Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

PT sai de encontro 'mais light'


Roney Domingos e
Regiane Soares
Do Diário do Grande ABC

16/03/2003 | 21:30


A ala esquerda do PT saiu mais light do encontro do diretório nacional realizado durante o fim de semana em São Paulo. O deputado federal Chico Alencar – um dos expoentes da esquerda do PT – afirmou que o velho bordão “Fora FMI” perdeu vigor diante da promessa, feita pelo ministro da Fazenda, Antônio Palocci, de que a idéia é estabelecer uma recuperação para que o país não necessite mais do sistema financeiro internacional. Houve uma troca de sinais, cujo resultado final é um PT ainda mais moderado. Alencar viu como uma ironia que a esquerda tenha se transformado em “produtivista e desenvolvimentista” e, apesar disso, enquadrada por uma cúpula “monetarista”.

Alencar afirmou que depois de dois dias de encontro, a esquerda do partido saiu com mais espaço para enfrentar o debate em torno das reformas e com relação à política econômica do governo. Em sua avaliação, o grupo rebelde conseguiu uma “resolução mais larga” e, portanto, “um enquadramento menor”. A esquerda incluiu no texto final duas posições: a primeira determina a atual política econômica de juros altos como obrigatoriamente transitória para o modelo de crescimento econômico que o partido sempre defendeu. A segunda defende que as reformas tributária e da Previdência devem visar não apenas o ajuste fiscal, mas, principalmente, a proteção social.

O grupo majoritário e que detém maior presença no governo produziu o texto da resolução vencedora. A tese foi aprovada por 54 dirigentes, 70% do diretório nacional. A ala esquerda do partido apresentou outras duas teses, que obtiveram 13 e 8 votos cada. Houve duas abstenções provocadas não por posicionamento político, mas por ausência dos dirigentes. “O resultado da votação aponta para um apoio maciço à política do presidente da República”, afirmou a prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, eleita ontem para a vice-presidência do diretório nacional. Para ela, isso mostra que a ala radical não se amplia. O senador Aloízio Mercadante desqualificou as críticas da esquerda e disse que notou pouco interesse de representantes como o deputado João Batista Babá (PT-PA) em participar efetivamente das discussões.

O presidente do PT, José Genoíno, evitou comentar o que pode acontecer aos deputados da ala radical que eventualmente contrariarem, no Congresso, as resoluções que o partido definiu no fim de semana. “Eu sou o presidente de um partido, não um comandante disciplinar”, disse Genoíno. “As resoluções valem para todos os integrantes do partido. Os companheiros tem toda a liberdade de fazer a discussão, mas o PT nunca abriu mão de ter unidade de ação.”



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PT sai de encontro 'mais light'

Roney Domingos e
Regiane Soares
Do Diário do Grande ABC

16/03/2003 | 21:30


A ala esquerda do PT saiu mais light do encontro do diretório nacional realizado durante o fim de semana em São Paulo. O deputado federal Chico Alencar – um dos expoentes da esquerda do PT – afirmou que o velho bordão “Fora FMI” perdeu vigor diante da promessa, feita pelo ministro da Fazenda, Antônio Palocci, de que a idéia é estabelecer uma recuperação para que o país não necessite mais do sistema financeiro internacional. Houve uma troca de sinais, cujo resultado final é um PT ainda mais moderado. Alencar viu como uma ironia que a esquerda tenha se transformado em “produtivista e desenvolvimentista” e, apesar disso, enquadrada por uma cúpula “monetarista”.

Alencar afirmou que depois de dois dias de encontro, a esquerda do partido saiu com mais espaço para enfrentar o debate em torno das reformas e com relação à política econômica do governo. Em sua avaliação, o grupo rebelde conseguiu uma “resolução mais larga” e, portanto, “um enquadramento menor”. A esquerda incluiu no texto final duas posições: a primeira determina a atual política econômica de juros altos como obrigatoriamente transitória para o modelo de crescimento econômico que o partido sempre defendeu. A segunda defende que as reformas tributária e da Previdência devem visar não apenas o ajuste fiscal, mas, principalmente, a proteção social.

O grupo majoritário e que detém maior presença no governo produziu o texto da resolução vencedora. A tese foi aprovada por 54 dirigentes, 70% do diretório nacional. A ala esquerda do partido apresentou outras duas teses, que obtiveram 13 e 8 votos cada. Houve duas abstenções provocadas não por posicionamento político, mas por ausência dos dirigentes. “O resultado da votação aponta para um apoio maciço à política do presidente da República”, afirmou a prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, eleita ontem para a vice-presidência do diretório nacional. Para ela, isso mostra que a ala radical não se amplia. O senador Aloízio Mercadante desqualificou as críticas da esquerda e disse que notou pouco interesse de representantes como o deputado João Batista Babá (PT-PA) em participar efetivamente das discussões.

O presidente do PT, José Genoíno, evitou comentar o que pode acontecer aos deputados da ala radical que eventualmente contrariarem, no Congresso, as resoluções que o partido definiu no fim de semana. “Eu sou o presidente de um partido, não um comandante disciplinar”, disse Genoíno. “As resoluções valem para todos os integrantes do partido. Os companheiros tem toda a liberdade de fazer a discussão, mas o PT nunca abriu mão de ter unidade de ação.”

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;