Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

São Caetano e suas publicações


Ademir Médici

15/01/2018 | 07:54


Duas pérolas literárias acabam de ser lançadas por São Caetano: o número 15 da revista Tamises, da Academia de Letras da Grande São Paulo, e a agenda histórica 2018 da Fundação Pró-Memória, cuja temática são os 70 anos do movimento de 1948, o da autonomia da cidade.

Com essas duas publicações Memória inaugura mais um ano de divulgação do projeto coletivo do Grande ABC voltado à difusão do pensamento dos nossos intelectuais – e a região possui muitos intelectuais – e à construção da memória: a agenda histórica e a revista Raízes, esta já no número 56, são duas contribuições importantíssimas da Pró-Memória.

Tamises. E a nossa aldeia

Tamises tem prosa e poesia. Começa com o pronunciamento da presidente da Academia de Letras da Grande São Paulo, Maria Zulema Cebrian; encerra com a posse de uma nova imortal, Ana Stoppa, que ocupa a Cadeira número 9, que tem como patrono o escritor e poeta Rinaldo Gissoni, paladino da própria Academia. E Memória foi surpreendida, recentemente, com o recebimento de uma quantidade imensa de livros escritos pela Dra. Ana Stoppa, já convidada a participar do programa Memória na TV, do DGABC TV, o que acontecerá brevemente.

Tamises tem também crônicas maravilhosas. Destaco as de Mário Porfírio Rodrigues, com os votos de pronto restabelecimento, e as duas do José Bueno Lima.

Dr. Bueno privilegia sempre temas, situações e personagens locais. Sua visita ao Museu de Santo André é narrada de forma comovente, porque ali está o aluno de volta à sua escola e que lembra: do Seu Gabriel, o inspetor de alunos; da Dona Ditinha, a servente; da Dona Isaura e da Dona Penha, professoras.

Olha o Zé Caetano aí, gente!


E abrimos a Agenda Histórica 2018 da Fundação Pró-Memória. Temos outras. São tão bonitas. Como rabiscar suas páginas!

Escreve Charly Farid Cury, presidente da Pró-Memória, na apresentação: “Celebramos o maior acontecimento cívico de nossa história”.

A cada página, uma foto, uma legenda, uma lembrança. O cartunista Jayme da Costa Patrão criou o Zé Caetano, em defesa do SIM e da Chapa Branca. Ao reproduzir uma das charges, a Agenda dá crédito ao autor. Mas Patrão era tão bom que o seu traço é facilmente identificável, mesmo sem legenda.

O jovem Mário Porfírio Rodrigues depositando o seu voto durante o plebiscito de 24 de outubro de 1948, numa foto excelentemente bem tratada, como todas as demais.

O tratamento das imagens valoriza esta Agenda Histórica da Pró-Memória. Parabéns, editores. Obrigado pelo presente.

“O povo disse SIM” em 1948, destaca a manchete do Jornal de São Caetano. A Memória diz SIM 70 anos depois. Pensamento, história e memória do Grande ABC estão muito vivos. Não duvidem da sua identidade histórica.

E que o exemplo da Fundação Pró-Memória de São Caetano, com sua agenda, sua Raízes, suas exposições e projetos, seja seguido pelas demais seis cidades.

De Dona Isaura, Bueno ganhou uma xícara de chá, “muito bonita”, pelo bom desempenho durante o ano letivo.

Lendo José Bueno Lima, lembramos de um livro editado em escola de Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo. Uma coletânea de crônicas intitulada Jovens Somos do Liceu..., coordenada por Gércia Ferreira Guimarães e lançada em 1986. Ex-alunos e professores respondem positivamente escrevendo sobre a escola na data do seu cinquentenário. Um livro belíssimo.

Modestamente, sugerimos aos integrantes da Academia de Letras da Grande São Paulo que também elejam temas locais, como sempre faz o Dr. Bueno.

Por esse Brasil afora, as pessoas escrevem sobre o seu espaço. Demonstram que podem ser universais escrevendo sobre a sua aldeia.

