Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 14 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Estudante acusa seguranças de shopping por agressão


Rodrigo Bruder
Isis Mastromano Correia
Do Diário do Grande ABC

29/02/2008 | 07:06


Dois seguranças do Mauá Plaza Shopping são acusados de espancar um estudante de 17 anos na noite de anteontem, na saída da praça de alimentação.

O rapaz contou que sentou-se sobre a calçada em frente ao acesso do local – o que é proibido pelo estabelecimento – para se apoiar e escrever num caderno.

Depois de ser advertido, o adolescente disse que se levantou e continuou conversando com quatro amigos.

Um guarda cobrou explicações supondo que o estudante estava tirando “um sarro” do procedimento de segurança, conforme disse o garoto.

O segurança teria cuspido na cara do jovem, sacado um cassetete e expulsado o estudante do shopping a pontapés.

Enquanto ele tentava se defender dos golpes, um outro funcionário passou a agredi-lo também.

“Só não apanhei mais porque um terceiro guarda tentava impedira agressão enquanto os outros me botavam para fora”, explicou.

Ele sofreu escoriações nos ombros, costas e cabeça. Ontem a tarde, o estudante fez exame de corpo de delito. O caso foi registrado no 1º DP de Mauá.

O pai do garoto, Eli Roberto de Oliveira, cobrará a explicação dos supostos agressores na Justiça. “Fui falar com a administração e com a chefia de segurança do shopping e eles não me deram muito ouvido. Disseram ser contra a violência. Mas é só olhar o corpo de meu filho”, revoltou-se Oliveira. Segundo ele, no momento da agressão, cerca de sete pessoas que passavam pelo local testemunharam a favor do garoto.

De acordo com o gerente geral do Mauá Plaza, Fernando Rodriguez, o shopping aguarda comunicado da polícia, pois o fato não era conhecido até o contato da reportagem.

De acordo com Rodriguez, não há registro da agressão nas câmeras de segurança. Ele contestou ainda o uso de armas pela equipe. “Os meus seguranças não usam cassetetes e seus uniformes são registrados pela Policia Federal”, afirmou Rodriguez.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Estudante acusa seguranças de shopping por agressão

Rodrigo Bruder
Isis Mastromano Correia
Do Diário do Grande ABC

29/02/2008 | 07:06


Dois seguranças do Mauá Plaza Shopping são acusados de espancar um estudante de 17 anos na noite de anteontem, na saída da praça de alimentação.

O rapaz contou que sentou-se sobre a calçada em frente ao acesso do local – o que é proibido pelo estabelecimento – para se apoiar e escrever num caderno.

Depois de ser advertido, o adolescente disse que se levantou e continuou conversando com quatro amigos.

Um guarda cobrou explicações supondo que o estudante estava tirando “um sarro” do procedimento de segurança, conforme disse o garoto.

O segurança teria cuspido na cara do jovem, sacado um cassetete e expulsado o estudante do shopping a pontapés.

Enquanto ele tentava se defender dos golpes, um outro funcionário passou a agredi-lo também.

“Só não apanhei mais porque um terceiro guarda tentava impedira agressão enquanto os outros me botavam para fora”, explicou.

Ele sofreu escoriações nos ombros, costas e cabeça. Ontem a tarde, o estudante fez exame de corpo de delito. O caso foi registrado no 1º DP de Mauá.

O pai do garoto, Eli Roberto de Oliveira, cobrará a explicação dos supostos agressores na Justiça. “Fui falar com a administração e com a chefia de segurança do shopping e eles não me deram muito ouvido. Disseram ser contra a violência. Mas é só olhar o corpo de meu filho”, revoltou-se Oliveira. Segundo ele, no momento da agressão, cerca de sete pessoas que passavam pelo local testemunharam a favor do garoto.

De acordo com o gerente geral do Mauá Plaza, Fernando Rodriguez, o shopping aguarda comunicado da polícia, pois o fato não era conhecido até o contato da reportagem.

De acordo com Rodriguez, não há registro da agressão nas câmeras de segurança. Ele contestou ainda o uso de armas pela equipe. “Os meus seguranças não usam cassetetes e seus uniformes são registrados pela Policia Federal”, afirmou Rodriguez.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;