Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 3 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Márcio Chaves deve trocar Pasta de Saúde pelo Nardini

Atual secretário do governo Atila, em Mauá, pediu demissão do cargo; Paço avalia decisão como pressão para chefiar hospital


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

02/12/2017 | 07:00


Secretário de Saúde de Mauá, Márcio Chaves (PSD) é nome certo no governo do prefeito Atila Jacomussi (PSB) para assumir o comando do Hospital de Clínicas Doutor Radamés Nardini, em substituição a Vanderley da Silva Paula, que pediu demissão há mais de um mês.

Essa movimentação, inclusive, teria motivado no pedido de saída da Pasta solicitado por Chaves ao prefeito ontem à tarde.

Atual superintendente do hospital, Vanderley ainda segue no cargo porque o Paço não apresentou o nome do substituto à FUABC (Fundação do ABC), que gerencia os equipamentos de Saúde na cidade.

O pedido de demissão de Chaves da Saúde foi avaliado internamente pelo núcleo duro do governo como pressão por parte do ainda secretário para acelerar sua indicação ao Nardini.

Por outro lado, Chaves já reclamava internamente de ingerências políticas no setor que comanda desde o início do governo. Por várias vezes o pessedista sinalizou a intenção em deixar a chefia da secretaria. Durante sua permanência na Pasta foram várias as divergências internas com Atila, como o episódio em que Chaves instituiu comissão para investigar descumprimentos de contratos da Saúde. O prefeito revogou a portaria dias depois.

O ainda secretário também entrou em conflito com a diretora administrativa e financeira do Hospital Nardini, Lucy de Souza Lima.

O Diário apurou que, a princípio, o prefeito não aceitou o pedido de demissão entregue por Chaves e solicitou que o secretário seguisse no posto pelo menos até segunda-feira, quando ocorre reunião com a FUABC sobre a repactuação da dívida do município com a entidade – a organização reivindica débito de R$ 123 milhões.

Pessoas próximas a Márcio Chaves, porém, relataram que a demissão é irreversível.

Procurados, Chaves não foi encontrado para falar sobre o caso e Atila não quis se manifestar sobre a demissão.

O episódio ocorre um dia depois de duas terceirizadas que prestavam serviços ao município de realização de exames de imagem e de diagnósticos laboratoriais decidirem paralisar por falta de pagamento. A demissão também se dá às vésperas de Atila reinaugurar o pronto-socorro do Nardini, programado para sexta-feira, no aniversário da cidade. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;