Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Investir segunda parcela do 13º na poupança é o melhor negócio


Pedro Souza
Do Diário do Grande ABC

19/12/2010 | 07:12


Amanhã é o último dia para as empresas pagarem aos funcionários a segunda parcela do 13º salário. E para aqueles que conseguiram se planejar sem criar dívidas contando com este provento, será a chance de dar o pontapé inicial nos investimentos. Porém para aqueles que não escaparam dos débitos já estabelecidos, a indicação dos especialistas é pagar todas as dívidas possíveis.

Para o professor de finanças da FGV-EESP (Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas), Samy Dana, os consumidores que não se endividaram têm a chance de engordar seu capital. Para quem não pretende correr grandes riscos, o professor aconselhou a aplicação na caderneta de poupança ou em títulos do governo federal.

"A poupança paga 6% ao ano mais a taxa referencial, o que resulta aproximadamente em 8,7% ao ano. Outra opção mais rentável são os títulos do governo, que podem ser comprados por meio do Tesouro Direto e pagam taxa de, aproximadamente, 10,75% ao ano", explicou Dana.

RISCO - Quem está com folga no orçamento e quiser arriscar mais para tentar melhores rendimentos pode investir no mercado de capitais.

"O trabalhador que recebe R$ 2 mil como 13º e decide investir essa quantia durante dez anos na Bolsa de Valores poderá ter cerca R$ 55 mil reais de rendimentos, ganho de mais de 90% em comparação com a poupança", afirmou por nota o economista-chefe da Corretora Souza Barros, Clodoir Vieira.

De acordo com o conselheiro da Anefac José Ronel Piccin, não é necessário muito dinheiro para começar os investimentos. "Com R$ 1.000 é possível começar os investimentos. Existem fundos de renda fixa que aceitam esta quantia inicial", explicou. Ele orienta que os futuros investidores pesquisem aplicações com baixas taxas de administração.

DÍVIDAS - Para Dana, o interessante é começar liquidando as dívidas mais indesejáveis, ou seja, donas dos maiores juros. "As dívidas mais caras, como cartão de crédito e cheque especial, devem ser priorizadas. O recomendável é não gastar mais de um terço do 13º em despesas de fim de ano como presentes e ceia de Natal", explicou, por nota.

Conforme última pesquisa de custo de crédito ao consumidor da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), os juros do cartão de crédito estavam em 10,69% ao mês, em novembro.

Calculando o preço desta modalidade de empréstimo, o consumidor que adquirir R$ 500 pelo plástico, pagaria após um mês da contratação R$ 53,4 de juros. Este acréscimo de valor seria suficiente para presentear um parente ou um filho no Natal.

No caso do cheque especial, o levantamento da Anefac revelou que o juros médio mensal ficou em 7,59%. Portanto dívidas dessas modalidades devem ser priorizadas para que não virem bolas de neves com as taxas elevada.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;