Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 1 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Grupo aciona promotoria de Justiça
contra construção de centro logístico

Nario Barbosa/ DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Alegação é que obra infringe leis municipais e prejudica áreas de preservação


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

13/08/2021 | 00:01


Integrantes do grupo MDV (Movimento pela Defesa da Vida), que reúne ambientalistas do Grande ABC, protocolou denúncia nas promotorias de Justiça de Mauá e Ribeirão Pires contra a GLP S Participações SA, que prevê construir centro logístico na fronteira de Santo André, Ribeirão Pires e Mauá.

A intenção do grupo é impedir a obra do empreendimento, já que os ambientalistas alegam que a área fica em zona de proteção ambiental. Além disso, a documentação reúne diversos itens que o MDV entende como confrontantes às leis dos municípios de Mauá e de Ribeirão Pires.

“O local do empreendimento, de acordo com o mapa da (Represa) Billings, é subárea de conservação ambiental, cuja lei da Billings determina que é local provido de cobertura vegetal de interesse à preservação da biodiversidade, de relevante beleza cênica ou outros atributos de importância ambiental”, sustenta a documentação entregue às promotorias.

Conforme Raquel Fernandez Varela, uma das integrantes do MDV, a intenção do grupo é evitar que a GLP inicie a construção do empreendimento. Raquel, assim como os outros participantes do grupo, entende que os impactos causados pela construção e pelo funcionamento do centro logístico podem causar grandes problemas na área, especificamente em parte do Parque Natural Municipal do Pedroso, que pertence a Santo André.

“Estamos vivendo uma crise hídrica sem precedentes, com a população pagando exorbitância de energia elétrica devido à bandeira vermelha, com o baixíssimo nível dos reservatórios no Sudeste”, declarou a ambientalista. Estudo para a implementação já foi protocolado na Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) em março deste ano pela GLP, que aguarda posicionamento da entidade.

Conforme documentação que o Diário teve acesso, a construção ficará em área conhecida como Sertãozinho, nas divisas de Mauá e Ribeirão, mas que sua zona de influência atinge Santo André, exatamente no Parque Natural Municipal do Pedroso, também conhecido como zona de amortecimento, área específica que fica em torno do parque e que não pode receber qualquer tipo de empreendimento.

Além da alegação ambiental, o grupo também sustenta que o empreendimento confronta o plano diretor de Ribeirão Pires, já que o centro logístico ficaria em local conhecido como ARA (Área de Recuperação Ambiental). O objetivo desse tipo de divisão é de recuperar áreas onde se situam as nascentes, cabeceiras e várzeas dos rios com meta de proteger e recuperar as características ambientais existentes.

Por meio de nota, a Cetesb alegou que o pedido de licença prévia para a construção do centro logístico está protocolado e em fase prévia de viabilidade. “O processo está em andamento, aguardando informações complementares do interessado”.

A Prefeitura de Santo André, por meio do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André), declarou que desenvolve análise técnica para verificar como o empreendimento pode afetar a zona de amortecimento do Parque do Pedroso. “O relatório será apresentado ao Comugesan (Conselho Municipal de Gestão Saneamento Ambiental de Santo André)”. 

Já a Prefeitura de Ribeirão Pires informou que acompanha a questão. “Esclarecemos que por se tratar de intervenção de alto impacto, compete à Cetesb a análise e deliberação”, afirmou. A administração de Mauá não respondeu aos questionamentos do Diário. 

A GLP garante que só vai iniciar as obras após autorização. “Todos os empreendimentos da GLP são devidamente licenciados por todos os órgãos ambientais e urbanísticos competentes. O projeto em Ribeirão Pires está, no momento, em fase de emissão da licença prévia pela Cetesb. Qualquer intervenção no terreno acontecerá apenas após a avaliação e liberação do projeto por todos os órgãos competentes, incluindo um pronunciamento da Semasa, órgão responsável pela gestão da unidade de conservação, e emissão de todas as licenças necessárias, seguindo os trâmites legais.” 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;