Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Um novo amor e algumas pulgas


Cássio Gomes Neves
Do Diário do Grande ABC

26/08/2005 | 08:18


Comédia romântica assim, feito Procura-se um Amor que Goste de Cachorros, você já viu inúmeras vezes. Mas há uma minúcia neste filme de Gary David Goldberg que deve ser levada em conta, porque trata de uma mania que acomete a humanidade após o advento de futilidades tecnológicas pró-relacionamento, como Orkut, sites de encontros e quetais. Estão diminuindo as possibilidades de surpresa e de descoberta, pois a exibição nas vitrines on-line promovem um verdadeiro levantamento da ficha do exibido, o tal do profile na linguagem dos internautas. São os filtros que ora repelem, ora atraem o aspirante a ser amado.

No caso de Sarah (Diane Lane), o filtro que ela escolhe na caça on-line de um parceiro resume-se à frase “must love dogs”, ou, em bom português, “precisa adorar cachorros”. Explica-se: Sarah é uma professora quarentona recém-divorciada, bonitona, a quem amigos e familiares dispensam um excessivo cuidado, preocupados com seu futuro amoroso.

A moça troca os pés pelas mãos numa série de malfadados encontros, promovidos por uma agência de encontros instalada na internet e na qual Sarah é convencida a ingressar pela irmã; sempre com a restrição de que o parceiro deve ser um espécime de melhor amigo do cão. Uma coleção de bolas na trave se sucede até que Sarah topa com Jake (John Cusack), sujeito que apresenta todos os indícios de potencial goleada amorosa, computada aí a adoração pelo gênero canino.

Goldberg volta à direção 16 anos depois de Meu Pai, uma Lição de Vida, drama em que Jack Lemmon e Ted Danson viviam pai e filho. Consegue, vez ou outra, extrair simpatia de Procura-se um Amor..., especialmente quando não tenta repetir Mensagem pra Você (1998) – que também demonstrava-se como uma perseguição desesperada atrás das novas formas de se relacionar à distância e as conseqüências disso. No fim, como pode imaginar todo bom fã de comédia romântica, tudo se acerta. Bom para os românticos, nem tão bom assim para o cinema.

PROCURA-SE UM AMOR QUE GOSTE DE CACHORRO (Must Love Dogs, EUA, 2005). Dir.: Gary David Goldberg. Com John Cusack, Diane Lane, Stockard Channing, Christopher Plummer, Dermot Mulroney. Estréia nesta sexta-feira no ABC Plaza 3, Extra Anchieta 9, Central Plaza 3 e circuito. Censura: 12 anos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Um novo amor e algumas pulgas

Cássio Gomes Neves
Do Diário do Grande ABC

26/08/2005 | 08:18


Comédia romântica assim, feito Procura-se um Amor que Goste de Cachorros, você já viu inúmeras vezes. Mas há uma minúcia neste filme de Gary David Goldberg que deve ser levada em conta, porque trata de uma mania que acomete a humanidade após o advento de futilidades tecnológicas pró-relacionamento, como Orkut, sites de encontros e quetais. Estão diminuindo as possibilidades de surpresa e de descoberta, pois a exibição nas vitrines on-line promovem um verdadeiro levantamento da ficha do exibido, o tal do profile na linguagem dos internautas. São os filtros que ora repelem, ora atraem o aspirante a ser amado.

No caso de Sarah (Diane Lane), o filtro que ela escolhe na caça on-line de um parceiro resume-se à frase “must love dogs”, ou, em bom português, “precisa adorar cachorros”. Explica-se: Sarah é uma professora quarentona recém-divorciada, bonitona, a quem amigos e familiares dispensam um excessivo cuidado, preocupados com seu futuro amoroso.

A moça troca os pés pelas mãos numa série de malfadados encontros, promovidos por uma agência de encontros instalada na internet e na qual Sarah é convencida a ingressar pela irmã; sempre com a restrição de que o parceiro deve ser um espécime de melhor amigo do cão. Uma coleção de bolas na trave se sucede até que Sarah topa com Jake (John Cusack), sujeito que apresenta todos os indícios de potencial goleada amorosa, computada aí a adoração pelo gênero canino.

Goldberg volta à direção 16 anos depois de Meu Pai, uma Lição de Vida, drama em que Jack Lemmon e Ted Danson viviam pai e filho. Consegue, vez ou outra, extrair simpatia de Procura-se um Amor..., especialmente quando não tenta repetir Mensagem pra Você (1998) – que também demonstrava-se como uma perseguição desesperada atrás das novas formas de se relacionar à distância e as conseqüências disso. No fim, como pode imaginar todo bom fã de comédia romântica, tudo se acerta. Bom para os românticos, nem tão bom assim para o cinema.

PROCURA-SE UM AMOR QUE GOSTE DE CACHORRO (Must Love Dogs, EUA, 2005). Dir.: Gary David Goldberg. Com John Cusack, Diane Lane, Stockard Channing, Christopher Plummer, Dermot Mulroney. Estréia nesta sexta-feira no ABC Plaza 3, Extra Anchieta 9, Central Plaza 3 e circuito. Censura: 12 anos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;