Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Cia. de Dança Deborah Colker faz temporada em SP


Mauro Fernando
Do Diário do Grande ABC

16/03/2003 | 18:21


A capacidade da maior sala do Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo, é de 862 lugares. Mas eles se tornam escassos quando a Cia. de Dança Deborah Colker aporta por lá, mesmo que a temporada seja de duas semanas. Na próxima quinta-feira (dia 20), a trupe carioca reestréia 4 por 4, coreografia da própria Deborah. O espetáculo fica em cartaz até dia 30 e os ingressos, a R$ 30, já estão à venda.

Em 4 por 4, Deborah procura a fusão entre artes plásticas e dança contemporânea. Compõem o espetáculo quatro movimentos vinculados ao trabalho dos artistas plásticos Cildo Meireles, Gringo Cardia e Victor Arruda, além do grupo Chelpa Ferro, formado por Barrão, Chico Neves, Luiz Zerbini e Sergio Meckler. A coreógrafa criou a montagem a partir de idéias que surgiram em visitas a museus e galerias.

Em Cantos, o primeiro quadro, seis intérpretes aparecem integrados na obra de Meireles e exploram a sensualidade que ela sugere – para Deborah, cantos são lugares onde o sexo inesperado só precisa de uma centelha para se manifestar. De vestido longo e salto alto, as bailarinas interpelam o vigor dos bailarinos. Em Mesa, três integrantes do grupo, incluindo Deborah, interagem com o objeto do Chelpa Ferro. O elenco completo da companhia dança em Povinho, em que os bailarinos trabalham sobre o painel de Arruda a relação entre humor e sexo.

Ao piano, tocando Mozart, Deborah volta à cena em As Meninas, que remete a telas de Velázquez e Degas e constitui uma espécie de prólogo de Vasos, criado sobre obra de Cardia. Enquanto se desenrola a serenidade de As Meninas, 90 vasos – os intérpretes dançam entre eles – são colocados no palco para os gestos explosivos de Vasos.

A competência de Deborah já extrapolou as fronteiras brasileiras. Em 2001 recebeu em Londres o Prêmio Lawrence Olivier na categoria realização notável em dança por Mix, espetáculo no qual condensou as montagens Vulcão, Velox, Rota e Casa. No ano passado foi convidada a coreografar para a Komische Oper de Berlim. O resultado: Sie (Ela), cuja temática é o desejo.

Caracterizada por intérpretes de técnica invejável e por balés de densidade dramatúrgica não tão encorpada, a Cia. de Dança Deborah Colker é uma das mais populares do país, e costuma lotar teatros. Se não preenche o espírito de muitos, a dança contemporânea de Deborah enche os olhos de todos. A partir de outubro, a companhia mostra 4 por 4 nos Estados Unidos, Alemanha, França e Inglaterra, em mais uma de suas constantes excursões pelo exterior.

4 por 4 – Dança contemporânea. Coreografia de Deborah Colker. Com a Cia. de Dança Deborah Colker. De quarta a sábado, às 21h, e domingo, às 18h. No Teatro Sérgio Cardoso – r. Rui Barbosa, 153, São Paulo. Tel.: 288-0136. Ingr.: R$ 30. De 20 a 30 deste mês.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cia. de Dança Deborah Colker faz temporada em SP

Mauro Fernando
Do Diário do Grande ABC

16/03/2003 | 18:21


A capacidade da maior sala do Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo, é de 862 lugares. Mas eles se tornam escassos quando a Cia. de Dança Deborah Colker aporta por lá, mesmo que a temporada seja de duas semanas. Na próxima quinta-feira (dia 20), a trupe carioca reestréia 4 por 4, coreografia da própria Deborah. O espetáculo fica em cartaz até dia 30 e os ingressos, a R$ 30, já estão à venda.

Em 4 por 4, Deborah procura a fusão entre artes plásticas e dança contemporânea. Compõem o espetáculo quatro movimentos vinculados ao trabalho dos artistas plásticos Cildo Meireles, Gringo Cardia e Victor Arruda, além do grupo Chelpa Ferro, formado por Barrão, Chico Neves, Luiz Zerbini e Sergio Meckler. A coreógrafa criou a montagem a partir de idéias que surgiram em visitas a museus e galerias.

Em Cantos, o primeiro quadro, seis intérpretes aparecem integrados na obra de Meireles e exploram a sensualidade que ela sugere – para Deborah, cantos são lugares onde o sexo inesperado só precisa de uma centelha para se manifestar. De vestido longo e salto alto, as bailarinas interpelam o vigor dos bailarinos. Em Mesa, três integrantes do grupo, incluindo Deborah, interagem com o objeto do Chelpa Ferro. O elenco completo da companhia dança em Povinho, em que os bailarinos trabalham sobre o painel de Arruda a relação entre humor e sexo.

Ao piano, tocando Mozart, Deborah volta à cena em As Meninas, que remete a telas de Velázquez e Degas e constitui uma espécie de prólogo de Vasos, criado sobre obra de Cardia. Enquanto se desenrola a serenidade de As Meninas, 90 vasos – os intérpretes dançam entre eles – são colocados no palco para os gestos explosivos de Vasos.

A competência de Deborah já extrapolou as fronteiras brasileiras. Em 2001 recebeu em Londres o Prêmio Lawrence Olivier na categoria realização notável em dança por Mix, espetáculo no qual condensou as montagens Vulcão, Velox, Rota e Casa. No ano passado foi convidada a coreografar para a Komische Oper de Berlim. O resultado: Sie (Ela), cuja temática é o desejo.

Caracterizada por intérpretes de técnica invejável e por balés de densidade dramatúrgica não tão encorpada, a Cia. de Dança Deborah Colker é uma das mais populares do país, e costuma lotar teatros. Se não preenche o espírito de muitos, a dança contemporânea de Deborah enche os olhos de todos. A partir de outubro, a companhia mostra 4 por 4 nos Estados Unidos, Alemanha, França e Inglaterra, em mais uma de suas constantes excursões pelo exterior.

4 por 4 – Dança contemporânea. Coreografia de Deborah Colker. Com a Cia. de Dança Deborah Colker. De quarta a sábado, às 21h, e domingo, às 18h. No Teatro Sérgio Cardoso – r. Rui Barbosa, 153, São Paulo. Tel.: 288-0136. Ingr.: R$ 30. De 20 a 30 deste mês.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;