Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Divisa de Sto.André com capital é ‘faixa de gaza’ da região


Gabriel Batista
Do Diário do Grande ABC

21/02/2005 | 13:39


A principal linha de confronto entre polícia e bandidos na Região Metropolitana está na divisa do 2º subdistrito de Santo André com a zona Leste da capital. Em 2004, o fogo cruzado na ‘faixa de gaza’ do Grande ABC resultou na morte de 41 civis pela polícia. Uma morte a cada 10 dias. Para a PM, esse número indica que os criminosos que agem em cerca de 10 bairros no limite do município estão acima da média no quesito ousadia. Para o comandante do Policiamento Metropolitano, coronel Reinaldo de Oliveira Rocco, a cidade que mais preocupa a corporação hoje é Santo André, por oferecer atrativos aos ladrões, como ter rico pólo comercial e uma das cinco maiores frotas de carros do Estado. No ano passado, foram mais de 10 mil roubos de veículos, embora tenham caído 25% em comparação a 2000. Os dados de Santo André quando somados aos dos outros municípios da região encarecem o seguro de veículos no ABC até 38%, segundo corretores.

O número de homicídios também caiu na região entre 2000 e 2004 – 44,03% no Grande ABC e 42,85% em Santo André –, mas a criminalidade é implacável nos limites do Jardim Elba, favela paulistana conhecida pelo tráfico de drogas e o alto índice de violência. O comandante do Policiamento Metropolitano afirma que Santo André é a cidade onde há mais confrontos da polícia com ladrões, seguida de Guarulhos e Osasco. “O que me causa mais preocupação são os roubos e furtos de veículos, que em Santo André correspondem a 65% dos casos registrados na Região Metropolitana”, diz o coronel Rocco.

A falta de segurança da população que vive nos bairros do 2º subdistrito – Camilópolis, Utinga, Parque Novo Oratório, Capuava, entre outros – impede que os indicadores de criminalidade na região sejam melhores. Dentre os 75 principais municípios do Estado (que representam 80% do Produto Interno Bruto de São Paulo), Santo André está com a infeliz 72ª colocação, segundo ranking do Ieme (Instituto de Estudos Metropolitanos) que cruza as várias estatísticas de criminalidade.

As estatísticas, porém, não podem relatar a insegurança de quem está em meio ao fogo cruzado. Cláudia (nome fictício) sente que vive em perigo. Ela não é personagem do velho oeste americano nem mora no Oriente Médio. Mas habita região de incessante bangue-bangue. O endereço da comerciante é a avenida Sapopemba, bairro Camilópolis, Santo André.

Ela comprou um terreno no bairro há 10 anos, quando mal imaginava qual seria o futuro da divisa Santo André-São Paulo. Construiu a casa e mudou-se há um ano, tempo suficiente para perder a conta dos tiroteios que ouviu. “Ouço freqüentemente disparos bem ao lado de casa.”

Em 2004, 41 pessoas morreram em Santo André em confronto com a polícia. O número supera em dobro o de mortos pela polícia em São Bernardo e São Caetano juntas: 18. “Isso me deprime, desgasta. Uma simples tarefa de chegar em casa e abrir a garagem é motivo de preocupação. Nem chá de erva cidreira resolve”, diz Cláudia.

Santo André baixou em 2004 6,8% os embates finalizados em morte de suspeitos na cidade em comparação a 2003. Índice baixo se comparado à média do Grande ABC, que passou de 97 para 74 casos semelhantes no período. Uma queda de 23,7%, enquanto a capital apresentou diminuição de 39% e o Estado, 27,5%. Segundo a Polícia Militar, Santo André se tornou a principal preocupação da corporação na Região Metropolitana. Em outras palavras, os criminosos que agem em Santo André literalmente abrem fogo contra a polícia, segundo a versão dos milicianos.

Sustos – Histórias de gente que presenciou tiroteios são comuns no Camilópolis, apenas um dos bairros de Santo André na divisa com a capital. “Uma vez meu marido estava sentado num degrau na calçada conversando com o vizinho. De repente, eles ouviram tiros e em seguida perceberam que uma bala acertou a parede atrás deles, a um metro de onde estavam”, diz a dona de casa Madalena (nome fictício), 50 anos, que vive há 13 anos na avenida João Pessoa.

“Vivemos uma fase de violência atrevida e sofisticada. É lógico que isso assusta o policial e principalmente quem vive nesses locais. O Estado necessita de agentes altamente treinados para lidar com a situação”, diz Dirceu de Mello, diretor da Faculdade de Direito da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica) e ex-presidente do Tribunal de Justiça do Estado.

Rota de fuga – Segundo a PM, criminosos da capital engrossaram o contingente da bandidagem no Grande ABC de dois anos para cá. Por isso, o front acirrou um estrito combate na divisa com São Paulo. A região virou opção predileta dos ladrões paulistanos porque o policiamento foi reforçado e equipado nas zonas Leste e Sul da capital nos últimos anos.

“Esse pessoal vem a Santo André para roubar carros e levá-los para desmanches em São Mateus (zona Leste) ou usá-los na prática de outros crimes na capital”, explica o major José Quesada Farina, do CPAM-6 (Comando de Policiamento de Área Metropolitana 6).

Esses criminosos geralmente chegam à região em motocicletas ou até mesmo em ônibus intermunicipais. Segundo o delegado seccional de Santo André, Luiz Alberto Ferreira de Souza, o ladrão se beneficia das rotas de fuga do ABC para a capital. São vias expressas que os levam rapidamente para fora da região: avenidas dos Estados, das Nações, Presidente Costa e Silva e rua Oratório.

Além disso, moradores da divisa afirmam que a polícia do Grande ABC não ultrapassa os limites da região. Esse hábito favoreceria os criminosos, que podem desaparecer com o carro assim que atravessam a divisa. O major Jorge Luiz Alves, chefe geral de Comunicação da Polícia Militar, diz que a orientação do comando não é abandonar cercos em razão de limites de município e que não tem conhecimento desse tipo de prática.

Outro ponto a favor dos ladrões é que a rede de rádio da PM do ABC é separada da freqüência da capital. Até a polícia de São Paulo tomar conhecimento da perseguição interrompida, o veículo já foi abandonado ou está num desmanche. Segundo o major Jorge Luiz Alves, os sistemas mundiais de rádio têm limites por área. “Uma unificação congestionaria a rede. Só na capital são cerca de 30 freqüências diferentes.”

A PM de Santo André espera o ingresso de 155 policiais na instituição. Isso ajudaria a combater a criminalidade na divisa com a zona Leste, segundo o comandante metropolitano da PM, coronel Reinaldo de Oliveira Rocco. O reforço aos batalhões  deve chegar neste ano.

Entretanto, na visão do especialista em Direito Penal da PUC-SP Dirceu de Mello a solução é clássica. “Só com acesso geral às bases sociais e investimento em educação.”


Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;