Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 16 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Sem Gabriel e de olho no G4 do Brasileirão, Santos joga contra o Figueirense



28/08/2016 | 06:10


Sem o atacante Gabriel, que acerta os últimos detalhes de sua transferência para a Internazionale - a data de apresentação ao novo clube, no entanto, ainda não foi definida -, o Santos recebe o Figueirense, neste domingo, às 11 horas, no estádio da Vila Belmiro, em Santos, pela 22.ª rodada do Campeonato Brasileiro, de olho no G4.

Quinto colocado com 36 pontos, o time dirigido pelo técnico Dorival Júnior precisa, além da vitória sobre a equipe catarinense, torcer por tropeços de um de seus concorrentes para entrar no bloco dos quatro mais bem classificados.

Mas, apesar do bom jogo no meio de semana - vitória sobre o Vasco por 3 a 1, pela rodada de ida das oitavas de final da Copa do Brasil -, os jogadores pedem atenção contra o Figueirense, sobretudo para buscar a reabilitação, já que, na última rodada, o Santos foi derrotado pelo Coritiba por 2 a 1.

"Sentimos mais a derrota para o Coritiba porque saímos na frente no placar. Conversamos que não pode mais acontecer. Temos de ter outra postura contra o Figueirense, ter o controle da partida. Na Vila, quem dita o ritmo de jogo somos nós", disse o meia Vitor Bueno. "Acabamos tendo aquela acomodação normal. (Contra o Coritiba) Achávamos que o jogo estava ganho já, mas tomamos o gol e a virada. Contra o América-MG (outra derrota no Brasileiro), a mesma coisa", acrescentou o jogador.

Por isso, logo após a partida contra o Vasco, na última quarta-feira, em que o Santos tomou um gol nos segundos finais, Dorival Júnior cobrou mais atenção do elenco. "A conscientização dos jogadores tem que ser maior. A intensidade é alta. Há um momentos que sentimos (o jogo), temos que ter equilíbrio. Não há treinamento para isso. Em alguns instantes, é natural que se retraia para aproveitar o contra-ataque. Mas não podemos perder a agressividade", avisou o treinador, referindo-se aos dois últimos jogos. Essa agressividade é justamente o que tem marcado o futebol do Santos no Brasileirão.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sem Gabriel e de olho no G4 do Brasileirão, Santos joga contra o Figueirense


28/08/2016 | 06:10


Sem o atacante Gabriel, que acerta os últimos detalhes de sua transferência para a Internazionale - a data de apresentação ao novo clube, no entanto, ainda não foi definida -, o Santos recebe o Figueirense, neste domingo, às 11 horas, no estádio da Vila Belmiro, em Santos, pela 22.ª rodada do Campeonato Brasileiro, de olho no G4.

Quinto colocado com 36 pontos, o time dirigido pelo técnico Dorival Júnior precisa, além da vitória sobre a equipe catarinense, torcer por tropeços de um de seus concorrentes para entrar no bloco dos quatro mais bem classificados.

Mas, apesar do bom jogo no meio de semana - vitória sobre o Vasco por 3 a 1, pela rodada de ida das oitavas de final da Copa do Brasil -, os jogadores pedem atenção contra o Figueirense, sobretudo para buscar a reabilitação, já que, na última rodada, o Santos foi derrotado pelo Coritiba por 2 a 1.

"Sentimos mais a derrota para o Coritiba porque saímos na frente no placar. Conversamos que não pode mais acontecer. Temos de ter outra postura contra o Figueirense, ter o controle da partida. Na Vila, quem dita o ritmo de jogo somos nós", disse o meia Vitor Bueno. "Acabamos tendo aquela acomodação normal. (Contra o Coritiba) Achávamos que o jogo estava ganho já, mas tomamos o gol e a virada. Contra o América-MG (outra derrota no Brasileiro), a mesma coisa", acrescentou o jogador.

Por isso, logo após a partida contra o Vasco, na última quarta-feira, em que o Santos tomou um gol nos segundos finais, Dorival Júnior cobrou mais atenção do elenco. "A conscientização dos jogadores tem que ser maior. A intensidade é alta. Há um momentos que sentimos (o jogo), temos que ter equilíbrio. Não há treinamento para isso. Em alguns instantes, é natural que se retraia para aproveitar o contra-ataque. Mas não podemos perder a agressividade", avisou o treinador, referindo-se aos dois últimos jogos. Essa agressividade é justamente o que tem marcado o futebol do Santos no Brasileirão.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;