Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 17 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Mauá garante recurso a empresa envolvida em caso de corrupção

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Administração de Marcelo Oliveira empenha quase R$ 2 milhões em contratos com a Geometrica, alvo da Operação Trato Feito


Daniel Tossato

26/01/2022 | 05:36


A Prefeitura de Mauá, comandada por Marcelo Oliveira (PT), empenhou duas notas, totalizando quase R$ 2 milhões, a empresa que esteve envolvida em esquema de corrupção e que resultou na segunda prisão do ex-mandatário da cidade Atila Jacomussi (ex-PSB, atual SD), ainda em 2018.

Conforme documentos obtidos pelo Diário, a administração petista reservou os valores para a Geometrica Engenharia de Projetos Ltda. As duas notas, uma no valor de R$ 1.790.899,84 e outra no de R$ 155.575,72, têm a mesma destinação: “Contratação de empresa para elaboração de projeto de urbanização para os assentamentos precários para o Chafick Macuco e Jardim Oratório”. A data de empenhos dos valores é do dia 3 de janeiro deste ano. Os dois locais são conhecidos como áreas carentes da cidade.

A Geometrica Engenharia de Projetos Ltda esteve envolvida em esquema de pagamento de propina investigado pela PF (Polícia Federal), no âmbito da Operação Trato Feito, segunda incursão das forças de segurança e que rendeu a segunda prisão do ex-prefeito da cidade Atila Jacomussi. Ex-secretário de Governo na gestão João Eduardo Gaspar também foi detido.

À época, além da prisão de Atila, a Justiça Federal também autorizou o cumprimento de mandados de busca e apreensão nos gabinetes de vereadores do município. Somente Marcelo Oliveira, que atuava como parlamentar, ficou fora da lista de investigados. Naquele ano, o ainda vereador petista fez duras críticas à atuação da administração e à relação que o Executivo manteve com as empresas investigadas durante a operação da PF.

Conforme o vereador de oposição Sargento Simões (Podemos), a situação não é ilegal, mas beira a “imoralidade”, já que no passado o prefeito Marcelo Oliveira criticou todo o processo que culminou na prisão de Atila e também no aprofundamento da crise política que corroeu as relações do Executivo e do Legislativo durante aquele período.

“Antes ele criticava, mas agora, como é prefeito, ele pode escolher. Vou também ao Ministério Público. É preciso apurar essa situação”, declarou o vereador.

Por meio de nota, a Prefeitura de Mauá alegou que os contratos com a Geometrica foram estabelecidos em 2014. “As notas de empenho são referentes ao saldo residual de contrato em vigor, sem a obrigação de utilização dos recursos para este fim”, sustentou.

Sobre manter o convênio com empresa que participou de esquema de propina, afirmou que parte do valor será custeada pelo governo federal. “A não realização dos empenhos significa abrir mão dos investimentos disponibilizados.” 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;