Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

SUS oferece remédios
fitoterápicos em Mauá

Rede municipal é a única da região que possui esses
medicamentos; ao todo, as UBSs oferecem nove tipos


Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

30/04/2012 | 07:00


Mauá é a única cidade do Grande ABC a oferecer remédios fitoterápicos na rede municipal de Saúde. Ao todo, as UBSs (Unidades Básicas de Saúde) oferecem nove tipo de medicamentos. Assim como as drogas tradicionais, as substâncias só podem ser retiradas nos postos se o paciente apresentar receita assinada por um médico.

Neste mês, a Prefeitura adicionou à Remume (Relação Municipal de Medicamentos Essenciais) oito substâncias de origem natural para serem entregues pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Desde 2010, o único fitoterápico disponibilizado era o xarope de Guaco, utilizado para aliviar tosses (veja na tabela ao lado a relação completa oferecida na cidade).

A coordenadora de Assistência Farmacêutica de Mauá, Melissa Spröesser Alonso, revela que a preparação dos médicos para o início das prescrições começou em novembro. "A disponibilização é última etapa. Antes, é preciso fazer um trabalho com informações para os médicos e a comunidade", explica.

Segundo a coordenadora, a aceitação dos remédios de origem natural é grande entre a população. "Muitas pessoas já falam para o médico que, se possível, gostariam que fosse dada preferência à fitoterapia." A prescrição ou não deste tipo de medicamento fica a cargo do médico.

Apenas medicamentos que integram a Remume podem ser comprados pelo município com a verba destinada pelo Ministério da Saúde. Na lista de 2012, foram incluídas novas substâncias, como hortelã, babosa e salgueiro. A coordenadora afirma que a Prefeitura ainda irá estudar se colocará ou não os remédios nas prateleiras do município. "Precisamos ver o perfil epidemiológico para ver se há demanda."

Em São Caetano, a Prefeitura tem parceria com a USCS (Universidade Municipal de São Caetano do Sul) para a disponibilização de ginkgo biloba. O remédio, que não faz parte da Remume, geralmente é usado para combater alterações no sistema nervoso periférico. Para obter o medicamento, o paciente precisa ser morador da cidade e apresentar receita emitida na rede pública.

A Prefeitura de São Bernardo não oferece fitoterápicos, mas afirmou que estuda incluí-los nas unidades do município. Com exceção de Rio Grande da Serra, que não se manifestou, os demais municípios informaram que não têm previsão para adicionar as substâncias de origem natural nas prateleiras. A Secretaria Estadual de Saúde informa que os fitoterápicos são utilizados para atenção básica e, por isso, devem ser oferecidos pelo poder público municipal.

 

 

Especialista vê medida como avanço

A disponibilidade de medicamentos fitoterápicos na rede pública de Saúde é vista como avanço pelo professor José Armando Júnior, que leciona no curso de Ciências Farmacêuticas e Gestão em Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina do ABC. "Até 2009, o governo não se importava em criar lista de remédios naturais. A comunidade médica recebeu isso com grande satisfação, pois é o reconhecimento de algo que já é estudado há muitos anos."

Segundo o especialista, o tratamento com substâncias fitoterápicas diminui riscos à saúde, como efeitos colaterais e associações medicamentosas.

"Mas isso não quer dizer que o tratamento não precisa ser acompanhado por um médico. O fitoterápico pode dar efeitos colaterais, mas não é tão comum quanto nos remédios sintéticos", explica.

Armando Júnior salienta ainda que, ao contrário da crendice popular, não há relação entre a fitoterapia e o tempo elevado de tratamento. "É muito comum confundirem o fitoterápico com plantas medicinais. O fitoterápico passou por grande controle de qualidade, a planta não". O professor acrescenta que outro erro comum é a confusão entre fitoterapia e homeopatia.

