Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 4 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Imprensa destaca importância da cúpula na Jordânia


Da AFP

05/06/2003 | 09:13


A imprensa israelense reflete nesta quinta-feira o sentimento de que a cúpula de Ácaba deu uma guinada importantíssima nas negociações de paz com os palestinos, reproduzindo nas manchetes a declaração do presidente americano George W. Bush de que "a Terra Santa deve ser compartilhada" pelos dois povos. Esta declaração está na primeira página dos jornais Yediot Ajaronot, Maariv e Haaretz.

A idéia ganha maior significado por ser divulgada exatamente 36 anos depois do início da guerra relâmpago israelense dos "Seis dias" (junho de 1967), quando Israel assumiu o controle dos territórios palestinos da Cisjordânia e Gaza e anexou o setor leste de Jerusalém, onde os palestinos esperam estabelecer a capital de seu futuro Estado.

"No dia do 36º aniversário da guerra dos Seis dias, os dirigentes (israelenses e palestinos) se comprometeram finalmente a resolver o conflito sangrento", publica o jornal de grande tiragem Yediot Ajaronot.

"Em Ácaba, foi fundado o Estado da Palestina", diz também em título o Yediot Ajaronot, com uma foto que mostra o presidente americano George W. Bush cercado pelos primeiros-ministros israelense e palestino, Ariel Sharon e Mahmud Abbas (Abu Mazen), relaxados, sorridentes e confiantes, acenando com a mão direita no final de seu encontro.

"Sharon: tudo dependerá deles (os palestinos)", diz em título por sua parte Maariv, destacando o compromisso solene de Abbas de acabar com a Intifada armada. O jornal publica uma foto de Bush, Sharon e Abbas, em cadeiras, à sombra das palmeiras dos jardins do palácio de Ácaba, do rei Abdullah II da Jordânia, anfitrião da cúpula.

Havia na declaração de Abbas "o tom sincero da reconciliação", afirma o ex-chefe da diplomacia israelense Shimon Peres, prêmio Nobel da Paz e artífice dos acordos israelenses-palestinos de Oslo (1993), em uma tribuna publicada na primeira página do Yediot Ajaronot.

"Expressando-se em um árabe simples e claro, sem efeito teatral, Abu Mazen anunciou o fim da guerra palestina contra Israel, a Intifada de Al Aqsa, a Intifada na qual três mil mortos superlotaram os cemitérios dos dois povos", escreveu Peres.

"Abu Mazen não adotou a pose de um grande dirigente nem a de um tribuno carismático. Usou um terno cinza com uma gravata que não combinava e óculos fora de moda. Não buscou desculpas para justificar o terrorismo a que seu povo recorreu e também não acusou Israel. Fez algo raro: reconheceu os fatos, assumiu suas responsabilidades e deixou de bancar a eterna vítima", acrescentou Peres.

"Sem vacilar, Abu Mazen definiu o terrorismo como contrário à moral de seu povo e inimigo de seu povo. E sem temor nem vacilações, liquidou a insuportável distinção feita pela opinião árabe e pela esquerda européia entre o mau terrorismo e a resistência armada justificada pela ocupação", disse Peres.

O ex-ministro se declarou também convencido de que Sharon tomou "a decisão irrevogável de chegar a um importante acordo político com uma determinação que surpreenderá aos árabes", concluiu.

No contexto dos acordos de paz israelense-egípcios de 1979, segundo os quais Israel deveria restituir o Sinai ao Egito, Ariel Sharon, que então era ministro de Defesa do governo de Menahem Begin, deu ordem ao exército israelense de retirar-se e destruir Yamit, a maior colônia israelense do Sinai.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Imprensa destaca importância da cúpula na Jordânia

Da AFP

05/06/2003 | 09:13


A imprensa israelense reflete nesta quinta-feira o sentimento de que a cúpula de Ácaba deu uma guinada importantíssima nas negociações de paz com os palestinos, reproduzindo nas manchetes a declaração do presidente americano George W. Bush de que "a Terra Santa deve ser compartilhada" pelos dois povos. Esta declaração está na primeira página dos jornais Yediot Ajaronot, Maariv e Haaretz.

A idéia ganha maior significado por ser divulgada exatamente 36 anos depois do início da guerra relâmpago israelense dos "Seis dias" (junho de 1967), quando Israel assumiu o controle dos territórios palestinos da Cisjordânia e Gaza e anexou o setor leste de Jerusalém, onde os palestinos esperam estabelecer a capital de seu futuro Estado.

"No dia do 36º aniversário da guerra dos Seis dias, os dirigentes (israelenses e palestinos) se comprometeram finalmente a resolver o conflito sangrento", publica o jornal de grande tiragem Yediot Ajaronot.

"Em Ácaba, foi fundado o Estado da Palestina", diz também em título o Yediot Ajaronot, com uma foto que mostra o presidente americano George W. Bush cercado pelos primeiros-ministros israelense e palestino, Ariel Sharon e Mahmud Abbas (Abu Mazen), relaxados, sorridentes e confiantes, acenando com a mão direita no final de seu encontro.

"Sharon: tudo dependerá deles (os palestinos)", diz em título por sua parte Maariv, destacando o compromisso solene de Abbas de acabar com a Intifada armada. O jornal publica uma foto de Bush, Sharon e Abbas, em cadeiras, à sombra das palmeiras dos jardins do palácio de Ácaba, do rei Abdullah II da Jordânia, anfitrião da cúpula.

Havia na declaração de Abbas "o tom sincero da reconciliação", afirma o ex-chefe da diplomacia israelense Shimon Peres, prêmio Nobel da Paz e artífice dos acordos israelenses-palestinos de Oslo (1993), em uma tribuna publicada na primeira página do Yediot Ajaronot.

"Expressando-se em um árabe simples e claro, sem efeito teatral, Abu Mazen anunciou o fim da guerra palestina contra Israel, a Intifada de Al Aqsa, a Intifada na qual três mil mortos superlotaram os cemitérios dos dois povos", escreveu Peres.

"Abu Mazen não adotou a pose de um grande dirigente nem a de um tribuno carismático. Usou um terno cinza com uma gravata que não combinava e óculos fora de moda. Não buscou desculpas para justificar o terrorismo a que seu povo recorreu e também não acusou Israel. Fez algo raro: reconheceu os fatos, assumiu suas responsabilidades e deixou de bancar a eterna vítima", acrescentou Peres.

"Sem vacilar, Abu Mazen definiu o terrorismo como contrário à moral de seu povo e inimigo de seu povo. E sem temor nem vacilações, liquidou a insuportável distinção feita pela opinião árabe e pela esquerda européia entre o mau terrorismo e a resistência armada justificada pela ocupação", disse Peres.

O ex-ministro se declarou também convencido de que Sharon tomou "a decisão irrevogável de chegar a um importante acordo político com uma determinação que surpreenderá aos árabes", concluiu.

No contexto dos acordos de paz israelense-egípcios de 1979, segundo os quais Israel deveria restituir o Sinai ao Egito, Ariel Sharon, que então era ministro de Defesa do governo de Menahem Begin, deu ordem ao exército israelense de retirar-se e destruir Yamit, a maior colônia israelense do Sinai.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;