Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Morre a jornalista e escritora Helena Salém


Do Diário do Grande ABC

25/08/1999 | 10:35


O último projeto da jornalista e escritora Helena Salém era dirigir, com o cineasta José Joffilli um documentário sobre as religioes neste fim de milênio. Mas ela morreu nesta terça-feira (24), no Rio, depois de lutar oito anos contra um câncer linfático e a favor das coisas que mais prezava na vida: as duas filhas Dina e Tatiana, o cinema e a cultura brasileira.

O amor à vida levou Helena ao Oriente Médio, durante a Guerra do Yom Kippur, em 1973, como a primeira brasileira correspondente de guerra.

Judia de sobrenome árabe, defendeu os palestinos e nunca mais parou de escrever sobre as causas em que acreditava, nos vários livros que escreveu e jornais e revistas por onde passou.

O último foi o jornal O Estado de S. Paulo, onde públicou reportagens sobre festivais de cinema, entrevistas com atores e diretores e críticas de filmes. Uma delas, sobre O Que é Isso Companheiro? foi citado pela crítica cinematográfica do The New York Times. Os livros dela sobre cinema e a questao judaica também sao referência para quem quer refletir sobre o tema.

Helena foi enterrada nesta quarta, no Cemitério Israelita do Rio.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Morre a jornalista e escritora Helena Salém

Do Diário do Grande ABC

25/08/1999 | 10:35


O último projeto da jornalista e escritora Helena Salém era dirigir, com o cineasta José Joffilli um documentário sobre as religioes neste fim de milênio. Mas ela morreu nesta terça-feira (24), no Rio, depois de lutar oito anos contra um câncer linfático e a favor das coisas que mais prezava na vida: as duas filhas Dina e Tatiana, o cinema e a cultura brasileira.

O amor à vida levou Helena ao Oriente Médio, durante a Guerra do Yom Kippur, em 1973, como a primeira brasileira correspondente de guerra.

Judia de sobrenome árabe, defendeu os palestinos e nunca mais parou de escrever sobre as causas em que acreditava, nos vários livros que escreveu e jornais e revistas por onde passou.

O último foi o jornal O Estado de S. Paulo, onde públicou reportagens sobre festivais de cinema, entrevistas com atores e diretores e críticas de filmes. Uma delas, sobre O Que é Isso Companheiro? foi citado pela crítica cinematográfica do The New York Times. Os livros dela sobre cinema e a questao judaica também sao referência para quem quer refletir sobre o tema.

Helena foi enterrada nesta quarta, no Cemitério Israelita do Rio.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;