No site da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o órgão esclarece que a fitoterapia "utiliza exclusivamente princípios ativos de plantas medicinais". Já a homeopatia também usa princípios de origem animal e vegetal. As substâncias são diluídas em água ou no álcool e passam por processo chamado de dinamização.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

SUS oferece remédios
fitoterápicos em Mauá

Rede municipal é a única da região que possui esses
medicamentos; ao todo, as UBSs oferecem nove tipos

Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

30/04/2012 | 07:00


Mauá é a única cidade do Grande ABC a oferecer remédios fitoterápicos na rede municipal de Saúde. Ao todo, as UBSs (Unidades Básicas de Saúde) oferecem nove tipo de medicamentos. Assim como as drogas tradicionais, as substâncias só podem ser retiradas nos postos se o paciente apresentar receita assinada por um médico.

Neste mês, a Prefeitura adicionou à Remume (Relação Municipal de Medicamentos Essenciais) oito substâncias de origem natural para serem entregues pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Desde 2010, o único fitoterápico disponibilizado era o xarope de Guaco, utilizado para aliviar tosses (veja na tabela ao lado a relação completa oferecida na cidade).

A coordenadora de Assistência Farmacêutica de Mauá, Melissa Spröesser Alonso, revela que a preparação dos médicos para o início das prescrições começou em novembro. "A disponibilização é última etapa. Antes, é preciso fazer um trabalho com informações para os médicos e a comunidade", explica.

Segundo a coordenadora, a aceitação dos remédios de origem natural é grande entre a população. "Muitas pessoas já falam para o médico que, se possível, gostariam que fosse dada preferência à fitoterapia." A prescrição ou não deste tipo de medicamento fica a cargo do médico.

Apenas medicamentos que integram a Remume podem ser comprados pelo município com a verba destinada pelo Ministério da Saúde. Na lista de 2012, foram incluídas novas substâncias, como hortelã, babosa e salgueiro. A coordenadora afirma que a Prefeitura ainda irá estudar se colocará ou não os remédios nas prateleiras do município. "Precisamos ver o perfil epidemiológico para ver se há demanda."

Em São Caetano, a Prefeitura tem parceria com a USCS (Universidade Municipal de São Caetano do Sul) para a disponibilização de ginkgo biloba. O remédio, que não faz parte da Remume, geralmente é usado para combater alterações no sistema nervoso periférico. Para obter o medicamento, o paciente precisa ser morador da cidade e apresentar receita emitida na rede pública.

A Prefeitura de São Bernardo não oferece fitoterápicos, mas afirmou que estuda incluí-los nas unidades do município. Com exceção de Rio Grande da Serra, que não se manifestou, os demais municípios informaram que não têm previsão para adicionar as substâncias de origem natural nas prateleiras. A Secretaria Estadual de Saúde informa que os fitoterápicos são utilizados para atenção básica e, por isso, devem ser oferecidos pelo poder público municipal.

 

 

Especialista vê medida como avanço

A disponibilidade de medicamentos fitoterápicos na rede pública de Saúde é vista como avanço pelo professor José Armando Júnior, que leciona no curso de Ciências Farmacêuticas e Gestão em Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina do ABC. "Até 2009, o governo não se importava em criar lista de remédios naturais. A comunidade médica recebeu isso com grande satisfação, pois é o reconhecimento de algo que já é estudado há muitos anos."

Segundo o especialista, o tratamento com substâncias fitoterápicas diminui riscos à saúde, como efeitos colaterais e associações medicamentosas.

"Mas isso não quer dizer que o tratamento não precisa ser acompanhado por um médico. O fitoterápico pode dar efeitos colaterais, mas não é tão comum quanto nos remédios sintéticos", explica.

Armando Júnior salienta ainda que, ao contrário da crendice popular, não há relação entre a fitoterapia e o tempo elevado de tratamento. "É muito comum confundirem o fitoterápico com plantas medicinais. O fitoterápico passou por grande controle de qualidade, a planta não". O professor acrescenta que outro erro comum é a confusão entre fitoterapia e homeopatia.

No site da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o órgão esclarece que a fitoterapia "utiliza exclusivamente princípios ativos de plantas medicinais". Já a homeopatia também usa princípios de origem animal e vegetal. As substâncias são diluídas em água ou no álcool e passam por processo chamado de dinamização.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;