Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 29 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

O império do automóvel

Cinco porcento do PIB brasileiro vêm da indústria automotiva...


Cristina Baddini

29/06/2012 | 00:00


Cinco porcento do PIB brasileiro vêm da indústria automotiva. Nunca se vendeu tanto carro no Brasil. Foram mais de 3,5 milhões de veículos novos no ano passado. Todos sabem que o automóvel, desde o século passado, tornou-se objeto de desejo, passando a concentrar os grandes investimentos públicos, alterando os deslocamentos, deixando as cidades mais espraiadas e caras. Com uma cadeia produtiva complexa, a produção de automóveis é responsável por 22,5% de toda a riqueza gerada pela indústria nacional. 

Pelo cenário de hoje, o poder aquisitivo aumenta, vendem-se mais carros, mais riquezas são geradas e começa tudo de novo. Para a Anfavea, até 2020 6 milhões de unidades serão vendidas por ano. O cenário que se desenha é caótico para qualquer parte do Brasil, seja em grandes capitais ou cidades de médio porte, o trânsito vai piorar muito.

Construir mais vias é enxugar gelo

Se o trânsito de carros aumenta, muitos pensam que a solução é construir mais ruas e avenidas mais largas. Ora, isso parece óbvio. Mas não é. Já se provou que não resolve e agrava o problema. Na verdade, se o trânsito está ruim, é porque a cidade está mal projetada. O transporte não motorizado não tem espaço nas cidades. As pessoas estão morando muito longe de onde trabalham e a ocupação urbana é mal distribuída. Também o transporte coletivo não é de qualidade entre casa e trabalho. Se essas questões não são resolvidas e simplesmente se alargam ou constroem mais avenidas, o resultado é que, como o trânsito melhora num primeiro momento, o mercado imobiliário não tarda a agir, e logo mais pessoas estão trabalhando num bairro e morando em outro bem longe, fazendo com que o trânsito piore novamente, agora com volume maior. Na Europa, ao contrário do Brasil, cresce o movimento de tirar o privilégio dos carros. 

Luz no fim do túnel 

A Lei 12.587, que instituiu as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, foi sancionada pela presidente Dilma no início do ano e, entre outros dispositivos de grande importância, estabelece a prevalência do transporte coletivo e dos modos de transportes não motorizados sobre o transporte individual nos sistemas viários de nossas cidades. Além disso, tem como objetivos a redução das desigualdades e promoção da inclusão social, do acesso aos serviços básicos e equipamentos sociais e proporciona melhoria nas condições urbanas da população no que se refere à acessibilidade e à mobilidade, além de promover o desenvolvimento sustentável com a mitigação dos custos ambientais e socioeconômicos dos deslocamentos de pessoas e cargas nas cidades, o que fará toda a diferença em termos de políticas públicas para a mobilidade urbana.

A lei disciplina ainda os direitos dos usuários; as atribuições da União, dos Estados e dos municípios, além dos instrumentos de apoio à mobilidade urbana, entre outros pontos. O futuro, além de um bom transporte público, é dos carros compartilhados. Ou do transporte individual, mas com bicicletas, por exemplo. Ou com veículos elétricos, que circulem a 25 km/h transportando mais que uma pessoa. O futuro é da carona amiga. O futuro é do sistema integrado. O futuro é não precisar mais percorrer longas distâncias e fazer viagens malucas de três horas para chegar ao trabalho. Enfim, o futuro é com espaços urbanos como locais de convivência de toda a população.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

O império do automóvel

Cinco porcento do PIB brasileiro vêm da indústria automotiva...

Cristina Baddini

29/06/2012 | 00:00


Cinco porcento do PIB brasileiro vêm da indústria automotiva. Nunca se vendeu tanto carro no Brasil. Foram mais de 3,5 milhões de veículos novos no ano passado. Todos sabem que o automóvel, desde o século passado, tornou-se objeto de desejo, passando a concentrar os grandes investimentos públicos, alterando os deslocamentos, deixando as cidades mais espraiadas e caras. Com uma cadeia produtiva complexa, a produção de automóveis é responsável por 22,5% de toda a riqueza gerada pela indústria nacional. 

Pelo cenário de hoje, o poder aquisitivo aumenta, vendem-se mais carros, mais riquezas são geradas e começa tudo de novo. Para a Anfavea, até 2020 6 milhões de unidades serão vendidas por ano. O cenário que se desenha é caótico para qualquer parte do Brasil, seja em grandes capitais ou cidades de médio porte, o trânsito vai piorar muito.

Construir mais vias é enxugar gelo

Se o trânsito de carros aumenta, muitos pensam que a solução é construir mais ruas e avenidas mais largas. Ora, isso parece óbvio. Mas não é. Já se provou que não resolve e agrava o problema. Na verdade, se o trânsito está ruim, é porque a cidade está mal projetada. O transporte não motorizado não tem espaço nas cidades. As pessoas estão morando muito longe de onde trabalham e a ocupação urbana é mal distribuída. Também o transporte coletivo não é de qualidade entre casa e trabalho. Se essas questões não são resolvidas e simplesmente se alargam ou constroem mais avenidas, o resultado é que, como o trânsito melhora num primeiro momento, o mercado imobiliário não tarda a agir, e logo mais pessoas estão trabalhando num bairro e morando em outro bem longe, fazendo com que o trânsito piore novamente, agora com volume maior. Na Europa, ao contrário do Brasil, cresce o movimento de tirar o privilégio dos carros. 

Luz no fim do túnel 

A Lei 12.587, que instituiu as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, foi sancionada pela presidente Dilma no início do ano e, entre outros dispositivos de grande importância, estabelece a prevalência do transporte coletivo e dos modos de transportes não motorizados sobre o transporte individual nos sistemas viários de nossas cidades. Além disso, tem como objetivos a redução das desigualdades e promoção da inclusão social, do acesso aos serviços básicos e equipamentos sociais e proporciona melhoria nas condições urbanas da população no que se refere à acessibilidade e à mobilidade, além de promover o desenvolvimento sustentável com a mitigação dos custos ambientais e socioeconômicos dos deslocamentos de pessoas e cargas nas cidades, o que fará toda a diferença em termos de políticas públicas para a mobilidade urbana.

A lei disciplina ainda os direitos dos usuários; as atribuições da União, dos Estados e dos municípios, além dos instrumentos de apoio à mobilidade urbana, entre outros pontos. O futuro, além de um bom transporte público, é dos carros compartilhados. Ou do transporte individual, mas com bicicletas, por exemplo. Ou com veículos elétricos, que circulem a 25 km/h transportando mais que uma pessoa. O futuro é da carona amiga. O futuro é do sistema integrado. O futuro é não precisar mais percorrer longas distâncias e fazer viagens malucas de três horas para chegar ao trabalho. Enfim, o futuro é com espaços urbanos como locais de convivência de toda a população.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;