Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Drama grego traz uma história bem temperada


Alessandro Soares
Do Diário do Grande ABC

18/03/2005 | 12:16


Em grego – e em português também – a palavra astronomia está contida em gastronomia. Isso diz respeito ao filme O Tempero da Vida (estréia só em São Paulo), simpático drama grego dirigido e escrito por Tassos Boulmetis. Pimenta, picante e ardida, vai bem em todas as comidas e representa o Sol; canela, doce e ardente como toda mulher, representa Vênus, ou Afrodite; sal, utilizado para dar mais sabor às receitas, é a Terra, pois a vida requer sempre um pouco de sal. Assim o avô do menino Fanis (Markos Osse) o ensina a respeito do sistema solar e os temperos que vende em uma loja de Istambul, na Turquia. Olhar o céu, para os gregos, é ler histórias; saborear suas receitas é entender suas lendas.

Há muito tempero em Istambul, que já foi chamada Constantinopla, cidade que pertenceu a povos distintos, entre eles os gregos. De origem grega, a família de Fanis vive na cidade sob tensão diante das hostilidades seculares que Grécia e Turquia mantêm entre si. Em 1961 vem o golpe: todos os cidadãos de origem grega são deportados após a invasão do Chipre pela Grécia. Fanis e seus pais voltam para Atenas, menos o avô, que se tornou cidadão turco. O filme começa com Fanis adulto (Georges Corraface), cozinha bem e dá aulas de astronomia, esperando seu avô e mentor para um jantar que nunca acontece.

Narrando em flashback, ele tenta demonstrar como a relação diplomática greco-turca se reflete na culinária, que incorpora histórias e lendas de seu povo nas receitas. Uma delas: a mãe e as tias de Fanis ensinam a noiva de seu tio como esconder alho e cebola na carne do jantar, porque uma esposa precisa saber esconder algumas coisas. "Nossa política e nossa cozinha é contribuição de pessoas que deixaram jantares inacabados em algum lugar", diz Fanis, pois sempre que se assentam, é hora de partir.

Ele narra suas memórias de infância e os jantares em família – como sua tia-avó curou-se do mal de Parkinson ao se assustar com a explosão de uma panela de pressão e como voltou a manifestar a doença ao segurar um liquidificador ligado. Lembra, principalmente, as idiossincrasias e os rituais de seu avô sobre os temperos que dão sabor à vida. Colocar canela em almôndegas para as pessoas se olharem nos olhos é um deles, pois "às vezes é preciso usar errado para provar um ponto de vista". É o que se pode chamar de um filme bem temperado.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;