Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Peru tenta furar retranca da Nova Zelândia para voltar a uma Copa após 36 anos



15/11/2017 | 07:00


Sem poder contar o seu principal jogador, Paolo Guerrero, preventivamente suspenso pela Fifa após ser reprovado em um exame antidoping, o Peru entrará em campo no início da madrugada desta quinta-feira, a partir da 0h15 (de Brasília), para enfrentar a Nova Zelândia, no Estádio Nacional de Lima, em busca da 32.ª e última vaga na Copa do Mundo de 2018.

Sem disputar um Mundial desde 1982, a seleção peruana empatou por 0 a 0 com os neozelandeses no duelo de ida da repescagem mundial das Eliminatórias, na semana passada, em Wellington. Com isso, garantirá classificação para a grande competição que será realizada na Rússia se conquistar uma vitória simples em casa.

Sem Guerrero, que testou positivo para doping após o jogo contra a Argentina, em Buenos Aires, pela 17.ª e penúltima rodada do qualificatório sul-americano, o técnico Ricardo Gareca ensaiou várias formações ofensivas. Uma delas contou com o rápido atacante Raúl Ruidíaz, do Morélia, do México, e uma outra testou o experiente Jefferson Farfán, do Lokomotiv Moscou, que foi escolhido para substituir o goleador do Flamengo no confronto em Wellington.

Farfán qualificou a defesa neozelandesa como uma "muralha" ao projetar o duelo do início da madrugada desta quinta-feira, enquanto o goleiro peruano Pedro Gallese afirmou não ter dúvidas de que o adversário jogará altamente retrancado, apenas esperando aproveitar erros dos donos da casa para surpreender. "Certeza de que vão ficar atrás, e sabendo disso nós precisaremos ter paciência e rodar a bola", disse.

O Peru disputou quatro edições da Copa do Mundo, mas tenta evitar a possibilidade de completar quatro décadas sem estar presente na competição, pois se não aproveitar essa chance de agora só poderá retornar ao Mundial em 2022, no Catar, 40 anos após a sua participação na Copa de 1982, na Espanha. Já a Nova Zelândia jogou a sua última Copa em 2010 e tenta ser o único representante da Oceania no Mundial de 2018.

O técnico da Nova Zelândia, Anthony Hudson, admitiu que o Peru é o favorito nesta luta por vaga na Copa, mas avisou: "Não estamos aqui (em Lima) de férias, mas sim simplesmente para ganhar". "Estamos bem e isso é muito bom, nos dá confiança", reforçou o atacante Chris Wood, também esperançoso na classificação para a Copa.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;