Fechar
Publicidade

Domingo, 15 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Plínio diz que vai para o segundo turno


Fabrício Calado Moreira
Do Diário do Grande ABC

15/07/2006 | 07:47


“É difícil saber agora, mas por enquanto o Serra está forte. Vai ser o meu adversário no segundo turno.” Assim projeta o economista Plínio de Arruda Sampaio, candidato do Psol ao governo do Estado. Como a senadora Heloísa Helena, que concorre à Presidência da República, também Plínio acredita que conseguirá votação necessária para prorrogar em mais um rounde a disputa pelo Palácio dos Bandeirantes com o governável tucano.

Sobre a possibilidade de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ir para o segundo turno da eleição à Presidência, Plínio dá um tom de catástrofe à resposta. “O PT estar no segundo turno tem de ser tratado como uma tragédia”, exagera o economista, um dos fundadores do partido. Plínio deixou a legenda em 2005, junto a outros dissidentes petistas – entre eles, Heloísa Helena, – para fundar o Psol.

Para ele, o petista de sexta-feira precisa de alternativas para o amanhã. “Quem continua socialista precisa buscar um partido socialista, coisa que o PT deixou de ser.”

Segundo o candidato, seu programa socialista de governo gira em torno de três eixos: eliminação da “bárbarie de todas as polícias do Estado”, redução da pobreza e combate à desigualdade social.

Para a crise na segurança pública do Estado,Plínio diz que não proporá nenhuma “reinvenção da roda”. “O que precisa é o sentido da urgência do que acontece”, cobra. Como medida para combater o problema das superlotações em presídios, o candidato promete, se eleito, alugar edifícios para serem transformados em cadeias de segurança mínima, onde ficariam presos com penas leves.

“Não é preciso uma segurança brutal para batedores de carteira e para quem emite cheques sem fundos”, argumenta.

Ação regional – Neste fim de semana, o economista estará no Grande ABC ao lado do deputado federal Ivan Valente e do vereador Horácio Neto, ambos de São Caetano, para caminhada de campanha.

Às 10h30, Plínio e comitiva passearão pela rua Visconde de Inhaúma. Às 16h, o candidato é esperado na Câmara de São Bernardo.

O que traz Plínio de Arruda Sampaio em uma terra que até recentemente era do PT? “Temos a oferecer aquilo que o PT deixou de oferecer, que é uma perspectiva de transformação social”, responde.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Plínio diz que vai para o segundo turno

Fabrício Calado Moreira
Do Diário do Grande ABC

15/07/2006 | 07:47


“É difícil saber agora, mas por enquanto o Serra está forte. Vai ser o meu adversário no segundo turno.” Assim projeta o economista Plínio de Arruda Sampaio, candidato do Psol ao governo do Estado. Como a senadora Heloísa Helena, que concorre à Presidência da República, também Plínio acredita que conseguirá votação necessária para prorrogar em mais um rounde a disputa pelo Palácio dos Bandeirantes com o governável tucano.

Sobre a possibilidade de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ir para o segundo turno da eleição à Presidência, Plínio dá um tom de catástrofe à resposta. “O PT estar no segundo turno tem de ser tratado como uma tragédia”, exagera o economista, um dos fundadores do partido. Plínio deixou a legenda em 2005, junto a outros dissidentes petistas – entre eles, Heloísa Helena, – para fundar o Psol.

Para ele, o petista de sexta-feira precisa de alternativas para o amanhã. “Quem continua socialista precisa buscar um partido socialista, coisa que o PT deixou de ser.”

Segundo o candidato, seu programa socialista de governo gira em torno de três eixos: eliminação da “bárbarie de todas as polícias do Estado”, redução da pobreza e combate à desigualdade social.

Para a crise na segurança pública do Estado,Plínio diz que não proporá nenhuma “reinvenção da roda”. “O que precisa é o sentido da urgência do que acontece”, cobra. Como medida para combater o problema das superlotações em presídios, o candidato promete, se eleito, alugar edifícios para serem transformados em cadeias de segurança mínima, onde ficariam presos com penas leves.

“Não é preciso uma segurança brutal para batedores de carteira e para quem emite cheques sem fundos”, argumenta.

Ação regional – Neste fim de semana, o economista estará no Grande ABC ao lado do deputado federal Ivan Valente e do vereador Horácio Neto, ambos de São Caetano, para caminhada de campanha.

Às 10h30, Plínio e comitiva passearão pela rua Visconde de Inhaúma. Às 16h, o candidato é esperado na Câmara de São Bernardo.

O que traz Plínio de Arruda Sampaio em uma terra que até recentemente era do PT? “Temos a oferecer aquilo que o PT deixou de oferecer, que é uma perspectiva de transformação social”, responde.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;