Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 1 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Paranapiacaba está entre os 100 monumentos do mundo


Do Diário do Grande ABC

15/09/1999 | 22:40


O alto-falante de uma Kombi da prefeitura de Santo André, em parada estratégica em frente do Bar da Zilda, repetia a boa notícia e convidava as pessoas para a comemoraçao, que será nesta quinta-feira. Paranapiacaba foi incluída entre os cem monumentos mais importantes do mundo pelo World Monuments Fund, organizaçao nao-governamental (ONG) norte-americana que atua na área de preservaçao do patrimônio histórico. A conquista vale para 2000 e 2001.

Sem saber o que isso significa, os cerca de 800 moradores desse lugarejo pacato nao deixaram de lado seus afazeres. Alguns estavam até um pouco descrentes. Afinal, muitas das estruturas arquitetônicas e maquinários antigos da parte baixa da vila se encontram em estado deplorável. Cautelosos, vao esperar a solenidade desta quinta, batizada de Ato por Paranapiacaba, para ver o que acontece.

"Isso aqui está abandonado", disse Maria Reis, 54 anos, viúva há 7, que faz tapetes e conserta roupas para o tempo passar mais depressa. Ela mora de aluguel com o filho Renê e o gato Bruno numa casinha pré-fabricada de madeira, em estilo vitoriano, da Rede Ferroviária Federal S.A., guardia legal do patrimônio de Paranapiacaba.

Seu marido foi funcionário da ferrovia durante anos e ela se orgulha de pagar todo mês à Rede R$ 97,00 mensais. "O que eu fico boba é que há muitos que nao pagam." Ela se referia aos vizinhos invasores, que começaram a chegar há três anos e, apesar da inadimplência, nao sao incomodados. "O que falta aqui é transporte; vivem dizendo que os trens vao voltar, mas nao voltam."

O professor Eric Tadeu Lamarca, 26 anos, espera que a inclusao na lista da World garanta repercussao internacional à vila. Sobretudo que chame atençao para suas necessidades.

"O patrimônio está ao Deus dará", afirmou ele, ressaltando que desde o tombamento da vila, em 1987, nada mais foi feito. Para ele, isso afetou o uso turístico, pedagógico e histórico de Paranapiacaba. Como presidente de uma associaçao ambientalista, em abril, Lamarca entrou com açao no Ministério Público para denunciar a degradaçao, que acarreta conseqüências sociais. "O alcoolismo é um problema grave por aqui."

Sebastiao Gana de Assis conhece as 250 famílias e as 15 ruas de Paranapiacaba na palma da mao. Assis é carteiro e morou na vila na infância. Depois, sua família se mudou para a vizinha Rio Grande da Serra. Apenas em duas ocasioes ele fica muito atarefado: uma é no dia de entregar as contas telefônicas. "Antes, só rico tinha telefone", disse, bem-humorado.

Outra é quando chegam as correspondências de aluguel, que, no entanto, só têm como destinatários os moradores das casas da Rede. "No morro vivem só proprietários", comentou, referindo-se ao lado mais alto da vila. Assis nao tinha conhecimento da importância da vila. "Nao sei se é porque estou acostumado, mas nao vejo muita coisa; as casas estao é acabadas."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Paranapiacaba está entre os 100 monumentos do mundo

Do Diário do Grande ABC

15/09/1999 | 22:40


O alto-falante de uma Kombi da prefeitura de Santo André, em parada estratégica em frente do Bar da Zilda, repetia a boa notícia e convidava as pessoas para a comemoraçao, que será nesta quinta-feira. Paranapiacaba foi incluída entre os cem monumentos mais importantes do mundo pelo World Monuments Fund, organizaçao nao-governamental (ONG) norte-americana que atua na área de preservaçao do patrimônio histórico. A conquista vale para 2000 e 2001.

Sem saber o que isso significa, os cerca de 800 moradores desse lugarejo pacato nao deixaram de lado seus afazeres. Alguns estavam até um pouco descrentes. Afinal, muitas das estruturas arquitetônicas e maquinários antigos da parte baixa da vila se encontram em estado deplorável. Cautelosos, vao esperar a solenidade desta quinta, batizada de Ato por Paranapiacaba, para ver o que acontece.

"Isso aqui está abandonado", disse Maria Reis, 54 anos, viúva há 7, que faz tapetes e conserta roupas para o tempo passar mais depressa. Ela mora de aluguel com o filho Renê e o gato Bruno numa casinha pré-fabricada de madeira, em estilo vitoriano, da Rede Ferroviária Federal S.A., guardia legal do patrimônio de Paranapiacaba.

Seu marido foi funcionário da ferrovia durante anos e ela se orgulha de pagar todo mês à Rede R$ 97,00 mensais. "O que eu fico boba é que há muitos que nao pagam." Ela se referia aos vizinhos invasores, que começaram a chegar há três anos e, apesar da inadimplência, nao sao incomodados. "O que falta aqui é transporte; vivem dizendo que os trens vao voltar, mas nao voltam."

O professor Eric Tadeu Lamarca, 26 anos, espera que a inclusao na lista da World garanta repercussao internacional à vila. Sobretudo que chame atençao para suas necessidades.

"O patrimônio está ao Deus dará", afirmou ele, ressaltando que desde o tombamento da vila, em 1987, nada mais foi feito. Para ele, isso afetou o uso turístico, pedagógico e histórico de Paranapiacaba. Como presidente de uma associaçao ambientalista, em abril, Lamarca entrou com açao no Ministério Público para denunciar a degradaçao, que acarreta conseqüências sociais. "O alcoolismo é um problema grave por aqui."

Sebastiao Gana de Assis conhece as 250 famílias e as 15 ruas de Paranapiacaba na palma da mao. Assis é carteiro e morou na vila na infância. Depois, sua família se mudou para a vizinha Rio Grande da Serra. Apenas em duas ocasioes ele fica muito atarefado: uma é no dia de entregar as contas telefônicas. "Antes, só rico tinha telefone", disse, bem-humorado.

Outra é quando chegam as correspondências de aluguel, que, no entanto, só têm como destinatários os moradores das casas da Rede. "No morro vivem só proprietários", comentou, referindo-se ao lado mais alto da vila. Assis nao tinha conhecimento da importância da vila. "Nao sei se é porque estou acostumado, mas nao vejo muita coisa; as casas estao é acabadas."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;