Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Corintians vence o Olímpia por 5x4 e se classifica


Nelson Cilo
Especial para o Diário

20/04/2000 | 00:17


Valeu a persistência do Corinthians no festival de gols desta quarta à noite no Pacaembu. Os incríveis e sofridos 5 a 4 mantiveram a liderança do Grupo 3 (13 pontos ganhos), classificaram o time brasileiro à próxima fase da Copa Libertadores e eliminaram o Olímpia, do Paraguai.

Em uma guerra, como a desta quarta, às vezes vale a estratégia do mais ousado. O gol de Luizao, logo aos cinco minutos do primeiro tempo, parecia o início da festa corintiana. O atacante bateu de longa distância, no ângulo, para incendiar o estádio. Aos 15, Baez quase pegou Dida de surpresa na primeira investida perigosa do Olímpia.

É verdade que o Olímpia precisava da vitória para sobreviver. Apesar de tudo, o time paraguaio, cauteloso, utilizava o caminho mais sensato dos contra-golpes para nao receber o troco mortal. O leao ferido ainda mantinha a lucidez.

Pacientemente, o Olímpia perseguiu o empate e, aos 20, chegou lá. Baez reprisou Luizao e também colocou no ângulo direito. A diferença é que a bola desviou em Adílson para depois trair Dida, que se encontrava adiantado demais.

Aos 34, Baez iria incorporar a alma de Pelé para marcar um golaço de bicicleta, ao concluir o levantamento de Monzón. Era como se o impacto de uma bomba assustasse a Fiel, que emudeceu no momento do lance fatal, mas nao desistiu de empurrar o time para cima do corajoso rival.

Como toda relaçao de amor tem um pouco de ódio disfarçado, a torcida já se mostrava impaciente. O cruzamento de Edílson, nas redes, aos 40, provocou sussurros de desespero. Quanto sofrimento.

A ópera corintiana recomeçou a funcionar no segundo ato. Aos sete minutos do segundo tempo, Luizao, de cabeça, só explorou o escanteio de Marcelinho Carioca para estabelecer os 2 a 2. Aos 13, Vampeta arriscou da intermediária para desatar o nó da garganta da Fiel: 3 a 2.

Aos 18, Fretes - ao cobrar um pênalti que apenas o juiz viu - empatou. Aos 21, a cabeça de Luizao estava lá, de novo, para conferir outro levantamento de Marcelinho Carioca: 4 a 3.

Cutucaram a onça. Aos 24, Quintana surgiu de trás para reestabelecer o placar: 4 a 4. Os dois times, afinal, se enfrentavam como se fossem duas feras dispostas a matar ou morrer. Aos 42, enfim, o Corinthians nocauteou o bravíssimo Olímpia no gol de Marcelinho Carioca ao concluir o passe perfeito de Edílson.

No gramado, o técnico Oswaldo de Oliveira e os jogadores do Corinthians trocaram abraços demorados e cumprimentos como se acabassem de conquistar um título importante. Nos vestiários, o ambiente, é lógico, era de muita festa e confranternizaçao.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;