Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 10 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

Quadrículo


Especial para o Diário

20/06/2010 | 07:07


 

Já estava ele com seus cabelos rosicler. Seu sentimento de ansiedade dominava o ambiente. Uma sala pequena demais para sustentar tanta expectativa. O silêncio estava impregnado em cada ruga de preocupação que surgira naquela noite, certamente a mais fria do ano.

Uma faísca de esperança se mantinha no coração daquele rosilho. A espera pelo choro era torturante. Ele, como um dipsomaníaco já curado, tinha seus nervos entrando em colapso. Este caucasiano já fizera de tudo por aquela família, a família que ele poderia perder em instantes.

Seu irmão tentava serenar o ambiente mencionando os ditames da vida. O belo espécime europeu agonizava com a espera inoportuna, negando-se a crer que algo superior poderia cessar tal sofrimento. Todos os presentes já se abatiam com uma espécie de distrofia. Alguns se dispersaram do cubículo angustiante. A necessidade de suprir seus respectivos organismos com energia era imensuravelmente maior do que o desejo de acolher aquele novo ser.

A impaciência daquele de cabelos de fogo - já não tão vibrantes como antigamente - era enlouquecedora. Poucos restavam no agora, de certo modo, amplo espaço. Somente uma esternutação conseguira romper a mudez daquela situação.

Uma sequência de acontecimentos ruidosos se sucedera após a tal quebra do silêncio que quase aniquilara a sanidade dos ali presentes. E finalmente o rapaz de cabelos sinuosos recebera a notícia que ele tanto aguardava, seu filho nascera.

Perfil

Nunca me considerei uma pessoa muito extrovertida. Adquiri o hábito de exprimir minhas ideias e pensamentos em textos narrativos, que misturam ficção e realidade. Sou uma pessoa um pouco inconformada com a sociedade atual, talvez por me achar um tanto diferente em relação a princípios e objetivos. Considero o dicionário um ótimo companheiro. Sou uma enamorada da música em todos os seus âmbitos. Quanto a inspirações, creio que fatos, ilusões e questionamentos são fatores que podem levar qualquer um a redigir um texto.

Paula Endriukaitis, 16 anos, Santo André

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Quadrículo

Especial para o Diário

20/06/2010 | 07:07


 

Já estava ele com seus cabelos rosicler. Seu sentimento de ansiedade dominava o ambiente. Uma sala pequena demais para sustentar tanta expectativa. O silêncio estava impregnado em cada ruga de preocupação que surgira naquela noite, certamente a mais fria do ano.

Uma faísca de esperança se mantinha no coração daquele rosilho. A espera pelo choro era torturante. Ele, como um dipsomaníaco já curado, tinha seus nervos entrando em colapso. Este caucasiano já fizera de tudo por aquela família, a família que ele poderia perder em instantes.

Seu irmão tentava serenar o ambiente mencionando os ditames da vida. O belo espécime europeu agonizava com a espera inoportuna, negando-se a crer que algo superior poderia cessar tal sofrimento. Todos os presentes já se abatiam com uma espécie de distrofia. Alguns se dispersaram do cubículo angustiante. A necessidade de suprir seus respectivos organismos com energia era imensuravelmente maior do que o desejo de acolher aquele novo ser.

A impaciência daquele de cabelos de fogo - já não tão vibrantes como antigamente - era enlouquecedora. Poucos restavam no agora, de certo modo, amplo espaço. Somente uma esternutação conseguira romper a mudez daquela situação.

Uma sequência de acontecimentos ruidosos se sucedera após a tal quebra do silêncio que quase aniquilara a sanidade dos ali presentes. E finalmente o rapaz de cabelos sinuosos recebera a notícia que ele tanto aguardava, seu filho nascera.

Perfil

Nunca me considerei uma pessoa muito extrovertida. Adquiri o hábito de exprimir minhas ideias e pensamentos em textos narrativos, que misturam ficção e realidade. Sou uma pessoa um pouco inconformada com a sociedade atual, talvez por me achar um tanto diferente em relação a princípios e objetivos. Considero o dicionário um ótimo companheiro. Sou uma enamorada da música em todos os seus âmbitos. Quanto a inspirações, creio que fatos, ilusões e questionamentos são fatores que podem levar qualquer um a redigir um texto.

Paula Endriukaitis, 16 anos, Santo André

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;