Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Para Onix, Brasil deverá estar entre as 5 economias que mais vão crescer

Divulgação/ Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


26/08/2021 | 17:25


O ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, disse nesta quinta-feira durante o Broadcast Live que o Brasil, mesmo em meio a uma pandemia que ninguém no mundo sabia como enfrentar nas áreas da saúde e econômica, mostrou um excelente desempenho econômico. "E o Brasil hoje deverá estar de novo entre os cinco que mais vão crescer e isso se deve fundamentalmente ao fato de que o Brasil neste período todo tomou uma série de iniciativas", opinou.

Segundo o ministro, o Brasil não parou de gerar empregos e previu que em agosto o Caged deverá repetir o mesmo patamar de empregos novos de julho, quando foram abertas 316 mil vagas. "Tenho certeza de que agosto deverá manter este mesmo índice de expansão", disse, acrescentando que o governo estava certo em março do ano passado "quando o presidente Bolsonaro disse que deveríamos ter equilíbrio".

E completou: "Equilíbrio que faltou a governadores e a prefeitos. Tem Estado que, quando formos fazer o computo, vamos encontrar milhares e milhares de empresas brasileiras fechadas, milhares e milhares de ocupações, para não falarmos só de empregos formais."

O ministro lembrou que durante a pandemia foram encontrados 26 milhões de informais mais os 7 milhões de Microempreenderores Individuais (MEIs) que são sustentáculos de família e não estão no Bolsa Família. "Então nós temos um número bem superior a 30 milhões de famílias que dependem da atividade econômica das cidades. É por isso que o Brasil, no governo Bolsonaro, é o único país que eu conheço que no ano de 2020 manteve mais de nove meses de programa de sustentação aos mais vulneráveis e renova o programa em 2021", afirmou Onyx.

De acordo com ele, os programas de auxílios emergenciais em 2020 somaram R$ 294 bilhões e este ano. Somados os dois anos, vai ficar em torno de R$ 360 bilhões. "Isso demonstra que o governo Bolsonaro cumpriu uma das três linhas do Programa Caminhos para a Prosperidade. O governo é 100% constitucional. O presidente joga 100% dentro das quatro linhas. O governo é eficiente, tem demonstrado isso, e é fraterno. Me mostre na América toda, inclusive nos EUA, quem teve uma maior ação de proteção aos mais vulneráveis", disse Onyx.

Microcrédito digital produtivo

O ministro do Trabalho e Previdência afirmou ainda que está discutindo com a Caixa iniciar o programa de microcrédito digital produtivo, conforme antecipou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) no ano passado.

O programa teria linha de crédito de mais de R$ 10 bilhões e capacidade de atender 10 milhões de pessoas, segundo Onyx. A ideia é destinar os recursos para os trabalhadores informais que deixarão de receber o auxílio emergencial.

"Vamos iniciar um trabalho, que vem sendo discutido com a Caixa, do programa de microcrédito digital produtivo, para permitir que 26 milhões de pessoas tenham apoio melhorar sua área de atividade", disse o ministro, em entrevista ao Broadcast Live. "Também vamos fazer convênio com Sebrae, para que possam ser capacitadas gratuitamente, melhorar seu desempenho e quem sabe ser transformadas em MEIs Microempreendedores Individuais", completou.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;