Diário há 30 anos

Sexta-feira, 15 de janeiro de 1988 – ano 30, edição 6650
Manchete – Caixa Econômica Federal vai financiar 90% do imóvel na faixa até 3.500 OTNs (Obrigações do Tesouro Nacional).
Preços –Pescado dispara nas feiras.
São Caetano – Bairro Barcelona sem água há mais de dez dias.
Memória – Pouco mais que uma vila. Publicávamos uma foto aérea do Centro de São Bernardo no fim dos anos 1950. Autor: Antenor Cor adi.
Polícia –Dois menores roubam e matam comerciante em loja de calçados da Rua Marechal Deodoro.

Em 15 de janeiro de...

1908 – Alfredo Luiz Flaquer assume a Prefeitura de São Bernardo.
1918 – As secas têm se sucedido no Estado de São Paulo desde 1915. O governo mantinha 65 observatórios para acompanhar a frequência das chuvas dentro do projeto ‘Meteorologia Agrícola’.
O levantamento de dezembro de 1917 demonstrava que a
maior quantidade de chuvas voltou a ser no
Alto da Serra (Paranapiacaba): 461,1 milímetros em 14 dias de chuvas; o menor índice registrou-se em Araçatuba: 31,3 mm (quatro dias de chuvas).
Artigo: ‘Condição de negros’. Autor: Mario Pinto Serva. Publicação: Estadão. Escreve o autor: “A República nos prometeu a liberdade, a igualdade e a fraternidade e só temos a compressão (censura), o privilégio, o abuso e a odiosidade”.
1958 – Mesbla inaugura sua loja em Santo André.
 

Hoje

Dia dos Adultos
Dia Internacional do Compositor

Santos do Dia

Isidoro de Alexandria
Mauro (Amaro) de Gália
Miquéias

Municípios Brasileiros

Celebram aniversários em 15 de janeiro:
No Maranhão, Lima Campos
No Rio de Janeiro, Nova Iguaçu e Paraíba do Sul
Na Paraíba, Ouro Velho
Em Minas Gerais, Ouro Verde de Minas, Piedade de Caratinga e Unaí
Na Bahia, Pilão Arcado
No Rio Grande do Sul, Veranópolis
Fonte: IBGE



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

São Caetano e suas publicações

Ademir Médici

15/01/2018 | 07:54


Duas pérolas literárias acabam de ser lançadas por São Caetano: o número 15 da revista Tamises, da Academia de Letras da Grande São Paulo, e a agenda histórica 2018 da Fundação Pró-Memória, cuja temática são os 70 anos do movimento de 1948, o da autonomia da cidade.

Com essas duas publicações Memória inaugura mais um ano de divulgação do projeto coletivo do Grande ABC voltado à difusão do pensamento dos nossos intelectuais – e a região possui muitos intelectuais – e à construção da memória: a agenda histórica e a revista Raízes, esta já no número 56, são duas contribuições importantíssimas da Pró-Memória.

Tamises. E a nossa aldeia

Tamises tem prosa e poesia. Começa com o pronunciamento da presidente da Academia de Letras da Grande São Paulo, Maria Zulema Cebrian; encerra com a posse de uma nova imortal, Ana Stoppa, que ocupa a Cadeira número 9, que tem como patrono o escritor e poeta Rinaldo Gissoni, paladino da própria Academia. E Memória foi surpreendida, recentemente, com o recebimento de uma quantidade imensa de livros escritos pela Dra. Ana Stoppa, já convidada a participar do programa Memória na TV, do DGABC TV, o que acontecerá brevemente.

Tamises tem também crônicas maravilhosas. Destaco as de Mário Porfírio Rodrigues, com os votos de pronto restabelecimento, e as duas do José Bueno Lima.

Dr. Bueno privilegia sempre temas, situações e personagens locais. Sua visita ao Museu de Santo André é narrada de forma comovente, porque ali está o aluno de volta à sua escola e que lembra: do Seu Gabriel, o inspetor de alunos; da Dona Ditinha, a servente; da Dona Isaura e da Dona Penha, professoras.

Olha o Zé Caetano aí, gente!


E abrimos a Agenda Histórica 2018 da Fundação Pró-Memória. Temos outras. São tão bonitas. Como rabiscar suas páginas!

