Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 4 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Sharon estuda antecipar eleições para janeiro de 2003


Das Agências

12/08/2002 | 08:52


O primeiro-ministro israelense Ariel Sharon, que enfrenta problemas para conseguir a aprovação do orçamento e perdeu nove pontos na última pesquisa de popularidade, estuda a possibilidade de convocar eleições antecipadas, em janeiro de 2003, segundo analistas políticos.

Sharon disse recentemente ao chefe político do partido ultraortodoxo Shass, Eli Yishai, que tem intenções de "ir até o fim" para conseguir a aprovação de seu projeto de orçamento para 2003, informou a rádio oficial.

Este projeto, que prevê cortes de US$ 1,8 bilhão para reduzir o déficit, foi aprovado no dia 30 de julho pelo Governo. Entretanto, os ministros trabalhistas e do Shass votaram contra. Sem o respaldo destes dois partidos políticos no Parlamento (Knesset), Sharon não poderá levar à votação esse projeto de orçamento durante a sessão de outono, que começa em meados de outubro.

De acordo com a rádio oficial, Sharon tem intenções de destituir os ministros dos partidos que votarem contra o projeto orçamentário. Nesse caso, Sharon pediria ao presidente Moshe Katzav sua autorização para dissolver o Parlamento e organizar eleições 90 dias depois, em janeiro.

"O primeiro-ministro disse claramente que a partir do momento em que o Governo votou a favor do projeto de orçamento, os ministros devem apoiá-lo no Knesset", declarou á rádio militar o ministro de Comunicações, Reuven Rivlin, muito ligado a Sharon.

Os cortes orçamentários foram decididos sob o efeito simultâneo do grande aumento dos gastos militares provocados pela Intifada e terão como conseqüência a diminuição das ajudas às famílias mais pobres e aos desempregados.

Segundo Rivlin, "um governo não pode funcionar sem maioria parlamentar".

O ministro de Relações Exteriores, Shimon Peres (trabalhista), estimou que "se o primeiro-ministro não conseguir levar à votação seu projeto de orçamento, não terá outra alternativa a não ser conformar-se com as conseqüências".

De acordo com a última pesquisa, publicada sexta-feira pelo jornal Yediot Aharonot, sua popularidade caiu pela primeira vez nove pontos em três semanas, embora mantenha a possibilidade de ganhar as próximas eleições.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;