Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 14 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Preço do metro quadrado residencial tem queda real

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Redução mais acentuada foi registrada em São Bernardo, com variação de -7,04%


Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

03/06/2016 | 07:00


O preço médio do metro quadrado em imóveis residenciais usados caiu mais do que a inflação no Grande ABC em maio, segundo levantamento divulgado ontem pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) e pelo portal Zap Imóveis. O indicador de custo de vida utilizado para o cálculo da variação real foi o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Em São Bernardo, o preço médio do metro quadrado dos apartamentos chegou a R$ 4.894 – queda real de 7,04% na comparação com maio de 2015. Em São Caetano, a variação real foi de -5,24% e o valor atingiu R$ 5.897. Já em Santo André, onde houve redução real de 4,14%, o metro quadrado está saindo a R$ 5.238, em média. Os outros quatro municípios do Grande ABC não integram o levantamento.

O Índice FipeZap Ampliado, que abrange 20 cidades do País, registrou queda real de 8,21% nos últimos 12 meses.

O economista Eduardo Zylberstajn, da Fipe, afirma que a situação do mercado imobiliário é reflexo do momento de instabilidade pelo qual passa o Brasil. “Seguramente, é uma das piores crises econômicas que temos registro. É natural que um setor tão relevante, que depende de confiança, renda e crédito, seja afetado.”

Por considerarem aumento no risco de inadimplência, os bancos estão restringindo o acesso ao crédito, o que dificulta e até impossibilita a compra de imóveis, já que muitas famílias dependem do financiamento imobiliário.

A falta de credibilidade em relação ao futuro também pesa, já que alguns compradores, mesmo que possuam acesso ao crédito, evitam contrair dívidas de longo prazo em um momento de turbulência.

Zylberstajn avalia que ainda não é possível fazer previsões de quando o setor será reaquecido, já que, para isso, é preciso que haja solução das questões macroeconômicas. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Preço do metro quadrado residencial tem queda real

Redução mais acentuada foi registrada em São Bernardo, com variação de -7,04%

Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

03/06/2016 | 07:00


O preço médio do metro quadrado em imóveis residenciais usados caiu mais do que a inflação no Grande ABC em maio, segundo levantamento divulgado ontem pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) e pelo portal Zap Imóveis. O indicador de custo de vida utilizado para o cálculo da variação real foi o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Em São Bernardo, o preço médio do metro quadrado dos apartamentos chegou a R$ 4.894 – queda real de 7,04% na comparação com maio de 2015. Em São Caetano, a variação real foi de -5,24% e o valor atingiu R$ 5.897. Já em Santo André, onde houve redução real de 4,14%, o metro quadrado está saindo a R$ 5.238, em média. Os outros quatro municípios do Grande ABC não integram o levantamento.

O Índice FipeZap Ampliado, que abrange 20 cidades do País, registrou queda real de 8,21% nos últimos 12 meses.

O economista Eduardo Zylberstajn, da Fipe, afirma que a situação do mercado imobiliário é reflexo do momento de instabilidade pelo qual passa o Brasil. “Seguramente, é uma das piores crises econômicas que temos registro. É natural que um setor tão relevante, que depende de confiança, renda e crédito, seja afetado.”

Por considerarem aumento no risco de inadimplência, os bancos estão restringindo o acesso ao crédito, o que dificulta e até impossibilita a compra de imóveis, já que muitas famílias dependem do financiamento imobiliário.

A falta de credibilidade em relação ao futuro também pesa, já que alguns compradores, mesmo que possuam acesso ao crédito, evitam contrair dívidas de longo prazo em um momento de turbulência.

Zylberstajn avalia que ainda não é possível fazer previsões de quando o setor será reaquecido, já que, para isso, é preciso que haja solução das questões macroeconômicas. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;