Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Governo amplia teto do valor de imóvel financiado com FGTS

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Agora, na aquisição de unidades até R$ 750 mil, fundo de garantia poderá ser utilizado


Tauana Marin
do Diário do Grande ABC

01/10/2013 | 07:07


Aqueles que planejam comprar a casa própria com valor até R$ 750 mil por meio de financiamento, poderão utilizar os recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Antes, o valor máximo do imóvel para que o comprador pudesse resgatar o fundo era de R$ 500 mil. A medida foi anunciada, ontem, pelo CMN (Conselho Monetário Nacional), constituído pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, pela ministra do Planejamento, Miriam Belchior, e pelo Presidente do Banco Central, Alexandre Tombini.

O novo valor vale para os Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal, dadas as características do mercado imobiliário. Para os demais Estados, o limite deverá ser elevado para R$ 650 mil.

De acordo com o CMN, o objetivo da alteração é atualizar os limites do SFH (Sistema Financeiro da Habitação) e aprimorar a regulamentação do mercado de crédito imobiliário.
O presidente da Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção) e colunista do Diário Claudio Conz, lembra que desde 2009 o governo não alterava o teto do valor do imóvel financiado com recursos do FGTS, quando o montante foi elevado de R$ 350 mil para R$ 500 mil. “É questão de corrigir um problema no mercado imobiliário. Os imóveis valorizaram. Nada mais justo do que os trabalhadores poderem resgatar um dinheiro que é deles por direito. Mas, vale lembrar que isso não significa que todo o montante será financiado. Cada instituição bancária tem suas regras. Essa mudança vale para que a pessoa possa usar o FGTS no momento da compra.”

Segundo ele, a nova medida vai contribuir para as aquisições na faixa de R$ 600 mil, principalmente. “Até porque, os maiores contribuintes do fundo são aqueles que recebem acima de dez salários-mínimos (R$ 6.780). Nada mais justo do que esse contingente poder utilizar recursos próprios.” Conz estima deve levar cerca de 60 dias para que os bancos comecem a operar pela nova regra.

MERCADO - Na região a nova regra não deve alterar muito o ritmo de vendas, isso porque entre as sete cidades a grande parcela de compradores é composta pela classe média, ou seja, pessoas que conseguem adquirir imóveis de valores entre R$ 350 mil e R$ 400 mil. “Os bens acima de R$ 500 mil são responsáveis por cerca de 10% d[/01.TXTNORMAL]o total de comercializações. O restante, são imóveis de menor valor”, afirma o presidente da Acigabc (Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC), Milton Bigucci.

O delegado regional do Creci-SP (Conselho Regional de Corretores de Imóveis), Alvarino Lemes, afirma que a venda de imóveis usados com valor superior a meio milhão não ultrapassa os 20%. “As prestações são muito caras e não correspondem à realidade da maior parte dos trabalhadores da região.”

Bigucci conta que unidades acima de R$ 500 mil na região são, geralmente, de três dormitórios e com área útil acima de 100 metros quadrados.
 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;