Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Emoção toma conta do vestiário após vitória


Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

21/06/2012 | 01:24


Não faltou emoção no vestiário do Corinthians. Alguns jogadores deixaram o gramado com os olhos cheios de lágrimas, tamanha alegria pela inédita classificação do Timão para a final da Copa Libertadores da América. Eram os responsáveis por um dos capítulos mais importantes da história alvinegra que estava sendo escrito naquele momento.

"Agora vocês podem falar que nós estamos na história do Corinthians, entramos para a história", comemorou o atacante Willian, um dos mais exaltados. "Ainda vamos fazer mais, com muita humildade, queremos atingir o título inédito", completou o jogador.

Contrastando o companheiro, de cabeça mais fria, o volante Ralf chamou atenção para o adversário da final - Boca Juniors ou Universidade do Chile, que definem hoje quem avança - e pediu pés no chão aos companheiros e torcedores./CW

"Ainda não ganhamos nada. Faltam dois jogos e, se perdermos, tudo o que fizemos nesses dois jogos contra o Santos de nada vai valer. Temos de ter calma", aconselhou o jogador, que descreveu a sensação de entrar na história do clube. "Sei da importância desse resultado e temos muito que comemorar", completou Ralf.

 

Santistas lamentam gol no início do 2º tempo

 

A decepção era visível no semblante dos santistas. Abatidos, os jogadores desceram para os vestiários lamentando profundamente o resultado. Porém, a maior reclamação dos jogadores do Peixe não foi pelo futebol apresentado pela equipe, tampouco em relação à arbitragem ou algo parecido. O que desanimou os santistas foi o momento em que a equipe sofreu o gol do Timão.

"Nós não fizemos partida ruim. O adversário é forte. E não tivemos sorte, porque levamos o gol, infelizmente, logo no início do segundo tempo. Tentamos, lutamos, mas não deu", declarou o atacante Borges.

"Não caímos, nosso futebol é o mesmo dos outros jogos. Foi o gol mesmo, no momento errado, que decretou a nossa derrota", completou o atacante.

Da mesma forma que Borges, o técnico Muricy Ramalho também enalteceu o futebol apresentado pelo Santos, apesar da derrota e da consequente eliminação.

"Nosso time marcou bem, ocupou espaços e a nossa proposta de jogo foi convincente. Acho que a equipe se portou bem e isso nos anima para o Campeonato Brasileiro", analisou.

Porém, para o comandante santista, o que decretou a vitória do Corinthians foi a marcação do adversário. "Era difícil passar por eles, porque têm como prioridade atuar no abafa, diferente da gente. Procuramos atacar mais. Nós íamos atuar no contra-ataque no segundo tempo, que é a maneira que gostamos de jogar, mas perder faz parte, saímos de cabeça erguida."

O treinador também fez questão de inocentar Neymar, que teve atuação apagada. "Ele correu, lutou, fez o gol, driblou, voltou a jogar aquilo que está acostumado a fazer", declarou Muricy.

 

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Emoção toma conta do vestiário após vitória

Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

21/06/2012 | 01:24


Não faltou emoção no vestiário do Corinthians. Alguns jogadores deixaram o gramado com os olhos cheios de lágrimas, tamanha alegria pela inédita classificação do Timão para a final da Copa Libertadores da América. Eram os responsáveis por um dos capítulos mais importantes da história alvinegra que estava sendo escrito naquele momento.

"Agora vocês podem falar que nós estamos na história do Corinthians, entramos para a história", comemorou o atacante Willian, um dos mais exaltados. "Ainda vamos fazer mais, com muita humildade, queremos atingir o título inédito", completou o jogador.

Contrastando o companheiro, de cabeça mais fria, o volante Ralf chamou atenção para o adversário da final - Boca Juniors ou Universidade do Chile, que definem hoje quem avança - e pediu pés no chão aos companheiros e torcedores./CW

"Ainda não ganhamos nada. Faltam dois jogos e, se perdermos, tudo o que fizemos nesses dois jogos contra o Santos de nada vai valer. Temos de ter calma", aconselhou o jogador, que descreveu a sensação de entrar na história do clube. "Sei da importância desse resultado e temos muito que comemorar", completou Ralf.

 

Santistas lamentam gol no início do 2º tempo

 

A decepção era visível no semblante dos santistas. Abatidos, os jogadores desceram para os vestiários lamentando profundamente o resultado. Porém, a maior reclamação dos jogadores do Peixe não foi pelo futebol apresentado pela equipe, tampouco em relação à arbitragem ou algo parecido. O que desanimou os santistas foi o momento em que a equipe sofreu o gol do Timão.

"Nós não fizemos partida ruim. O adversário é forte. E não tivemos sorte, porque levamos o gol, infelizmente, logo no início do segundo tempo. Tentamos, lutamos, mas não deu", declarou o atacante Borges.

"Não caímos, nosso futebol é o mesmo dos outros jogos. Foi o gol mesmo, no momento errado, que decretou a nossa derrota", completou o atacante.

Da mesma forma que Borges, o técnico Muricy Ramalho também enalteceu o futebol apresentado pelo Santos, apesar da derrota e da consequente eliminação.

"Nosso time marcou bem, ocupou espaços e a nossa proposta de jogo foi convincente. Acho que a equipe se portou bem e isso nos anima para o Campeonato Brasileiro", analisou.

Porém, para o comandante santista, o que decretou a vitória do Corinthians foi a marcação do adversário. "Era difícil passar por eles, porque têm como prioridade atuar no abafa, diferente da gente. Procuramos atacar mais. Nós íamos atuar no contra-ataque no segundo tempo, que é a maneira que gostamos de jogar, mas perder faz parte, saímos de cabeça erguida."

O treinador também fez questão de inocentar Neymar, que teve atuação apagada. "Ele correu, lutou, fez o gol, driblou, voltou a jogar aquilo que está acostumado a fazer", declarou Muricy.

 

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;