Fechar
Publicidade

Sábado, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Imprensa israelense: suspensão do cerco a Arafat é derrota


Da AFP

30/09/2002 | 08:25


A imprensa israelense qualificou unanimemente de derrota, nas publicações desta segunda-feira, a operação do cerco a Yasser Arafat em Ramalah, que Israel suspendeu neste domingo após dez dias de prontidão. A pressão dos Estados Unidos resultou no fim da ação que exigia a rendição dos palestinos que resistiam no QG do líder palestino..

"Israel se retirou, os terroristas procurados fugiram", intitulou na primeira página o jornal popular Maariv, com uma grande foto do presidente palestino Yasser Arafat rindo e "saindo das ruínas de seu quartel general nos ombros de seus partidários".

"Sharon: não se podia dizer não ao nosso melhor amigo (Estados Unidos)", foi o título de Yediot Aharonot, com uma foto do presidente da Autoridade Palestina radiante e fazendo com os dedos o "V" da vitória.

Em um incisivo comentário, Ben Caspit, um dos grandes analistas de Maariv, que cobre a viagem do primeiro-ministro israelense Ariel Sharon a Moscou, escreve: "Para Sharon, a viagem a Moscou veio a calhar. Num dia como este, tinha mesmo de partir para qualquer lado. O essencial era estar o mais longe possível da Mukataa" (o quartel general de Arafat).

"Sharon sofreu um fracasso colossal, o maior desde que assumiu o poder (em março de 2001) e, neste ponto, todos estão de acordo em todo o espectro político", disse um editorial de primeira página do Maariv.

"A operação punitiva, que havia começado com grande pompa, virou um desastre e os palestinos estão morrendo de rir. O que é mais grave, e mais perigoso, é que os inimigos de Israel poderão chegar à conclusão, levando em conta o fiasco de Ramalah, que atualmente Israel está com as mãos atadas e assim podem arriscar uma provocação", acrescenta.

O editorialista de Yediot Aharonot diz que "a lição para o futuro é que a chave de qualquer acordo no Oriente Médio está nas mãos do presidente Bush e de ninguém mais". Diz ainda que “se acontecer a guerra contra o Iraque e se Israel for atacado com armas não convencionais, o Governo terá de tomar decisões difíceis, incluindo a de responder com que armas. Pobres de nós se essas decisões forem adotadas da mesma maneira infeliz que a destruição da Mukataa".

O independente Haaretz comentou que "o caso da Mukataa demonstrou que os Estados Unidos apóiam Ariel Sharon com a condição de que este não esbarre nos interesses norte-americanos. E isto deve preocupar no futuro o primeiro-ministro".



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;