Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 24 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Poupança tem melhor resultado desde o Plano Real



09/06/2010 | 07:00


O crescimento da economia tem colaborado para que muitos brasileiros terminem o mês com dinheiro para poupar. Dados do BC (Banco Central) mostram que no mês passado os depósitos superaram os saques na caderneta de poupança em R$ 2,12 bilhões. Foi o melhor maio desde o início do Plano Real e o 13º mês consecutivo em que as aplicações foram maiores que as retiradas. O resultado foi 25% maior que o observado em abril e 12,8% superior ao registrado há um ano, em maio de 2009.

O relatório mensal do BC mostra que clientes depositaram R$ 95,9 bilhões nas cadernetas no decorrer de maio. Boa parte do valor, no entanto, foi retirado no decorrer do próprio mês, o que impede o rendimento dos depósitos que precisam ficar 30 dias para receber juros. Ao todo, saques somaram R$ 93,7 bilhões. Os depósitos antigos - feitos até abril - renderam R$ 1,57 bilhão. No último dia de maio, a soma de todas as contas existentes era de R$ 334,87 bilhões.

"O crescimento da economia tem aumentado a renda e o número de empregados, o que cria condições para o aumento da poupança, principalmente entre os clientes de menor renda", diz o administrador de investimentos Fábio Colombo. Ele observa que a expansão da atividade aliada à inflação sob controle tem dado a chance para que muitos clientes de classes menos favorecidas façam poupança pela primeira vez.

Além de serem muito populares até mesmo entre os clientes com pouca familiaridade com o sistema bancário, as cadernetas têm como vantagem a isenção do Imposto de Renda e da taxa de administração, itens que são cobrados nos fundos, explica Colombo.

Para o especialista, a expectativa de trajetória de alta do juro básico da economia, a Selic, deve reduzir a atratividade das cadernetas nos próximos meses. "Quando o juro mensal pago pelos fundos estiver mais perto de 1%, é possível que tenhamos movimento mais forte atrás dessas carteiras. Quando a Selic caiu, o movimento foi contrário e a poupança foi beneficiada",diz.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Poupança tem melhor resultado desde o Plano Real


09/06/2010 | 07:00


O crescimento da economia tem colaborado para que muitos brasileiros terminem o mês com dinheiro para poupar. Dados do BC (Banco Central) mostram que no mês passado os depósitos superaram os saques na caderneta de poupança em R$ 2,12 bilhões. Foi o melhor maio desde o início do Plano Real e o 13º mês consecutivo em que as aplicações foram maiores que as retiradas. O resultado foi 25% maior que o observado em abril e 12,8% superior ao registrado há um ano, em maio de 2009.

O relatório mensal do BC mostra que clientes depositaram R$ 95,9 bilhões nas cadernetas no decorrer de maio. Boa parte do valor, no entanto, foi retirado no decorrer do próprio mês, o que impede o rendimento dos depósitos que precisam ficar 30 dias para receber juros. Ao todo, saques somaram R$ 93,7 bilhões. Os depósitos antigos - feitos até abril - renderam R$ 1,57 bilhão. No último dia de maio, a soma de todas as contas existentes era de R$ 334,87 bilhões.

"O crescimento da economia tem aumentado a renda e o número de empregados, o que cria condições para o aumento da poupança, principalmente entre os clientes de menor renda", diz o administrador de investimentos Fábio Colombo. Ele observa que a expansão da atividade aliada à inflação sob controle tem dado a chance para que muitos clientes de classes menos favorecidas façam poupança pela primeira vez.

Além de serem muito populares até mesmo entre os clientes com pouca familiaridade com o sistema bancário, as cadernetas têm como vantagem a isenção do Imposto de Renda e da taxa de administração, itens que são cobrados nos fundos, explica Colombo.

Para o especialista, a expectativa de trajetória de alta do juro básico da economia, a Selic, deve reduzir a atratividade das cadernetas nos próximos meses. "Quando o juro mensal pago pelos fundos estiver mais perto de 1%, é possível que tenhamos movimento mais forte atrás dessas carteiras. Quando a Selic caiu, o movimento foi contrário e a poupança foi beneficiada",diz.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;