Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Os 3 tenores emocionam o público no Morumbi


Gislaine Gutierre
Da Redaçao

23/07/2000 | 19:26


Um público calculado em 42 mil pessoas, bem vestido, com idade superior a 25 anos, e que provavelmente pouco ou nunca foi a um estádio de futebol, vibrou mais forte que qualquer torcida no concerto Os 3 Tenores, realizado sábado no Estádio do Morumbi.

No palco, Luciano Pavarotti, Plácido Domingo e José Carreras, acompanhados pela Orquestra Sinfônica Municipal de Sao Paulo, fizeram um show de pouco mais de duas horas de duraçao.

Antes do espetáculo, a impressao que se tinha é de que cada pessoa sentia-se especial por fazer parte desse primeiro concerto do trio na América Latina. Muita gente tirou seu sobretudo do fundo da gaveta, enquanto outros arriscaram o terno e a gravata ou o vestido.

Na entrada reservada aos VIPs - 500 pessoas que pagaram R$ 2 mil cada, para o show e um jantar com os tenores -, homens elegantes e mulheres de casaco de pele pareciam caminhar para um dos momentos mais importantes de suas vidas. O cenário fazia jus: tapete vermelho, champanhe servido por um garçom na entrada e até um kit com capa de chuva para uma eventualidade.

O show, programado para as 18h, começou com 15 minutos de atraso. A abertura foi com O Guarani, de Carlos Gomes. E do primeiro bloco de músicas, as mais aplaudidas foram Granada, com Pavarotti; Solamente Una Vez e Manha de Carnaval, cantadas pelo trio.

No intervalo, uma chuva quase estragou o glamour da noite. Mas passou logo. A famosa Caruso, entoada por Pavarotti, arrancou aplausos no meio da música. O show teve seus momentos Terra Nostra, com O Surdato Nnammurato (tema da personagem Paola) e O Sole Mio, bastante festejadas. O encerramento foi com a previsível Aquarela do Brasil, que fez o público levantar e cantar. Enquanto os tenores se despediam, houve uma bela queima de fogos de artifício.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Os 3 tenores emocionam o público no Morumbi

Gislaine Gutierre
Da Redaçao

23/07/2000 | 19:26


Um público calculado em 42 mil pessoas, bem vestido, com idade superior a 25 anos, e que provavelmente pouco ou nunca foi a um estádio de futebol, vibrou mais forte que qualquer torcida no concerto Os 3 Tenores, realizado sábado no Estádio do Morumbi.

No palco, Luciano Pavarotti, Plácido Domingo e José Carreras, acompanhados pela Orquestra Sinfônica Municipal de Sao Paulo, fizeram um show de pouco mais de duas horas de duraçao.

Antes do espetáculo, a impressao que se tinha é de que cada pessoa sentia-se especial por fazer parte desse primeiro concerto do trio na América Latina. Muita gente tirou seu sobretudo do fundo da gaveta, enquanto outros arriscaram o terno e a gravata ou o vestido.

Na entrada reservada aos VIPs - 500 pessoas que pagaram R$ 2 mil cada, para o show e um jantar com os tenores -, homens elegantes e mulheres de casaco de pele pareciam caminhar para um dos momentos mais importantes de suas vidas. O cenário fazia jus: tapete vermelho, champanhe servido por um garçom na entrada e até um kit com capa de chuva para uma eventualidade.

O show, programado para as 18h, começou com 15 minutos de atraso. A abertura foi com O Guarani, de Carlos Gomes. E do primeiro bloco de músicas, as mais aplaudidas foram Granada, com Pavarotti; Solamente Una Vez e Manha de Carnaval, cantadas pelo trio.

No intervalo, uma chuva quase estragou o glamour da noite. Mas passou logo. A famosa Caruso, entoada por Pavarotti, arrancou aplausos no meio da música. O show teve seus momentos Terra Nostra, com O Surdato Nnammurato (tema da personagem Paola) e O Sole Mio, bastante festejadas. O encerramento foi com a previsível Aquarela do Brasil, que fez o público levantar e cantar. Enquanto os tenores se despediam, houve uma bela queima de fogos de artifício.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;