Fechar
Publicidade

Domingo, 22 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Indústrias perto de casas divide urbanistas


Isis Mastromano Correia
Do Diário do Grande ABC

29/03/2009 | 07:02


Ser o município com a segunda maior concentração de habitantes por quilômetro do Brasil conferiu a Diadema cenários que seriam pouco prováveis em outras cidades: indústrias convivendo tão próximas das casas.

A lei de zoneamento municipal admite que residências dividam espaço com o setor industrial e sobre isso, urbanistas têm opiniões distintas.

"Ter habitação ao lado de indústria, desde que não sejam suscetíveis a incômodos, não é um problema em si. Esse incêndio demostra que o problema não foi a lei que organiza a cidade, mas sim, a falta de fiscalização sobre as atividades e ações da empresa", aponta a urbanista e pesquisadora do Instituto Pólis de Estudos, Formação e Assessoria em Políticas Sociais, Paula Santoro.

A especialista explica que a ideia de misturar indústrias com residência é interessante por facilitar o transporte das pessoas e gerar empregos próximos às moradias.

Issao Minami, professor da FAU-USP (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo), defende uma revisão da lei de zoneamento que segregue bairros residências de locais de produção.

"Por aceitarmos a configuração da cidade como está, vamos atrás do prejuízo. É só quando acontece uma tragédia dessas que pensamos em dispositivos que evitassem tal desfecho", diz Minami.

Diadema é considerada cidade dormitório e, por isso, não houve ênfase sobre a questão da moradia. As esferas estaduais e federal do governo, por sua vez, passaram a tratar a questão da habitação como um problema que cada cidade teria de resolver sozinha.

Histórico - A miscelânia entre residências e indústrias em Diadema é herança do boom industrial do Grande ABC na década de 1950. A cidade virou oásis dos que buscavam possibilidade de emprego.

Enquanto pessoas buscavam espaço para se instalar próximo ao trabalho, as fábricas queriam território para se estabelecer na região que começava a se consagrar como industrial.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;