Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Morre Popeye, sicário de Pablo Escobar

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


07/02/2020 | 06:00


Jhon Jairo Velásquez, conhecido como Popeye, o mais famoso pistoleiro de Pablo Escobar, que sobreviveu a sete tentativas de assassinato e a diversos atentados na prisão, morreu de câncer no esôfago ontem. Ele era o chefe dos sicários do cartel de Medellín no auge do domínio de Escobar.

Popeye tinha 57 anos e estava preso desde maio de 2018 por extorsão, segundo o jornal colombiano El Tiempo, que o classificou como um dos piores criminosos de toda a história da Colômbia.

Em uma entrevista em 2015, concedida ao jornal português Expresso, ele afirmou: "Mataria minha mãe se Escobar tivesse pedido".

"Escobar era um assassino, um terrorista, um narcotraficante, um sequestrador, um vigarista, mas era meu amigo", disse Popeye à agência France Presse em 2015.

Criminoso confesso, Popeye dizia se sentir fascinado pelo "cheiro de sangue". O pistoleiro criou um personagem que vendeu livros e inspirou a Netflix, mas, sobretudo, semeou dor na época mais obscura do narcotráfico na Colômbia.

Ficção e realidade se misturaram na vida de um dos últimos sicários que sobreviveu à morte de Escobar, o grande chefão colombiano das drogas abatido pela polícia em dezembro de 1993.

Segundo contou sem suas memórias, Sobrevivendo a Pablo Escobar, fez cursos na Marinha e na polícia antes de entrar para o bando de Escobar.

O mundo do crime o levou a ficar conhecido como Popeye - por causa do queixo sobressalente que logo foi operado - e o transformou em uma espécie de publicitário do mal, o homem que matava e narrava os crimes de seu patrão. Em uma entrevista para a AFP em 2015, Velásquez se gabou de ter assassinado com as próprias mãos "ao menos 250 pessoas, talvez 300".

Mas testemunhos de policiais que o perseguiram, de parentes de Escobar e de suas vítimas contam outra história: a de um pistoleiro que inflou sua história para se tornar uma celebridade. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;