Escreve Charly Farid Cury, presidente da Pró-Memória, na apresentação: “Celebramos o maior acontecimento cívico de nossa história”.

A cada página, uma foto, uma legenda, uma lembrança. O cartunista Jayme da Costa Patrão criou o Zé Caetano, em defesa do SIM e da Chapa Branca. Ao reproduzir uma das charges, a Agenda dá crédito ao autor. Mas Patrão era tão bom que o seu traço é facilmente identificável, mesmo sem legenda.

O jovem Mário Porfírio Rodrigues depositando o seu voto durante o plebiscito de 24 de outubro de 1948, numa foto excelentemente bem tratada, como todas as demais.

O tratamento das imagens valoriza esta Agenda Histórica da Pró-Memória. Parabéns, editores. Obrigado pelo presente.

“O povo disse SIM” em 1948, destaca a manchete do Jornal de São Caetano. A Memória diz SIM 70 anos depois. Pensamento, história e memória do Grande ABC estão muito vivos. Não duvidem da sua identidade histórica.

E que o exemplo da Fundação Pró-Memória de São Caetano, com sua agenda, sua Raízes, suas exposições e projetos, seja seguido pelas demais seis cidades.

De Dona Isaura, Bueno ganhou uma xícara de chá, “muito bonita”, pelo bom desempenho durante o ano letivo.

Lendo José Bueno Lima, lembramos de um livro editado em escola de Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo. Uma coletânea de crônicas intitulada Jovens Somos do Liceu..., coordenada por Gércia Ferreira Guimarães e lançada em 1986. Ex-alunos e professores respondem positivamente escrevendo sobre a escola na data do seu cinquentenário. Um livro belíssimo.

Modestamente, sugerimos aos integrantes da Academia de Letras da Grande São Paulo que também elejam temas locais, como sempre faz o Dr. Bueno.

Por esse Brasil afora, as pessoas escrevem sobre o seu espaço. Demonstram que podem ser universais escrevendo sobre a sua aldeia.

Diário há 30 anos

Sexta-feira, 15 de janeiro de 1988 – ano 30, edição 6650
Manchete – Caixa Econômica Federal vai financiar 90% do imóvel na faixa até 3.500 OTNs (Obrigações do Tesouro Nacional).
Preços –Pescado dispara nas feiras.
São Caetano – Bairro Barcelona sem água há mais de dez dias.
Memória – Pouco mais que uma vila. Publicávamos uma foto aérea do Centro de São Bernardo no fim dos anos 1950. Autor: Antenor Cor adi.
Polícia –Dois menores roubam e matam comerciante em loja de calçados da Rua Marechal Deodoro.

Em 15 de janeiro de...

1908 – Alfredo Luiz Flaquer assume a Prefeitura de São Bernardo.
1918 – As secas têm se sucedido no Estado de São Paulo desde 1915. O governo mantinha 65 observatórios para acompanhar a frequência das chuvas dentro do projeto ‘Meteorologia Agrícola’.
O levantamento de dezembro de 1917 demonstrava que a
maior quantidade de chuvas voltou a ser no
Alto da Serra (Paranapiacaba): 461,1 milímetros em 14 dias de chuvas; o menor índice registrou-se em Araçatuba: 31,3 mm (quatro dias de chuvas).
Artigo: ‘Condição de negros’. Autor: Mario Pinto Serva. Publicação: Estadão. Escreve o autor: “A República nos prometeu a liberdade, a igualdade e a fraternidade e só temos a compressão (censura), o privilégio, o abuso e a odiosidade”.
1958 – Mesbla inaugura sua loja em Santo André.
 

Hoje

Dia dos Adultos
Dia Internacional do Compositor

Santos do Dia

Isidoro de Alexandria
Mauro (Amaro) de Gália
Miquéias

Municípios Brasileiros

Celebram aniversários em 15 de janeiro:
No Maranhão, Lima Campos
No Rio de Janeiro, Nova Iguaçu e Paraíba do Sul
Na Paraíba, Ouro Velho
Em Minas Gerais, Ouro Verde de Minas, Piedade de Caratinga e Unaí
Na Bahia, Pilão Arcado
No Rio Grande do Sul, Veranópolis
Fonte: IBGE

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;