Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 13 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Medicina ABC busca voluntários

Andréa Iseki/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Pesquisas desenvolvidas pela faculdade oferecem
tratamentos gratuitos para pacientes com câncer


Vanessa de Oliveira
Do Diário do Grande ABC

08/12/2014 | 07:00


O Cepho FMABC (Centro de Estudos e Pesquisas de Hematologia e Oncologia da Faculdade de Medicina do ABC), em Santo André, deu início a duas pesquisas na área de câncer de próstata – uma destinada a pacientes com doença metastática (que já se espalhou pelo organismo) e outra para casos em fase inicial (saiba mais abaixo). Registros do DataSUS (banco de dados do Ministério da Saúde) mostram que, de janeiro a outubro, 449 homens foram internados no Grande ABC em decorrência de neoplasia maligna de próstata.

Para a realização dos estudos, o Cepho está atualmente recebendo novos pacientes, que devem ter mais de 18 anos, doença confirmada por biópsia e preencher critérios específicos.

Na ação voltada aos pacientes com câncer avançado e doença metastática, em geral, os tratamentos buscam controlar a patologia por meio do bloqueio da produção de testosterona – hormônio masculino que influencia no desenvolvimento do câncer – ou via quimioterapia. A pesquisa da FMABC consiste em terapia hormonal de segunda linha pré-quimioterapia, destinada àqueles que já realizaram bloqueio hormonal convencional (com DES – Dietilestilbestrol), mas que apresentaram câncer resistente. Em pesquisas prévias, o tratamento proposto com as medicações Zytiga (Acetato de Abiraterona) e prednisona apresentou perfil de segurança aceitável, com relação risco-benefício favorável. “O objetivo desse estudo é verificar que o acetato de abiraterona, junto com a prednisona, faz retardar a progressão de PSA (substância produzida pelas células da glândula prostática)”, explica a coordenadora de Pesquisa Clínica do Cepho, Mariana Dias, que trabalha em conjunto com a farmacêutica Andressa Sayuri Tamashiro. “Tem estudos anteriores que comprovam essa eficácia, mas apenas para uso pós-quimioterapia. O intuito dessa pesquisa é verificar se o uso antes da quimioterapia também é eficaz. É uma chance de retardá-la”, acrescenta.

Gratuita aos pacientes da pesquisa, a terapia custa, por mês, entre R$ 10 mil e R$ 12 mil.

VAGAS

As vagas são limitadas e a primeira triagem é feita por telefone. Os candidatos aprovados passarão em consultas e farão exames necessários. O atendimento ocorre no próprio Cepho, na Avenida Príncipe de Gales, 821. Interessados podem telefonar de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, para 4993-5491 ou 4436-2094.

Estudo também contempla tumor recente

Pacientes com câncer de próstata estável, não metastático, controlado após cirurgia ou com medicamentos derivados de hormônios também podem participar da pesquisa do Cepho-FMABC (Centro de Estudos e Pesquisas de Hematologia e Oncologia da Faculdade de Medicina do ABC).

Durante esse estágio da doença, o homem geralmente recebe acompanhamento médico e tratamento para reduzir os hormônios masculinos, cujos principais são a testosterona e a DHT (Diidrotestosterona). “Nessa pesquisa será oferecida droga chamada enzalutamida, que já tem aprovação mundial, mas aqui no Brasil ainda não. Falta esse estudo clínico para ser aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Ela é importante porque, com outros estudos clínicos feitos no mundo, já foi comprovado que aumenta a sobrevida global do paciente, tentando evitar uma metástase”, explica o coordenador da pesquisa, Marcos Ferreira Bento, em conjunto com Andressa Sayuri Tamashiro.

