando e exercendo um papel importante no núcleo familiar. Se ele se percebe útil socialmente, vive melhor. Nem todos vivem para ajudar no sustento dos filhos e netos. Parte deles, 14%, vive sozinho. E isso mostra que são mais independentes”, avalia.

No Brasil, há 15 anos, 60% dos idosos eram chefes de família; hoje, são 65%. na Grande São Paulo, 40% dos homens de 60 a 69 anos acumulam aposentadoria e trabalho. Entre as mulheres de mesma faixa etária, a proporção é menor, cerca de 13% mantêm atividade profissional, mesmo aposentadas.

Dona Josefina Martinelli é exemplo da estatística e de longevidade, e está num grupo feminino ainda mais seleto. Aos 85 anos, ainda trabalha, com carteira assinada. Como ela, só 2% das mulheres da Região Metropolitana. “Se parar de trabalhar, não duro dois meses. Morro logo. Gosto de me sentir ativa. E preciso do dinheiro, a aposentadoria não dá para nada. Tenho que pagar aluguel”, conta ela, que mora com o filho.

Todos os dias, ela acorda antes das 5h. Mora na Vila Mariana, em São Paulo, e pega três conduções até chegar à metalúrgica Arteb, em São Bernardo. Mostra orgulhosa a data de admissão na empresa, pregada ao crachá: 21 de fevereiro de 1961. “É bom saber me virar sozinha. Ruim é depender dos outros”, ensina dona Zefa, como é conhecida pelos companheiros, que tem três filhos e sete netos.

Caricatura – A antropóloga e professora Elisabeth Mercadante, da PUC (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), diz que os dados do IBGE derrubam a “caricatura” que se fez da condição do idoso nos últimos anos. “A falta de atividade entre os idosos cada vez mais se transforma em mito. Não é essa a realidade que se encontra. É positivo o idoso ser protagonista. Isso mostra que, em linhas gerais, apesar das dificuldades, ele trabalha mais porque vive mais e melhor. Mesmo os de baixa renda. O idoso deixa de ser visto como passivo social e ainda tira a família do aperto, muitas vezes, porque colabora financeiramente”, sustenta.

Apesar de ocupados, são poucos os idosos que continuam exercendo a mesma função que lhe era atribuída antes da aposentadoria. Para o sociólogo José Alfonso Klein, professor da Fundação Santo André, houve uma precarização das condições de trabalho, o que afetou não só os jovens iniciantes no mercado de trabalho, mas também as pessoas com mais de 60 anos que ainda não deixaram o sistema. E, com a falta de vagas formais, a vida da próxima geração de idosos tende a perder qualidade.

“Hoje, o profissional que tem mais de 40 anos e perdeu o emprego dificilmente consegue recolocação no mercado de trabalho. Quanto mais tempo ele demora para voltar à ativa, mais tempo ele deixa de contribuir com a Previdência Social. A pessoa vai envelhecendo e a qualidade de vida vai piorando, em vez de melhorar com o sossego da aposentadoria. Esse é um aspecto que teremos de encarar. Quem é idoso hoje conheceu uma outra realidade, a da instabilidade no emprego. Por isso, ainda consegue ajudar a família”, afirma o sociólogo.

Perfil dos idosos na Grande São Paulo

- 1,8 milhão de pessoas com mais de 60 anos vivem nos 39 municípios que formam a Região Metropolitana de São Paulo, que inclui o Grande ABC. O número representa quase 10% de toda a população do Estado.
- 63,5% dos idosos são as pessoas de referência na família, ou seja, a contribuição deles é fundamental para o sustento dos familiares.
- 44% das pessoas com mais de 60 anos vivem em famílias com rendimento mensal per capita baixo, de meio a dois salários mínimos.
- Quase 60% dos idosos têm filhos e parentes próximos ou moram com os demais familiares na mesma residência. 27% moram apenas com o cônjuge e outros 14%, sozinhos.
- Pouco mais da metade dos idosos da Grande São Paulo recebe aposentadoria.
- 20% das pessoas com mais de 60 anos ainda trabalham, a maioria homens de até 64 anos.

- Só 20% dos idosos da Região Metropolitana continuaram os estudos depois de concluir os oito anos de ensino fundamental (antigos primário e ginásio). Outros 20% são analfabetos funcionais.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;