Fechar
Publicidade

Sábado, 31 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

BC chinês faz maior injeção líquida de capital desde fevereiro de 2013



28/01/2016 | 04:34


O Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) fez nesta semana sua injeção de capital mais agressiva no sistema financeiro em quase três anos, provendo liquidez antes do feriado do ano-novo lunar para evitar uma escassez de recursos e contrabalançar as saídas de capital.

O PBoC ofereceu hoje 340 bilhões de yuans (US$ 51,89 bilhões) em empréstimos de curto prazo, conhecidos como acordos de recompra reversa, para bancos comerciais por meio de operações de mercado aberto, que normalmente ocorrem às terças e quintas.

Como o BC chinês forneceu outros 440 bilhões de yuans através de instrumentos similares no mercado interbancário na última terça-feira e estão vencendo 190 bilhões de yuans em empréstimos anteriores, a injeção líquida feita no sistema nesta semana ficou em 590 bilhões de yuans, o maior montante do tipo desde o início de fevereiro de 2013, quando o volume alcançou 662 bilhões de yuans.

A iniciativa veio depois de o PBoC oferecer, na semana passada, mais de 1,5 trilhão de yuans em empréstimos de curto e médio prazos aos bancos.

A oferta de recursos tem como objetivo parcial atender o aumento da demanda por capital antes do feriado do ano-novo chinês, que será na segunda semana de fevereiro.

O PBoC também busca conter a aceleração da fuga de capitais, num momento em que crescem os temores com a saúde econômica da China e com a turbulência recente nos mercados financeiros do gigante asiático.

No ano passado, as saídas de capital da China totalizaram US$ 500 bilhões, o equivalente a 13% das reservas internacionais do país, com os investidores em busca de rendimentos maiores no exterior em meio ao questionamento da estratégia de Pequim para gerir a economia.

As reservas internacionais da China sofreram em dezembro uma queda recorde de US$ 107,92 bilhões, a US$ 3,33 trilhões, atingindo o menor patamar em três anos. Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

BC chinês faz maior injeção líquida de capital desde fevereiro de 2013


28/01/2016 | 04:34


O Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) fez nesta semana sua injeção de capital mais agressiva no sistema financeiro em quase três anos, provendo liquidez antes do feriado do ano-novo lunar para evitar uma escassez de recursos e contrabalançar as saídas de capital.

O PBoC ofereceu hoje 340 bilhões de yuans (US$ 51,89 bilhões) em empréstimos de curto prazo, conhecidos como acordos de recompra reversa, para bancos comerciais por meio de operações de mercado aberto, que normalmente ocorrem às terças e quintas.

Como o BC chinês forneceu outros 440 bilhões de yuans através de instrumentos similares no mercado interbancário na última terça-feira e estão vencendo 190 bilhões de yuans em empréstimos anteriores, a injeção líquida feita no sistema nesta semana ficou em 590 bilhões de yuans, o maior montante do tipo desde o início de fevereiro de 2013, quando o volume alcançou 662 bilhões de yuans.

A iniciativa veio depois de o PBoC oferecer, na semana passada, mais de 1,5 trilhão de yuans em empréstimos de curto e médio prazos aos bancos.

A oferta de recursos tem como objetivo parcial atender o aumento da demanda por capital antes do feriado do ano-novo chinês, que será na segunda semana de fevereiro.

O PBoC também busca conter a aceleração da fuga de capitais, num momento em que crescem os temores com a saúde econômica da China e com a turbulência recente nos mercados financeiros do gigante asiático.

No ano passado, as saídas de capital da China totalizaram US$ 500 bilhões, o equivalente a 13% das reservas internacionais do país, com os investidores em busca de rendimentos maiores no exterior em meio ao questionamento da estratégia de Pequim para gerir a economia.

As reservas internacionais da China sofreram em dezembro uma queda recorde de US$ 107,92 bilhões, a US$ 3,33 trilhões, atingindo o menor patamar em três anos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;