Os pacientes serão acompanhados por equipe multiprofissional e passarão, periodicamente, por exames laboratoriais e radiológicos – como tomografia computadorizada –, pelos quais será possível realizar controle da doença e avaliar a efetividade da droga. Cálculo dos coordenadores constatou custo de R$ 22 mil mensais para a terapia, que será gratuita aos pacientes atendidos pela pesquisa. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Medicina ABC busca voluntários

Pesquisas desenvolvidas pela faculdade oferecem
tratamentos gratuitos para pacientes com câncer

Vanessa de Oliveira
Do Diário do Grande ABC

08/12/2014 | 07:00


O Cepho FMABC (Centro de Estudos e Pesquisas de Hematologia e Oncologia da Faculdade de Medicina do ABC), em Santo André, deu início a duas pesquisas na área de câncer de próstata – uma destinada a pacientes com doença metastática (que já se espalhou pelo organismo) e outra para casos em fase inicial (saiba mais abaixo). Registros do DataSUS (banco de dados do Ministério da Saúde) mostram que, de janeiro a outubro, 449 homens foram internados no Grande ABC em decorrência de neoplasia maligna de próstata.

Para a realização dos estudos, o Cepho está atualmente recebendo novos pacientes, que devem ter mais de 18 anos, doença confirmada por biópsia e preencher critérios específicos.

Na ação voltada aos pacientes com câncer avançado e doença metastática, em geral, os tratamentos buscam controlar a patologia por meio do bloqueio da produção de testosterona – hormônio masculino que influencia no desenvolvimento do câncer – ou via quimioterapia. A pesquisa da FMABC consiste em terapia hormonal de segunda linha pré-quimioterapia, destinada àqueles que já realizaram bloqueio hormonal convencional (com DES – Dietilestilbestrol), mas que apresentaram câncer resistente. Em pesquisas prévias, o tratamento proposto com as medicações Zytiga (Acetato de Abiraterona) e prednisona apresentou perfil de segurança aceitável, com relação risco-benefício favorável. “O objetivo desse estudo é verificar que o acetato de abiraterona, junto com a prednisona, faz retardar a progressão de PSA (substância produzida pelas células da glândula prostática)”, explica a coordenadora de Pesquisa Clínica do Cepho, Mariana Dias, que trabalha em conjunto com a farmacêutica Andressa Sayuri Tamashiro. “Tem estudos anteriores que comprovam essa eficácia, mas apenas para uso pós-quimioterapia. O intuito dessa pesquisa é verificar se o uso antes da quimioterapia também é eficaz. É uma chance de retardá-la”, acrescenta.

Gratuita aos pacientes da pesquisa, a terapia custa, por mês, entre R$ 10 mil e R$ 12 mil.

VAGAS

As vagas são limitadas e a primeira triagem é feita por telefone. Os candidatos aprovados passarão em consultas e farão exames necessários. O atendimento ocorre no próprio Cepho, na Avenida Príncipe de Gales, 821. Interessados podem telefonar de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, para 4993-5491 ou 4436-2094.

Estudo também contempla tumor recente

Pacientes com câncer de próstata estável, não metastático, controlado após cirurgia ou com medicamentos derivados de hormônios também podem participar da pesquisa do Cepho-FMABC (Centro de Estudos e Pesquisas de Hematologia e Oncologia da Faculdade de Medicina do ABC).

Durante esse estágio da doença, o homem geralmente recebe acompanhamento médico e tratamento para reduzir os hormônios masculinos, cujos principais são a testosterona e a DHT (Diidrotestosterona). “Nessa pesquisa será oferecida droga chamada enzalutamida, que já tem aprovação mundial, mas aqui no Brasil ainda não. Falta esse estudo clínico para ser aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Ela é importante porque, com outros estudos clínicos feitos no mundo, já foi comprovado que aumenta a sobrevida global do paciente, tentando evitar uma metástase”, explica o coordenador da pesquisa, Marcos Ferreira Bento, em conjunto com Andressa Sayuri Tamashiro.

Os pacientes serão acompanhados por equipe multiprofissional e passarão, periodicamente, por exames laboratoriais e radiológicos – como tomografia computadorizada –, pelos quais será possível realizar controle da doença e avaliar a efetividade da droga. Cálculo dos coordenadores constatou custo de R$ 22 mil mensais para a terapia, que será gratuita aos pacientes atendidos pela pesquisa. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;