Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Dedimar confirma emocional abalado e lamenta expulsão


Dérek Bittencourt
Diário do Grande ABC

30/10/2010 | 08:00


Os jogadores do Santo André estão com os nervos à flor da pele em decorrência da situação do time no Campeonato Brasileiro da Série B. Há 16 rodadas na zona de rebaixamento, a equipe vê jogo após jogo a degola mais próxima e isso reflete dentro de campo. Tanto que o experiente Dedimar, que reestreava no clube, num lance de infelicidade colocou a mão na bola dentro da área e ocasionou pênalti para o América-MG, no duelo da terça-feira.

Ontem, na reapresentação do elenco, o jogador treinou separadamente, já que está suspenso para o duelo de terça, contra o ASA. Depois da atividade, lamentou a situação que proporcionou e disse ter colocado toda a sua história pelo clube em "xeque". "Para mim esse é um jogo para se esquecer e para o Santo André também. Eu ia antecipar o lance, tomei um tranco de leve do Fábio Júnior e perdi o tempo da jogada. Como percebi que ele ia fazer o gol, por impulso coloquei a mão na bola", relembra.

Cabisbaixo, lamentou ter desperdiçado a chance de se firmar no time titular andreense. "Desabou toda a minha oportunidade. Eu tinha me preparado tanto desde que voltei. Nem sei expressar o que senti logo no momento que fui expulso, mas era como se tivesse jogado todo esse trabalho recente fora. Mais que isso, coloquei toda a minha história aqui em xeque. A frustração é grande e o time está psicológicamente abalado", emendou.

O treino de ontem à tarde no Bruno Daniel foi o espelho do nervosismo e da ansiedade que tomam conta de todos os atletas. Tanto que o técnico Jair Picerni parou a atividade por algumas vezes, gritou, gesticulou, brigou e orientou. No fim das contas, quase 20 minutos só de finalização. "Estou fazendo um treino educativo, de disciplina. Temos de controlar melhor o lado emocional e isso depende de trabalho de campo", afirmou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dedimar confirma emocional abalado e lamenta expulsão

Dérek Bittencourt
Diário do Grande ABC

30/10/2010 | 08:00


Os jogadores do Santo André estão com os nervos à flor da pele em decorrência da situação do time no Campeonato Brasileiro da Série B. Há 16 rodadas na zona de rebaixamento, a equipe vê jogo após jogo a degola mais próxima e isso reflete dentro de campo. Tanto que o experiente Dedimar, que reestreava no clube, num lance de infelicidade colocou a mão na bola dentro da área e ocasionou pênalti para o América-MG, no duelo da terça-feira.

Ontem, na reapresentação do elenco, o jogador treinou separadamente, já que está suspenso para o duelo de terça, contra o ASA. Depois da atividade, lamentou a situação que proporcionou e disse ter colocado toda a sua história pelo clube em "xeque". "Para mim esse é um jogo para se esquecer e para o Santo André também. Eu ia antecipar o lance, tomei um tranco de leve do Fábio Júnior e perdi o tempo da jogada. Como percebi que ele ia fazer o gol, por impulso coloquei a mão na bola", relembra.

Cabisbaixo, lamentou ter desperdiçado a chance de se firmar no time titular andreense. "Desabou toda a minha oportunidade. Eu tinha me preparado tanto desde que voltei. Nem sei expressar o que senti logo no momento que fui expulso, mas era como se tivesse jogado todo esse trabalho recente fora. Mais que isso, coloquei toda a minha história aqui em xeque. A frustração é grande e o time está psicológicamente abalado", emendou.

O treino de ontem à tarde no Bruno Daniel foi o espelho do nervosismo e da ansiedade que tomam conta de todos os atletas. Tanto que o técnico Jair Picerni parou a atividade por algumas vezes, gritou, gesticulou, brigou e orientou. No fim das contas, quase 20 minutos só de finalização. "Estou fazendo um treino educativo, de disciplina. Temos de controlar melhor o lado emocional e isso depende de trabalho de campo", afirmou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;